O Jornal Tocha da Verdade é uma publicação independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

c

c

sábado, 30 de março de 2019

Lágrimas no altar


Quando um trabalho segue a orientação do Espírito Santo, os frutos vêm como resultado da providência divina e das intercessões dos crentes. Vê uma alma rendida aos pés de Cristo revigora a alma dos que com fé anelam ver a salvação de pecadores. A razão é porque há uma luta intensa contra o mundo e o inimigo de nossas almas para soltarem as amarras dos que ainda não foram libertos. Mas, quando vemos pecadores confessando a Cristo aos prantos e aos soluços, sentimos o alívio do dever cumprido que inunda o coração do fiel. A alegria pela salvação de mais um pecador não só alegra o céu, mas o pregador, os pregadores que o conduziram e a Igreja que assistiu a cena. Na verdade, uma Igreja avivada é uma Igreja que vivencia o arrependimento com profundidade dos pecadores.
No culto de jovens deste sábado na Igreja Batista Renovada Moriá-Maracanaú pudemos presenciar a contrição de dois jovens que foram à frente aos prantos. Confessaram a Cristo e entregaram um fardo pesado de pecados. Demoraram a levantarem-se, talvez pelo prazer que sentiram no ato da confissão pública através da qual o banhar da Palavra e purificação do Santo Espírito preencheram seus corações ou quem sabe pela meditação que prestaram seus corações para sondar suas vidas pregressas para firmarem novo pacto com o autor e consumador da nossa fé. Realmente uma experiência única que não pode ser deixada de lado. Sentiram a paz de Cristo e não se preocuparam com quem os estava assistindo. Preferiram ajustar contas com o Altíssimo para saírem sem débitos.
Foi maravilhoso contemplar essas conversões. Rendidos a Cristo, firmaram seus passos para caminharem nos passos do Mestre. Receberam literaturas e Bíblias para alimentarem seus espíritos ora ansiosos por conhecerem mais de Deus no final do culto.  
Oremos pelas duas vidas!










A juventude Moriá apoia culto de jovens em Maracanaú


Mais uma missão cumprida. A congregação da Igreja Batista Renovada Moriá (Maracanaú) reuniu na noite deste sábado muitos de seus membros para participarem do evento que já virou programação anual: o culto de jovens. Uma vez no ano, a congregação de Maracanaú promove um culto evangelístico para pregar para jovens dos arredores a fim de levá-los para Cristo. Para tanto, convoca os jovens valorosos de Moriá de outras congregações para desbravarem o campo da cidade através de evangelismo e pregações públicas.

No culto, jovens comandam o evento. Tanto na condução, como elevando a Igreja através dos cânticos e louvores e na pregação. Abri-se, portanto, uma porta para que os talentos apareçam e vejamos o brilho de Cristo nestes que compõe a organização do culto. Estiveram participando à frente: Welderlan, Amanda, Ivanilson, Lívia, Rodrigo, Mateus, Alisson e Marquinhos (o pregador da noite). Outros irmãos que não são visíveis, mas estão na retaguarda, dando o apoio que o evento merece: diácono José Alves, Maria, Marleide, Geovani e Geza.
A irmã Alian (idealizadora do evento) sempre organiza o evento tomando à frente e convocando os irmãos que se dedicam sem qualquer objeção. Temos um grande prazer em ver esse envolvimento dos irmãos e o desdobramento do evento. Realmente, o culto é tocante, pois parece que todos incorporam muito mais a doutrina de sermos reinos e sacerdotes de Deus. 


















Faça sol, venha chuva! O crente prega em qualquer tempo


Uma das grandes virtudes da juventude Moriá é o desejo de anunciar a Palavra do bendito Salvador. Esforços não são medidos e, muito embora, haja empecilhos, às vezes, vemos um zelo missionário envolvente. Certamente, como fruto dos muitos incentivos nas pregações doutrinárias, de missões e pelas leituras de livros biográficos de homens e mulheres de Deus, esses discípulos bradam como vozes do Evangelho.
Neste dia, preparando o terreno para o culto evangelístico e de jovens na congregação da Igreja Batista Renovada Moriá no Jereissati I, Maracaraú, ajuntaram-se de várias congregações de Fortaleza esses jovens (homens e mulheres) abnegados e sedentos para ganhar almas. Nem a chuva foi capaz de intimidá-los, pois quando não pregavam na praça a céu aberto, abrigavam-se debaixo das lajes das lojas ou outro abrigo para continuarem sua empreitada.
Assim, realizaram muitos evangelismos pessoais e cultos relâmpagos em vários pontos das ruas ao redor da capela de Maracanaú. Muitos convites foram feitos e muitas pessoas puderam conhecer o endereço de nossa Igreja.
















sexta-feira, 29 de março de 2019

Um comentário sobre política


Novamente o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles. E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. Então disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás. (Mateus 4:8-10)

Estamos diante de uma expressão bíblica que tonifica o conceito de reino do mundo e sua glória. Baseados nela, podemos afirmar que satanás o usurpou, deixando o homem à míngua na questão do seu governo e impondo uma mentalidade muita mais voltada para o que se pensa ser o melhor para o homem do que para a vontade de Deus. Este príncipe do mundo tentou criar uma nova política nos céus antes da Criação, mas a repreensão divina o expulsou do Reino Eterno, fazendo com que hoje interfira na perspectiva de vida do mundo e também tente interferir na da Igreja.
A política contemporânea, por ocasião, expressa uma tentativa enorme de atender a humanidade em todas as suas necessidades, sejam elas morais ou imorais. Muito embora estejamos “atendidos” por algumas delas, acredito por força da fé nos princípios do Evangelho, que não cabe a nós (anabatistas) reivindicarmos ou censurarmos quaisquer propostas governamentais, nem mesmo suas estratégias para solucionar os diversos problemas sociais, políticos, financeiros que assolam as nações (aparentemente isto será resolvido pelo anticristo). Cabe ao cristão fazer o que Paulo ensinou: “TODA a alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação” (Romanos 13:1-2). A orientação apostólica versa sobre a maneira pela qual o cristão deve desprover-se de qualquer inquietação sobre a mentalidade e o embate político, visto que ele não deveria está preocupado com isso (no crente deverá reinar a paz e a esperança em Cristo Jesus). Não quero dizer que não deveremos exercer nosso papel enquanto pregadores da verdade, pois através da palavra denunciamos o pecado e o erro de forma apartidária, uma vez que nosso compromisso está acima da querela política.
Hoje, temos uma porta aberta para a pregação do Evangelho. A voz do Evangelho ecoa através de vários meios de comunicação. Entretanto, que seja a pura mensagem do Evangelho. Não seja um misto de crítica política com aparência de pregação. João Batista denunciou o pecado de Herodes de forma objetiva e transparente. Tinha algo de concreto em sua repreensão, por isso Herodes o temia. Não havia um discurso de insurreição devido ao domínio romano, mas um alerta para o cumprimento da vontade divina.

quarta-feira, 27 de março de 2019

Breve meditação sobre as intenções do nosso coração


Por Antonio Welderlan da Silva Sales


                                      “Naquela hora chegaram-se a Jesus os discípulos e perguntaram: Quem é o maior no reino dos céus?” (Mt 18:1)

Qual discípulo era mais amado por Jesus? Qual, dentre eles, seria coroado com maior honra em seu reino? Qual seria suas recompensas diante de tal esforço? Muito além de uma dúvida, a pergunta dos discípulos mostra-nos uma disposição de seus corações.

Lúcifer, motivado por um sentimento de inveja e superioridade em relação aos seus pares, chegou a ponto de dizer ao próprio coração: “Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono; e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do norte” (Is 14:13); O desejo de ser superior aos demais anjos criados por Deus era enorme. Lúcifer não só não aceitou sua condição de criatura, como quis assemelhar-se ao criador em grandeza e poder, como diz-nos a continuação do texto aludido: “subirei acima das alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo(Is 14:14).

O homem, por sua vez, quando enganado pela serpente (Gn 3:6) abriu-se-lhe os olhos e o pecado passou a reinar sobre o mesmo, de tal modo que tornou-se ambicioso e ávido pelo poder. Gênesis 11:1-4 revela-nos que o homem, assim como Lúcifer, quis diferenciar-se dos demais e, podemos inferir, assemelhar-se ao Senhor em grandeza:

“Ora, toda a terra tinha uma só língua e um só idioma. E deslocando-se os homens para o oriente, acharam um vale na terra de Sinar; e ali habitaram. Disseram uns aos outros: Eia pois, façamos tijolos, e queimemo-los bem. Os tijolos lhes serviram de pedras e o betume de argamassa. Disseram mais: Eia, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo cume toque no céu, e façamo-nos um nome, para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra.”

Algumas lições podemos extrair desse texto: 1) Porque uma torre que chegasse ao céu? Podemos conjecturar que a ideia que os homens tinham de Deus era de um ser impessoal, que vivia no céu, distante dos problemas e dilemas enfrentados por eles. Talvez, a percepção que eles tinham era que, ao chegarem lá (no céu), seriam semelhantes a Deus; 2) O sentimento que os levava a agir de tal forma era, antes de tudo, a ambição, pois queriam “fazer um nome” (v.v. 4) e ser reconhecidos como povo forte e destemido. Mais uma vez, portanto, vemos a história se repetindo e a criatura buscando ser semelhante ao criador.

A bíblia sagrada, entretanto, mostra-nos que um dos atributos divinos do nosso Senhor é a onipotência; Ele próprio ratifica tal atributo quando se revela a Moisés como o “EU SOU O QUE SOU” (Ex 3:14) demonstrando não se limitar a moldes e rótulos humanos; Jó, em outro momento, se refere a Ele como aquele “que tudo podes” (Jó 42:2) e o anjo que apareceu a Maria, ao relatar a concepção de Isabel, que era estéril e já avançada em idade, disse que “para Deus nada será impossível” (Lc 1:37). Tal atributo divino o coloca acima de tudo e de todos, a ponto de o próprio Deus, em um período no qual Israel estava tão envolto no pecado da idolatria, declarar a Isaías: “Eu sou o Senhor; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não a darei...” (Is 42:8).

Tudo o que falei até agora, entretanto, serviu-me apenas por introdução ao texto de Mateus 18:1 que revela-nos muito mais que uma simples pergunta. O texto fala-nos que “chegaram-se a Jesus os discípulos”, ou seja, a dúvida era comum a todos e houve um diálogo entre eles, levando-os a um consenso. O Dr. Lucas, ao relatar esse mesmo episódio, revela-nos o sentimento que havia em seus corações. Vejamos: “E suscitou-se entre eles uma discussão sobre qual deles seria o maior. Mas Jesus, percebendo o pensamento de seus corações, tomou uma criança, pô-la junto de si, e disse-lhes...” (Lc 9:46-48a). estava havendo uma discussão ali, mas Jesus, que vê muito além, atentou-se para aquilo que era mais profundo, para “o pensamento de seus corações”. Aquela discussão revelava muito mais sobre eles do que eles imaginavam, pois mostrava vossas intenções mais profundas e obscuras, enraizadas nos seus corações.

Quando questionado pelos fariseus por seus discípulos não lavarem as mãos antes de se alimentarem (Mt 15:2), Jesus responde de forma clara e concisa: “Não é o que entra pela boca que contamina o homem; mas o que sai da boca, isso é o que contamina… o que sai da boca procede do coração..” (Mt 15:11,18). Nosso coração é enganoso (Jr 17:9), dele procede nossos tesouros (Lc 6:45a) e falamos daquilo que ele está cheio (Lc 6:45b).

Jesus responde aos seus discípulos de forma inusitada e sábia: “Jesus, chamando uma criança, colocou-a no meio deles, e disse-lhes: Em verdade vos digo que se não vos converterdes e não vos fizeres como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus.” (Mt 18:2,3). Crianças são puras, não desejam mal, não invejam, não são orgulhosas nem fazem acepção.

Que Deus, em sua infinita bondade e misericórdia, faça-nos como crianças com o coração disposto a perdoar, a amar e a obedecer ao nosso Senhor em amor.



terça-feira, 26 de março de 2019

Devocional – Refrigério e deleite para a alma piedosa



O Jornal Tocha da Verdade está preparando uma série de vídeos devocionais para o enlevo espiritual dos seus leitores. A pretensão é proporcionar uma reflexão leve, madura e piedosa sobre diversos aspectos da caminhada cristã, aludindo o favorecimento da graça divina sobre nós, filhos de Deus por adoção.
Esses vídeos serão semanais e foram gravados por pastores, evangelistas, irmãs e irmãos, cuja vida representam o referencial da fé cristã que a Igreja precisa observar. Com isso, o JTV amplia sua visão de divulgação da mensagem anabatista, visto que o Devocional – Refrigério e deleite para a alma piedosa salta da palavra escrita para a palavra falada, procurando dialogar com seu público e não somente expor alguma das verdades bíblicas. É uma forma de interação para aproximar os cristãos de Deus através de uma fala simples, mas plena da vida encontrada em Cristo Jesus.
A partir do próximo domingo (31/03) teremos a primeira chamada para a temporada do nosso devocional. O pastor Glauco Barreira Magalhães Filho será o primeiro a fazer uso da palavra para você. Aguarde!    


sexta-feira, 22 de março de 2019

Tradutores da Bíblia são mortos na África



A ABS, parte das Sociedades Bíblicas Unidas, tem apoiado uma rede de igrejas que estão trabalhando em 25 projetos de tradução da Bíblia para grupos não alcançados na Ásia Central e na região do Golfo Árabe. A tarefa é realizada em um local não revelado no nordeste da África, onde a igreja cristã enfrenta forte oposição, os cristãos arriscam suas vidas para traduzir a Palavra de Deus.

No mês passado, um grupo terrorista soube desses esforços de tradução. Duas semanas atrás, este grupo queimou as instalações de tradução e matou cinco membros da família do principal tradutor. Ele também ficou gravemente ferido. Também outros 49 tradutores foram sequestrados e ainda estão desaparecidos.

Apesar desta horrível tragédia e da ameaça extrema constante, esta rede de pastores planeja continuar seu trabalho de tradução.

Eles precisam de nossas orações. Clame a Deus por esses tradutores corajosos e pela Palavra de Deus para continuar brilhando em meio às trevas.

Da Sociedade Bíblica espanhola nos unimos ao pedido de oração por:

1 - Os tradutores sequestrados para que eles retornem sãos e salvos.
2 - A tarefa da tradução de tal forma que os 25 projetos possam ser completados e cada um desses grupos tenha a Palavra de Deus disponível. Proteção e valor para os tradutores.
3 - O tradutor que lidera os projetos. Saúde e recuperação. Conforto pela perda de sua família.


terça-feira, 19 de março de 2019

I Encontro de Mulheres Anabatistas


Nesta terça (19/03), na Capela Moriá, foi realizado o 1º Encontro das Mulheres Anabatistas. A proposta do evento foi reavivar, resgatar e conscientizar as participantes sobre a necessidade de se conservar as doutrinas fundamentais da fé cristã sobre as práticas femininas no contexto da Igreja e fora dela, tanto no comportamento individual quanto nas ações com outros. A piedade e a devoção fizeram parte de cada uma das falas das irmãs que palestraram no evento.
Versando sobre submissão, a irmã Érica Magalhães explicou biblicamente o conceito. Muitos textos bíblicos foram citados, permitindo uma incursão com profundidade no conteúdo das Escrituras, gerando, assim, o conhecimento deste aspecto dentro da vontade de Deus; manifestando, inclusive, oposição ao movimento feminista que pretende empoderar mulheres para além do que é conveniente e coerente. O movimento anabatista valoriza as mulheres com o respeito e a honra bíblicos, pois são tratadas como “a parte mais frágil” como ensinou Pedro. Não entenda fragilidade como sendo algo depreciador, mas precioso que requer dos maridos, por exemplo, a fortaleza do amparo e da segurança. As mulheres anabatistas são conhecidas pelas convicções plenas e pelo zelo cristão. Elas são muito fortes e resolutas. Portanto, pensamento não vinculado aos valores voláteis do mundo cujo aparente respeito não passa de uma propaganda hipócrita e mesquinha.
Sobre a educação de filhos, a irmã Marisa Alencar apresentou sua experiência como mãe (muito edificante por sinal) à medida que também fazia meditações nos textos bíblicos, bem como trouxe o relato da educação dos filhos de Suzana Wesley que foram grandes avivalistas do século XVIII. Sua linguagem fácil, alegre e dinâmica permitiu uma maior internalização do que estava sendo apresentado. Em sua fala, expressou a necessidade de as crianças terem o acompanhamento materno para ascenderem nas diversas fases da vida. Sua percepção como mãe e cristã tornam a educação de seus filhos ainda mais elevadas, pois desfrutarão, desde cedo, de uma moral revestida de valores, respeito e tantas virtudes positivas elencadas nas muitas lições do Mestre Jesus. Uma palestra como a da irmã Marisa é necessária para além dos “muros” da Igreja, visto vermos hoje uma enorme quantidade de crianças com pais e mães que não sabem como educá-las e muitas crianças sem pais que precisam de um olhar de mãe para lhes auxiliar.
A irmã Maria Luísa Santos contribuiu com uma apresentação sobre as indumentárias femininas cristãs e como elas devem vestir-se. Provocando a atenção do público com imagens e fotos, propôs uma reflexão sobre o conceito de pudor e modéstia através das vestes femininas. Em tempos nos quais a sensualidade nas vestimentas abusa das formas corporais da mulher, produzindo nela um objeto de cobiça, seria decente a mulher anabatista se revestir com esse espírito?
         Nada foi esquecido no evento. Com a primorosa direção da irmã Amanda, o evento transcorreu à base de oração e louvor também. As irmãs Gleuda e Livinha elevaram as demais em louvor e adoração, trazendo o céu para terra e convidando-as para ingressarem no clima espiritual. Também ajudaram na organização as irmãs Rebeca, Lívia Santos, Linduína, Luciana, Mara, Bruna, Viviane, Nalvinha e os irmãos Hebert, Denilson, Marquinhos, Ramon, Jairo e Derlan. Enfim, o evento foi maravilhoso como relatou a participante Regianne: “Amei o encontro de mulheres, foi muito interessante a palavra dada pelas irmãs Érica, Marisa e Maninha. Parabéns! Deus seja louvado!”. Da mesma forma a irmã Liduina Pinheiro relatou que o encontro “foi uma benção para a glória de Deus!”.


















Érica, Maria Luísa, Marisa e Amanda





Lívia e Gleuda

Irmã Amanda