O Jornal Tocha da Verdade é uma publicação independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Conferência de missões 2020

A Comissão Executiva de Missões (CEM) promoveu encontro para reforçar o ensinamento da missão evangelística da Igreja. Testemunhos, histórias de grandes homens da comunidade e pregação foram o diferencial do evento. Muito embora tenham revelado poucas ocorrências e de forma limitada (um relatório sucinto, mas empolgante), falaram profundamente aos ouvintes que se desprenderam para enxergar o que não fora dito quanto ao trabalho nos diversos pontos aonde tem chegado a mensagem do Evangelho e de Moriá.

Além dos membros da CEM à frente da programação, contribuíram substancialmente com a mesma os seguintes irmãos: evangelista Maurício, Pastor Edilardo Messias, irmão Ferreira (futuro pastor de Russas-CE) e o pastor Glauco Filho. No louvor, o grupo de irmãos organizados pelo irmão Fabiano Santiago, novamente, conseguiu elevar a Igreja para adorar a Deus mui fervorosamente.

Ao final, a ênfase evangelística girou sempre em torno das máximas bíblicas sobre o assunto, conseguindo, a partir da fala de um dos grandes missionários contemporâneos, explicitar a essência da missão da Igreja: “A grande comissão não é uma opção a ser considerada, é um mandamento a ser obedecido” (Hudson Taylor).      


Distrações

 


“Tudo depende de quão bem você ouve o que Deus está dizendo – o que comumente chamamos de palavra de Deus. E ouvir bem a Deus exige muita atenção. Você está prestando atenção?”

- Abstraídos Com o Serviço a Deus

Uma das “armas” da artilharia infernal mais empregada para reduzir ou anular a comunhão e o interesse de estar com Deus são os jogos (virtuais ou não). Se não formos disciplinados, o requerido, o lugar de Deus, será substituível. Há uma variedade de Jogos que utilizam de armas (para ferir ou matar), entre eles: Free Fire e Call of Duty. Essa criação virtual carrega conteúdo violento, o que, normalmente não é tido como lícito para um cristão cooperar, tampouco praticar.

Provérbios 3:31 diz : “Não tenhas inveja de quem é violento, NEM ADOTE OS SEUS PROCEDIMENTOS” (grifo do autor). A bíblia também fala em Gálatas 5:21: “Inveja, HOMICÍDIOS, glutonaria, e coisas SEMELHANTES a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus” (grifo do autor). Observemos com mais atenção, na passagem anterior o apóstolo Paulo fala quanto às obras da carne, e há um detalhe muito preciso que pouco é percebido no trecho: “...e coisas SEMELHANTES a estas”. Pois bem, não existem especificações, mas de tudo aquilo que semelhante for, se torna ilícito a prática. Baseado nisso, se os jogos de violência introduzem, mediante aos conteúdos, práticas similares a homicídios, já sabemos que devemos nos abster disso. A coerência que poderia subsistir se desfaz quando um chamado crente que prega paz, ensinando indiretamente contra violência e homicídio, acessa conteúdos desse modelo. A igreja (universalmente falando) instituída por Jesus é proclamadora do amor, e deve-se, portanto, por intermédio de atos, demonstrar aquilo que pelos seus lábios é dito, e não encontrar regozijo em jogos obscenos, pois isso nos marcaria como hipócritas.

Pode-se dizer que vivemos a era do entretenimento. Pessoas de diferentes idades desejam satisfação em muitos “passatempos”, como séries, filmes, jogos etc.

Os frequentemente atraídos por essa “alegria” são jovens e crianças, e quanto menos atentos estão, facilmente são influenciados pelo conteúdo que ali é exposto; e, naturalmente haverá reflexos na personalidade, comportamento e até no caráter quando o conteúdo dos jogos deixarem de ser um “filme na mente” e passarem a ser encarados como realidade e praticados ativamente.

Por infelicidade, no meio da Cristandade isso já está infundido (uso o termo “cristandade” por que acredito não ser o chamado “povo de Deus” os praticantes do assunto criticado nesse artigo, ou se são, precisam voltar rapidamente a dizer e provavelmente pela primeira vez viver: “Sola Scriptura”), nos anulando do privilégio que é aproveitar mais tempo na presença de Deus, e quando dão por si, já são devotos de um deus estranho.

Leonard Ravenhil  disse: “O entretenimento é o substituto diabólico da alegria”.

A distração (sinônimo de diversão, prazer) de satanás é “jogar” de controlar os homens, um processo que ele faz questão de ser gradual, é aprazível ver os homens se entregando aos poucos, nada com muita pressa, é uma ótima “peça teatral” e deve ser assistida com muita atenção e "degustação". Ele se empenha o bastante até ver irmãos se auto enganando acerca do tempo que têm desapreciado com distrações, até acharem que nada passa de descontração, de um descanso para mente e corpo. Ah, se eles acordassem e percebessem que esse é o gatilho para muitos pecados!? E que é a partir daí que a Igreja do Senhor se acomoda, conforma e mata espiritualmente. O evangelho genuíno não pode ser considerado se não transformar vidas e mudar situações.

Fundamentado no que disse Jesus em Mateus 7:16, parte ‘a’ do versículo onde está escrito: "Você será conhecido por seus frutos”, as pessoas podem dizer, sentir e pensar muitas coisas, mas uma prova decisiva é o fruto. Desapossar-se de horas em jogos e desperdiçar sua vida e comunhão com o Senhor não é um fruto de estar convencido de que a intimidade com Jesus é excelentemente melhor e superior. O maior gozo de um Cristão é desfrutar de uma profunda comunicação com o seu Salvador, pois entende a obra redentora que Jesus fez, e sabe de sua total dependência. Spurgeon disse certa ocasião: “O demônio raramente fez algo tão engenhoso quanto insinuar a igreja que parte de sua missão é prover entretenimento para o povo, visando alcança-lo”. Hoje o que é chamado "Geração Profética”, eu chamaria de “Geração Sentimentalista”. Casas Worships lideradas por falsos missionários recorrem a um “ritual” que causa emoção e o povo se derrete em chorar. Porque a comoção em um “culto” que o pregador se limita a falar do amor incondicional de Jesus e suas bênçãos sobre nós, atrai bem mais que um culto que confronta a plateia e resulta mudança individual e coletiva, como antigamente? Porque essa fortuna de métodos que animam o público?

A resposta é clara. O poder do Espírito já não há na “Geração Adoradora”, e por não ter a virtude do Espírito, são sustentados por sua “carnalidade espiritual” para atrair pessoas ao falso evangelho. Afinal, é melhor escutar as “condenações” dos homens sobre si mesmos de que saber, de fato qual punição virá da parte de Deus. Não fosse o pouco que ainda existe na terra de filhos de Deus e o Espírito que aqui ainda habita, as criaturas teriam sido devoradas por seus próprios pecados. É sabido por todos que os shows gospels lotam mais que os cultos de oração, pois é mais fácil pular em festas do que se ajoelhar para clamar a Deus por sua misericórdia. Basta olhar os frutos. O entretenimento cristão não tem gerado convertidos verdadeiros. Mas, têm gerado “filhos” fracos na fé, levados por qualquer vento de doutrina, contrariando Efésios 4:14: “Para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro”.

- "Updates" e o Que Poucos Cristãos Sabem

A Sagrada Escritura em copiosas circunstâncias nos instiga e impera a evitar a embriaguez. Embriaguez com o que? Só com o que é propriamente dito “pecado”? Não. Várias práticas, e não poucas delas oferecidas por nós a serviço de Deus podem ser consideradas como embriaguez, se observadas detalhada e profundamente. Preocupamo-nos e queremos fazer o que é certo, cumprindo a perfeita vontade de Deus para nós. Mas não é muito interessante fazer o certo da maneira errada(será possível?). Um evidente exemplo disso é Marta. No entanto, compreendemos ela, afinal, qual de nós, recebendo o próprio Jesus em sua casa, não se preocuparia com a acomodação e boa recepção ao Senhor? Isso não é algo ruim, mas naquele específico caso, não era algo bom.

Você está distraído ou desinteressado?

Superficialmente, não existe distinção entre os dois estados. Estar distraído é permitir, transitoriamente, ser levado por noções terrenas, entretanto, ainda assim ter Cristo como alvo. Estar desinteressado por Deus é semelhante a o desprezar. Para este, nada que descende do Senhor será atraente. É insensibilidade total.

Sutilmente é perceptível a distração de Marta, e trazendo aos nossos dias, grandes ou bem pequenas coisas nos mantém distraídos. E são raras as ocasiões que percebemos isso. O inimigo está sempre “atualizando as nossas distrações”. Temos uma capacidade surpreendente de ver o erro alheio, mas o nosso, que é pouquíssimo, entregamos a Deus, e hipocritamente, dizemos:

“Que Ele me converta dos meus pecados”, enquanto registramos mentalmente uma extensa lista de virtudes omissas nos nossos irmãos.

Na realidade, não queria nem tanto salientar a fiscalização medonha que nós desenvolvemos a cerca das faltas dos outros, e sim a ausência de auto percepção.

Substituindo o adormecer na janela, do jovem Êutico (Atos 20:9) por uma distração, considere tão pecado como perder tempo com jogos virtuais ou reais de conteúdo violento ou inadequado ao que professa a fé cristã.

Nos relatos bíblicos referentes a distrações e adormecer, que, de um determinado ponto pode também ser conceituado como distração, estando numa janela (posição não literal de distração) nunca se cai para dentro. Estar distraído tende a nos levar para “fora” da palavra de Deus. Do mesmo modo que fugimos do pecado, devemos fugir das distrações, pois é em instantes assim que pensamentos e investidas de satanás ganham nossa atenção. Saia da janela. Fuja das tentações e daquilo que ainda te atrai ao mundo. Ore, e solicite a Deus que os teus olhos não sejam encantados pela vista de fora. Atente-se para o que há dentro.

Não é necessário aplicação de lentes espirituais para com clareza se enxergar as consequências dos jogos populares em meio ao público alvo: crianças e adolescentes. Jovens sem planejamento de vida e quase ou sem nenhuma estrutura moral foram afetados física, mental e espiritualmente. É entendível que satanás não perde tempo. Lembro-me de uma época na escola que meus colegas só falavam sobre free fire. Vi alunos arrasarem seu rendimento escolar por razão de atravessarem noites em claro (durante a semana) enquanto jogavam. As faltas registradas na frequência escolar decorrentes disso não eram raras. E a inatividade dos pais, então, nem se fala.

De certo, jogos podem ser encarados sim, por “cristãos crentes” como distração, mas ainda existem muitos hábitos que produzimos que de alguma forma contaminam nossa espiritualidade. Creio que seremos arrebatados sem ao menos diferir meia parcela disso, ou se contrário, tratá-los devidamente.

Outro grande problema da embriaguez é que além de perder o melhor de Deus, acabamos atrapalhando nossos irmãos nisso.

Luciano Subirá diz, em “Até que nada mais importe” disse: “Foi exatamente isso que aconteceu com Davi e com Marta. Em certo sentido podemos dizer que o mesmo Rei Davi que se embriagou com os prazeres carnais planejou embriagar Urias depois. E Marta, além de não estar aos pés do Senhor com sua irmã Maria, ainda queria tirá-la de lá!”

"Distração" é um sinônimo de "ausência"

Estar fisicamente não significa estar. Estamos atentos à voz de Deus ou somente frequentamos a igreja de domingo a domingo?

Há um padrão de busca que Deus determinou para nós. E esse padrão é alcançado somente quando o Senhor se torna mais importante do que qualquer outra coisa em nossa vida. Devemos chegar a um ponto tal nesse anseio por Ele que nada mais importe.

O interesse de Deus não é tão só se o buscamos, mas, se o buscamos, como fazemos? Qual motivo nos leva a buscá-lo? Deus é suficiente e de absolutamente nada tem falta. Não precisa do nosso louvor, pois Ele a si mesmo glorifica. De todo o contexto, nós somos os mais beneficiados em cumprir o mandamento divino: “Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração”(JR 29:12 – 13).

Lembre-se: "Você nunca terá tudo de Deus enquanto Deus não tiver tudo de você".

Estar convicto da intenção de Deus na nossa vida facilita muito as coisas. Ter um alvo, e este é, para o Senhor todas as consequências e frutos, nos torna responsáveis por um trabalho Santo, que está acima do nosso entendimento, e é bem maior que nós, pois O que dirige esta obra é incompreensível ao nosso acanhado e limitado pensamento humano e racional.

Quando há uma razão maior pela qual havemos de ainda viver aqui, muitas coisas, antes grandes, tomam um espaço minúsculo ou até deixam de vez a nossa preocupação. Quando entendermos a posição que o Senhor deve ocupar em nossas vidas, muitas, muitas coisas se tornarão de parcial relevância, ou até insignificantes.

“O que nos molda não é aquilo a que nos dedicamos mais tempo, e sim o que exerce o maior poder sobre nós." (Oswald Chambers)

De quê vai adiantar se ajoelhar para orar se continuamos a nos inclinar para o pecado na mesma intensidade, todos os dias? Fico só imaginando o inimigo sentado, se divertindo, enquanto assiste ao espetáculo do que chamam “ser crente”.

 

Alex e Raquel


quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Início do curso de formação de obreiros

O curso de formação de obreiros, promovido pela Comissão de Missões e Presbitério da Igreja Batista Renovada Moriá, teve início no último sábado (10/10/2020), em Horizonte(CE). A primeira disciplina ministrada está sendo a de História da Igreja, ministrada pelo professor e Mestre Henrique Ventura, versando sobre vários momentos significativos e decisivos pelos quais passaram os discípulos de Cristo ao longo dos séculos. Com uma boa quantidade de participantes, a primeira aula repercutiu positivamente entre esses irmãos que estão ansiosos pelas seguintes. Abaixo apresentamos os relatos de alguns desses participantes.

“Graça e paz, pra mim foi uma experiência nova, me senti feliz e honrado por estar entre irmãos” (Natanael).

“E com muita felicidade e gratidão em participar deste curso de formação de obreiros a qual não é somente um curso preparatório, mas também uma edificação espiritual e estou muito satisfeito em fazer parte desta nação eleita. Como também  para leva o verdadeiro evangelho do senhor mais capacitado...” [José Carlos (Igreja Pentecostal Deus é luz)]

“foi maravilhoso o estudo da história da Igreja. Muito profundo. Aprender para crescer na graça e no conhecimento da palavra de Deus” (Ricardo).

“A paz do Senhor Jesus... sou muito grato a Deus pelo cuidado que ele tem para com minha vida e com seu povo em geral, com certeza esse curso vem sendo direcionado por Deus para o crescimento da Igreja. O conhecimento e incentivo do mesmo se faz necessário para a Igreja avançar e triunfar em um momento tão triste que vivemos onde falsos pastores estão impedindo muitas vidas serem alcançadas por Cristo. Esse curso, sem dúvida, vai nos trazer crescimento e capacitação para combatermos as heresias e esses falsos profetas. Estou com muita expectativa, Deus tem levantado Homens para nos proporcionar esse momento de aprendizagem e o melhor de tudo, para que a Honra, e a Glória, a Força e o poder sejam dados ao Rei 👑 dos Reis” (Wedson Ferreira).

 




 


terça-feira, 13 de outubro de 2020

Convivência da juventude Moriá

Que dia! Tremendo foi o mover de Deus! Fomos impactados!

As exclamações resumem e expressam, em parte, os efeitos e a percepção dos participantes da convivência da juventude Moriá, ocorrido neste último de 12/10/20, na congregação de Santa Fé (Igreja Batista Renovada Moriá), na qual houve uma forte influência de Deus ao ponto de se dizer que o céu veio a terra...

Pela manhã, o mestre Henrique Ventura trouxe um ensino sobre o conceito de família dentro de uma perspectiva sociológica e da Bíblia. Abrindo oportunidade de interação com os jovens, tivemos um momento de perguntas e respostas para a qual os irmãos poderiam expor e tirar suas dúvidas sobre o tema. Pela tarde, o pastor Glauco Barreira Magalhães Filho pregou utilizando o texto de Hebreus 13, refletindo, meditando e estimulando à prática de servir a Deus pelas suas orientações que ali versam sobre uma vida de obediência e de convicção para a igreja, da mesma forma que resgata Jesus como aquele que não muda, sendo o mesmo hoje, ontem e eternamente. Na ocasião, aproveitou a oportunidade para relembrar que a Igreja deve se posicionar como agente do céu, não se preocupando com as eleições mundanas que se aproximam, nem se envolvendo com a política partidária ou com o sistema deste mundo! Ainda pela tarde, os irmãos fizeram um evangelismo integrando todas as congregações anabatistas de Fortaleza, juntando forças em prol da salvação dos perdidos. Tivemos pessoas se reconciliando com Deus e também pessoas salvas, além da boa convivência dos santos nesse dia. Durante a oração, clamor e pregação, muitas lágrimas de arrependimento foram vistas...

Encerrando a programação, no culto da noite o fogo desceu ainda mais! O ir. Daniel trouxe uma palavra confrontadora na qual foi colocada a prova da fé e da convicção dos crentes... Tivemos, de certa forma, muitos crentes “aceitando” (contristados) Jesus novamente e muitos irmãos da Assembleia de Deus maravilhados com o que estava acontecendo naquele lugar. Foi realmente sublime o envolvimento de Deus com seu povo e a recepção do poder do alto, sentido tão fortemente que parecia que víamos pedaços de crente pra todo lado!

Que Deus continue agindo com seu poder entre nós!

 

Por Jebson Girão

  



Influência dos pais nos filhos

Letícia (11 anos) chamando pecadores ao arrependimento

Mestre Henrique


Pastor Glauco





Irmão Daniel



 

quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Encerramento do curso de Soteriologia

 


Em parceria com o Instituto Pietista de Cultura, o AV Cursos tem dedicado forte atenção à formação teológica dos participantes de seus cursos. Inclusive, o resultado tem sido bastante positivo, pois tem enriquecido diversos irmãos e irmãs que buscam um conhecimento mais aprofundado da Bíblia. Neste último final de semana, houve a conclusão do curso de Soteriologia no qual gostaríamos de destacar alguns comentários dos alunos.

Diego (congregação do Caça-e-Pesca) testemunha sua experiência no curso: “Para mim o curso foi bastante proveitoso, pois além do conteúdo estudado, tínhamos uma ótima interação entre a turma e o professor, o que ajudava no entendimento de questões mais complexas, e um propósito louvável: capacitar o aluno no conhecimento das verdades bíblicas e a edificação de todos os que participaram. Sou grato a Deus pela vida do professor, como pela vida de seu filho, e ao IPC que tem dado o apoio para a realização desse trabalho maravilhoso”.

Caleo (Serviluz) faz referência não somente ao curso, mas também à disposição do Mestre Henrique Ventura (idealizador deste projeto) para firmar os irmãos nas convicções bíblicas ao dizer: “O curso de soteriologia foi muito rico em conhecimento, ele trouxe à luz da Bíblia a visão correta a respeito da salvação de maneira bem objetiva e esclarecedora. O Mestre Henrique, professor e coordenador do curso, se empenha com amor para fazer com que os irmãos que participam do curso obtenham mais conhecimento da Bíblia e não venham a se contaminar com heresias doutrinárias. Todas as aulas foram excelentes e eficazes, recomendo a todos os irmãos que puderem a participar dos cursos”.

Ricardo (irmão de outra Igreja evangélica) destacou a imensa satisfação e o aprendizado com o curso: “Peguei apenas 3 aulas do curso, mais posso dizer que foram aulas maravilhosas.  Uma turma excepcional e, sem sombra de dúvidas um professor de nível internacional.  Ganhei um amigo e instrutor espiritual, bem como diversos outros amigos e irmãos, que só enriqueceram o curso e, deram-me o prazer de também  aprender com os mesmos. Se for para fazer uma avaliação de 0 à 10, dou 11 ( dez normal e uma extra ). O meu muito OBRIGADO”.

Para o irmão Tomás (Congregação Alto Alegre), o curso foi inspirativo, como ele mesmo testemunha: “Excelente! Instrucional, inspirador, edificante... Faltam até adjetivos para definir o valor e resultado desse curso. Obtive grande conhecimento; não só teológico, mas em várias áreas. Inspiração divina, compromisso com a verdade, seriedade e amor foram incontestavelmente notáveis. Louvado seja Deus!”.

O trabalho desempenhado pelo Mestre Henrique Ventura demonstra a firmeza e o desejo de consolidar a doutrina anabatista. De fato, é a marca de todos os seus cursos. Essa disposição de instruir é oriunda das instruções que desde o início de sua conversão recebeu do Pastor Glauco Barreira Magalhães Filho, um excepcional mestre para todos aqueles que de bom coração desejam aprender o significado da fé e do zelo cristãos.

Que o Senhor continue nos agraciando, abençoando e fortalecendo sempre!

sexta-feira, 25 de setembro de 2020

O ofício da mulher na Igreja

 


Desde a criação do homem e da mulher o Senhor designou, para cada um, funções específicas. Ao homem cabe o exercício de domínio (Gênesis 1:26) e à mulher ser sua ajudadora (Gênesis 2:18). Por ser uma regra absoluta, enquadrada dentro do padrão moral divino, importa reconhecermos sua perpetuidade. Contudo, nesses tempos contemporâneos, tais conceitos foram depreciados e, em ritmo acelerado, suscitaram-se exigências para as quais a mulher cristã, por exemplo, deveria ocupar e exercer funções tipicamente masculinas na Igreja, muito embora não haja prescrição bíblica para tanto. Por esta razão e através de uma sucinta reflexão, tentaremos mostrar onde a mulher cristã se encaixa melhor com seus inspirativos talentos.

O “magnificat” (Lucas 1:46-55) de Maria demonstrou qual o grau de envolvimento possível dentro do propósito de Deus para a serva do Senhor, ou seja, através do sentimento de sujeição quanto a vontade divina, da devoção e da sensibilidade para comunhão; todas extraindo suas virtudes como referencial da graciosa espiritualidade, servindo, deste modo, como retaguarda extremamente necessária para o efetivo trabalho de auxílio. Como desdobramento, o servir de apoio para aqueles que segundo a vontade de Deus foram vocacionados para ministérios específicos, qualificam-nas como personalidades de grande referencial no contexto eclesiástico. Por exemplo, foi registrado que a sogra de Pedro servia a Cristo e a seus discípulos (Marcos 1:31). Da mesma forma quando a mulher com vaso de alabastro (Lucas 7:36-49) “banhou” a Cristo, antes de sua morte, preparando-o para o momento fatídico de sua missão, revelou seu apreço e o cuidado de seu coração pelo Salvador. Ação semelhante foi notificada no domingo da ressurreição, enquanto os discípulos ficaram acuados num cenáculo, mulheres foram revestir o corpo de Cristo de acordo com prática dos rituais fúnebres, mais uma vez, demonstrando singeleza de coração, ousadia e fé para o servir (não foi sem motivo que foram privilegiadas por terem sido as primeiras testemunhas da ressurreição de Cristo). Ou seja, a mulher tem uma sensibilidade e virtudes tão preciosas para auxiliar que a idoneidade lhe identifica definitivamente melhor com os propósitos de sua criação. Assim, ela foi designada por Deus para o exercício de atividades mais relacionadas às suas virtudes porque requerem delas sua perspicácia inata, não sendo assim tão robustas e espinhosas como foram aquelas destinadas a homens.

No desdobramento do Reino de Deus, no período apostólico, a ênfase de Paulo quanto ao trabalho feminino dá sequência ao mesmo modus praticado pelo Senhor. De semelhante modo, sentiu-se privilegiado pelo apoio feminino e exalta este trabalho com a grandeza que as cristãs das diversas Igrejas de seu trabalho mereciam (Romanos 16:1, 6, 12; Filipenses 4:3).  

Desta maneira, atribuições que são destinadas aos homens, inclusive, ensinadas nas Escrituras, jamais deveriam ser praticadas pelas mulheres, pois são incompatíveis com a natureza do seu ser. Mulheres pastoras, exercendo autoridade como a de homem, realizando batismos, ensinando como se tivesse uma vocação específica para isto contrariam o ensino bíblico e a própria atribuição. Não queremos menosprezar a potencialidade feminina, contudo, procuramos tecer alguns comentários breves para uma reflexão sobre onde a mulher cristã se enquadra melhor em virtude de quem é. As vocações e as ordenanças, por exemplo, estão referenciadas na Bíblia e foram praticadas apenas por homens (Efésios 4:11 e João 4:1-2), restando para nós o pensamento de que somente eles podem exercer tais papéis. Preocupando-se com este problema e pela disseminação de ensinos contrários às Escrituras, contidos no apócrifo de Paulo (Atos de Paulo e Tecla), em sua época Tertuliano fez algumas recomendações e alertas:

Mas a petulância da mulher, que já usurpou o direito de ensinar, não se arrogue também o direito de batizar. Não! A menos que surgissem algumas novas bestas semelhantes à antiga. Aquela pretendia suprimir o batismo; uma outra quer administrá-lo ela mesma. E se essas mulheres invocam os escritos, que erroneamente levam o nome de Paulo, e citam o exemplo de Tecla para defender o direito de ensinar e batizar, saibam que foi um presbitério da Ásia que elaborou este escrito, como que cobrindo sua própria autoridade com a de Paulo. Depois de conhecida a fraude e tendo confessado que agiu por amor a Paulo, foi deposto. De fato, como seria fidedigno que o apóstolo desse à mulher o poder de ensinar e batizar, ele, que só com restrição permitiu às esposas que se instruíssem? Disse: devem silenciar e perguntar a seus maridos em casa. (De Baptismo, XVII)

   

Pr. Heládio Santos       


segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Apresentação do curso de formação de obreiros

Na noite do último sábado (19/09/2020), na capela da Igreja Batista Renovada Moriá de Horizonte-CE, a Comissão Executiva de Missões-CEM, através dos irmãos Denilson Fidelis e Marcos Antônio, apresentou o curso de Formação de Obreiros para interessados. Na apresentação principal do curso, o pastor Glauco Barreira Magalhães Filho fez menção à necessidade de obreiros bem preparados para os embates na seara do Mestre, além de apresentar detalhes do curso por ele coordenado. Se alguém pensa que sua fala se resumiu a uma apresentação administrativa e organizacional, equivocou-se. O pastor Glauco tem uma versatilidade quando fala que atrai sobremaneira seus ouvintes e enche-nos de uma grande satisfação espiritual. Foi uma fala polida, bem articulada, piedosa, levando os presentes a entenderem e a desejarem o conhecimento e a forma como ele será ministrado. Virtudes como estas, certamente serão vistas nos professores uma vez que tiveram o privilégio de serem formados por este mestre espiritual. Mais uma razão para sinalizarmos a grandiosidade do curso.

Entende-se pela supracitada necessidade, a de obreiros capacitados para servir a Igreja e para evangelizar o mundo, como uma das prerrogativas mais relevantes e imprescindíveis para os discípulos de Cristo, porquanto as exigências são muito mais abrangentes do que se imagina, por isso a formação não pretende qualificar os participantes somente com os aspectos teológicos, mas semelhantemente com o refinamento da experiência com Deus por meio do Santo Espírito. É na junção do conhecimento doutrinário, dos argumentos bíblicos e do fervor espiritual que os alunos terão o maior diploma que poderiam adquirir: uma vida piedosa, uma maior experiência com Deus e, uma vez formados, estarem capacitados e prontos para discernirem e contra argumentarem com agilidade os falsos ensinos e as apostasias renovadas.

A ideia do curso, sem dúvida, nos desperta a pensar quão grande valor a CEM (Denilson e Marcos), em sintonia com o presbitério de Fortaleza (Pr. Glauco Barreira e Pr. Edmilson Alencar), dedicam aos seus obreiros. Muito embora alguém pense que o curso está aberto somente para os membros da Igreja Batista Renovada Moriá, equivoca-se mais uma vez. Irmãos de outras Igrejas evangélicas são convidados para participarem. Na verdade, a mensagem de Moriá, impregnada nas muitas disciplinas que serão ofertadas no curso, não é uma mensagem exclusivista, mas uma mensagem que há séculos vem sendo pregada e anunciada por Igrejas que se apegam somente às Escrituras como única regra de fé e de prática.

Sejam bem vindos ao curso todos aqueles que se inscreveram!  

 

 


Denilson Fidelis




Marcos Antônio


Pr. Glauco Barreira Magalhães Filho


Mestre Henrique Ventura



sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Comentários sobre o novo livro do pastor Glauco Barreira Magalhães Filho

 


Já conhecia a história de Girolamo Savonarola, mas nem tanto. Li livros com sua biografia que testemunham quão bravo e solitário foi na luta pela exposição das verdades cristãs para convencer seus ouvintes a adotarem um padrão de vida piedoso, diferente daquele experimentado entre os prazeres e devaneios mundanos da cidade de Florença, na Itália, no século XV. Savonarola era um arauto e tocava a trombeta da denunciação contra o pecado sem temer a sociedade, os príncipes, os reis e até o papa, personalidade cuja influência superava aos dos monarcas locais.

Mas, não quero discorrer sobre aspectos deste gigante da fé; pretendo mostrar como a leitura do novo livro do reverendo Glauco Barreira Magalhães Filho poderá servir para ampliar e majorar a instrução sobre o assunto, estimulando maior ousadia, aprimorando a maneira e a forma de pregar e, acima de tudo, levando o leitor (inclusive eu), tanto pelo objeto da obra como pelo espírito aguçado e espiritual do autor em revelar suas nuances, a estar posicionando-se melhor na presença de Deus.

Recentemente, conversando com o autor lhe disse: “quando pego seu livro para ler, ‘sinto’ minhas mãos ‘pegando fogo’, pois fazia tempo que queria ler um livro que me impactasse também a alma e o coração”. Destaquei, dentre outros, como o pastor soube ler a alma de Savonarola e de seu comportamento, destacando-o muito acertadamente de “extremos simultâneos”, ou como ele mesmo explica: “Assim como Jesus não era meio homem e meio Deus, mas totalmente homem e totalmente Deus, Savonarola era intenso no intelecto e nas emoções, o mestre o pregador, o radical moral e o conselheiro sensível, o profeta e o reformador das instituições, o filósofo e o biblicita” (pgs.9-10). Talvez, quem não esteja ambientado a determinados termos teológicos e usados pelas ciências humanas com fins de categorização dos objetos de estudos pode pensar ser algo que torna a obra de difícil leitura e entendimento. O conteúdo do livro é sensivelmente democrático, pois atende as expectativas do leitor convencional e também as de teólogos. É uma obra rica na língua portuguesa cujo assunto era quase escasso, contudo, agora o público evangélico se torna privilegiado por ter um aprofundamento muito bem direcionado nas páginas desta publicação da Fonte Editorial.

Aproveitando nossa conversa, disse-lhe também que à medida que leio, sinto vontade de voltar a ler novamente, já projetando uma nova leitura da obra. Às vezes, sentimos tanta curiosidade sobre o assunto que ficamos “afoitos” (referindo-me à pressa de ler logo o conteúdo desconhecido, conhecer o olhar clínico do autor e entender os porquês da “revolução” savonaroliana) que perdemos determinadas conteúdos pelo caminho. Razão que nos motiva a um retorno sem enfado para uma segunda e até uma terceira leitura consequente, pois a obra é muito instigante, atrativa e agradável.

Por fim, a Igreja Batista Renovada Moriá, onde o pastor Glauco Barreira Magalhães Filho exerce seu ministério, tem uma pérola de considerável valor à sua disposição. Fica a dica tanto para a membresia como para os demais obreiros adquirirem a obra. Façam bom uso como estou fazendo.

 

Pr. Heládio Santos