O Jornal Tocha da Verdade é um periódico trimestral independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

sábado, 26 de dezembro de 2015

Curso do Instituto Pietista de Cultura - Semestre I - 2016

Estarão abertas inscrições para os cursos abaixo do IPC a partir de 04/01/2016.





quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

O sentido do natal

Natal, sem sombra de dúvida, é um evento tipicamente capitalista. Muito embora seja notificada uma mensagem cristã, esta é subjugada pelos muitos símbolos contrastantes da propaganda do “espírito natalino” comercial: Noel, neve, renas, presentes, bebidas e outras que nada fazem lembrar as motivações do nascimento do Cristo bendito.
         Cristo nasceu para morrer, porque o homem cometeu o terrível ato da desobediência, mas ninguém se sensibiliza pela mensagem autenticamente cristã, antes se celebra uma festividade que faz questão de se esquecer do beneplácito e dos favores divinos. A máxima natalina passou a ser um elogio à solidariedade, temporária e hipócrita, nas quais muitos, apenas neste tempo, fazem do seu sentimentalismo insipiente suas marcas, enquanto no restante do ano são insensíveis aos muitos problemas da sociedade.
         Para a Igreja de Cristo, o Salvador nasceu em nossos corações para reinar todos os dias. Ele é celebrado pelas atitudes piedosas dos seus redimidos que fazem da novidade de vida suas marcas de valor.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

E o futuro...?

Os Estados Unidos estão prestes a eleger um novo presidente ou uma presidente. Quem sabe? Hillary Clinton, candidata ao posto mais emblemático do mundo, caminha numa luta intensa para alcançar a presidência da maior nação democrática do mundo (pelo menos assim se diz). No entanto, uma das propostas de sua campanha é uma adaptação das doutrinas e dogmas religiosos aos conceitos políticos e ideológicos de hoje com outros agravantes.
         Hillary assumiu recentemente que sua luta atingirá o Cristianismo tradicional. Verifique sua fala: “Os códigos culturais profundamente arraigados, as crenças religiosas e os enfoques culturais devem ser modificados à medida que sejam um obstáculo ao acesso das mulheres à saúde reprodutiva (eufemismo de aborto livre). E acrescentou: Os governos devem empregar seus recursos coercitivos para redefinir os dogmas religiosos tradicionais. Ou seja, o Estado deverá impor à força em quais ‘dogmas’ o povo deve crer e em quais não!… E esses ‘dogmas’ politicamente corretos serão por certo a versão atualizada do antigo paganismo hedonista: por exemplo, a ‘ideologia de gênero’, à qual Hillary adere abertamente. Suas palavras apontam de fato para os objetivos amorais e totalitários de dita ideologia, como impor o aborto legal e a homossexualidade. Por isso ela criticou as ações de setores conservadores visando cortar o financiamento oficial do gigante abortista Planned Parenthood. E ao mesmo tempo elogiou os passos ‘adiante’ rumo à aceitação dos homossexuais e das mulheres transexuais como nossas colegas e amigas.”
         Se essa candidata vencer a eleição americana, um fenômeno de propagação de sua mentalidade irá atingir os países que foram americanizados. Como sabemos, o Brasil é um país que sofreu, e ainda sofre, uma forte influência americana e certamente adotará a mesma opinião já que tudo converge de lá pra cá. Tal discurso, entretanto, que aparentemente demonstra os ideais da Democracia são na verdade falácias, porquanto não querem aceitar a conduta ética cristã porquanto atinge seus valores imorais. A consequência: perseguição religiosa! Ou seja, um retorno às práticas anticristãs da Idade Média no qual havia perseguidos, torturados e mortos devido à coerção religiosa majoritária. Um suspiro apenas podemos dar: Maranata!

Fonte: http://www.abim.inf.br/perspectiva-de-pesadelo-hillary-clinton-acena-para-ditadura-religiosa/#.VnkpkLYrK1t

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Ideologia de gênero: Menino de 2 anos obrigado a se transformar em menina - Mártir da loucura ideológica

Dois gêmeos e um futuro de dor!


Uma grande alegria tomou conta da família Reimer em 22 de agosto de 1965, data em que nasceram os gêmeos homozigotos Bruce e Brian, dois lindos meninos idênticos que, como todos os bebês, vieram ao mundo com o ar inocente de quem nem imagina as aventuras, alegrias e dores que teriam que enfrentar na vida.

Ninguém, naquele momento, podia vislumbrar o futuro doloroso e terrível que esperava os dois pequenos recém-nascidos de Winnipeg, no Canadá.

O que arruinaria a vida dos dois irmãos seria um erro cirúrgico grotesco, digno dos piores casos de negligência médica, além da intervenção devastadora de um médico louco, mais interessado em realizar seus devaneios científicos do que em garantir o bem-estar dos seus pacientes: o psicólogo e sexólogo neozelandês John William Money.

Um erro trágico

Cerca de sete meses depois do nascimento, os gêmeos foram diagnosticados com fimose, o que uma pequena operação poderia resolver sem quaisquer problemas. O que era para ser uma simples cirurgia de circuncisão virou tragédia quando, por erro do médico ou por mau funcionamento do cauterizador, o órgão sexual do pequeno Bruce foi queimado e ficou comprometido irremediavelmente. Foi assim que o pequeno garoto perdeu o uso do pênis e começou a trilhar o seu doloroso calvário.

O encontro com o monstro

Desesperados com a situação de Bruce, os pais acabaram topando naquele momento com o fundador da chamada “teoria do gênero”, o Dr. John William Money (sim, seu sobrenome, em inglês, significa exatamente isso: “Dinheiro”). Em fevereiro de 1967, os pais dos gêmeos viram o médico participando de um programa de televisão. O psicólogo se apresentava como um verdadeiro astro, um pioneiro do campo da mudança de sexo e um dos primeiros a cunhar a diferenciação entre “gênero” e “sexo biológico”: o Dr. Money afirmava, com pretensões de rigor científico, que a cultura e a educação poderiam imprimir no indivíduo um projeto diferente do estabelecido pela natureza.

Em outras palavras: enquanto a natureza definiria o chamado sexo biológico, quem decidiria o gênero seria a própria pessoa, que poderia “criá-lo” prescindindo do patrimônio sexual genético, através de cirurgias, tratamentos hormonais e, principalmente, de uma reeducação social e cultural para “consolidar” o “gênero” escolhido. Depois de cuidar de pessoas hermafroditas, Money começou a fazer experimentações das suas teorias mediante a realização de cirurgias de mudança de sexo. Ele se tornou o especialista número um na “reconfiguração sexual” e abriu a primeira clínica do mundo dedicada a esse tipo de intervenção.
  
Uma ideia doentia

Desesperados com o futuro de Bruce e impressionados com a confiança exibida pelo Dr. Money, os pais do bebê mutilado decidiram procurar o médico e confiar o caso dos gêmeos à “experiência” dele.

A necessidade de ajuda do casal Ron e Janet coincidiu com a necessidade de novas experiências e de realização profissional do Dr. Money, que não perdeu a grande oportunidade de pôr as suas teorias em prática no pobre Bruce.

Money sugeriu uma “reconfiguração sexual” e começou a “trabalhar” no bebê (que tinha dois anos de idade!). Primeiro, mudou o nome de Bruce para Brenda. Depois, começou um tratamento hormonal. Finalmente, impôs a Bruce/Brenda uma vida de menina, com o uso de roupas, brinquedos e comportamentos femininos. Em julho de 1967, Bruce foi operado: o Dr. Money construiu cirurgicamente no menino uma vagina rudimentar. Foi assim que o corpo do pequeno Bruce (de dois anos!) foi transformado em um corpo feminino. O médico também decidiu encontrar os gêmeos uma vez por ano para avaliar o andamento da sua experiência. Anos mais tarde, foi o próprio Bruce quem afirmou: “Aquilo foi como uma lavagem cerebral” (“Bruce, Brenda e David”, edição italiana, Ed. San Paolo, 2014).



O mundo aplaude enquanto Bruce enfrenta um drama solitário

Em 1972, num livro intitulado “Man&Woman, Boy&Girl”, o Dr. Money expôs, com orgulho e triunfalismo, os resultados das suas experimentações com seres humanos: ele teria conseguido criar, “com sucesso”, uma identidade feminina em um bebê nascido com o sexo masculino. Money fornecia com isto a suposta “prova conclusiva” de que “um indivíduo não nasce homem nem mulher: torna-se” (pág. 95*).

Seus estudos e experimentos atraíram a atenção e os aplausos do mundo acadêmico e da imprensa não especializada: o mundo admirava as “descobertas sensacionais” do Dr. Money; vários setores progressistas, como o movimento feminista e os círculos homossexuais, acreditaram ter achado uma base científica para as suas “lutas pela libertação do esquema tradicional de masculino e feminino” estabelecido pela natureza.



Por trás de todo esse aparente sucesso, porém, o drama vivido por Bruce/Brenda desmentia os resultados alardeados pelo Dr. Money. Brenda se comportava como menino. Sentia-se desconfortável nas roupas femininas. Queria brincar com os brinquedos do irmão. Sua voz era masculina. Continuava fazendo xixi em pé. Com o passar dos anos, percebia que era diferente, que algo “nela” era estranho, que havia algo que não tinham lhe contado. Seu irmão Brian, ao falar de Brenda, viria a declarar: “Quando eu digo que não havia nada de feminino em Brenda, eu quero dizer exatamente isso: nada” (pág. 81*).

A situação se agravou e a verdade emergiu. De nada serviram os conselhos de Money: a situação de Bruce/Brenda continuou a piorar. Os encontros entre o Dr. Money e seu pequeno paciente foram se tornando cada vez mais invasivos (págs. 107-126*): o médico adotava um linguajar sexualmente explícito, usava imagens e filmes pornográficos e até mesmo simulava relações sexuais (!). Os gêmeos eram obrigados a se despir, para compararem os corpos um do outro. O médico propôs que os pais fizessem visitas psiquiátricas e diagnosticou que Brenda sofria de depressão: ele afirmou que Brenda tinha tendências bissexuais ou homossexuais, já que sentia atração por mulheres. Money aconselhou os pais dos gêmeos a praticarem o nudismo em casa e em clubes de naturismo.

Quando Bruce/Brenda tinha 12 anos, começou o bombardeio hormonal para desenvolver nele os caracteres femininos, mas o menino, além de rejeitar a medicação, começou a comer desesperadamente para tentar disfarçar os quadris e os seios que começavam a crescer (págs. 159-161*). Em 1978, depois que Money organizou um encontro de Brenda com um transexual, o adolescente, que já sofria de surtos de pânico e ansiedade e dava indícios de tender ao suicídio, decidiu acabar com as sessões e com os testes e ameaçou se matar se fosse forçado a se encontrar novamente com o Dr. Money (págs. 169-172*).

“Eu quero voltar a ser homem”

Os pais de Bruce/Brenda finalmente revelaram a ele o segredo. Depois de ouvir a verdade sobre a sua história, Bruce/Brenda decidiu voltar a ser como a natureza o tinha feito: um homem.

Diversas operações reconstituíram os seus órgãos sexuais e eliminaram os seus seios. Ele mudou novamente de nome: em 1980, Brian começou uma nova vida com o nome de David.

David se casou e, com a esposa, Jane, adotou filhos. Durante toda a vida, porém, ele carregou consigo os conflitos internos e as feridas atrozes que aquela triste infância lhe tinha imposto.

Mártires da ideologia de gênero

No dia 5 de maio de 2004, David tirou a própria vida, disparando-se um tiro enquanto dirigia seu carro.

O estopim da tragédia foi a morte repentina do irmão, Brian, encontrado morto em seu apartamento na primavera de 2002, depois de tomar uma mistura letal de antidepressivos e álcool. A depressão fizera Brian perder o emprego, separar-se da mulher e refugiar-se na bebida.

A tragédia deu fim à vida dos gêmeos de Winnipeg, imolados no altar da teoria de gênero, usados como cobaias para os experimentos macabros do Dr. Money e para a sua batalha sócio-política, vítimas inocentes de uma ideologia que, hoje, em pleno 2015, está de volta à moda e é promovida como modelo por políticos, professores e doutores da nossa sociedade.

Um livro incômodo

Foi graças ao empenho do jornalista canadense John Colapinto (Toronto, 1958) que a verdadeira história dos gêmeos Reimer foi revelada ao público sem fantasias nem vícios ideológicos, pela primeira vez, num artigo publicado em 1998 pela revista “Rolling Stone”, trinta anos depois do início da tragédia.

O artigo provocou celeuma no mundo todo porque contava uma versão da história diferente da versão “oficial” do Dr. Money. Antes disso, porém, o Dr. Milton Diamond já tinha demonstrado o fracasso da experiência feita com Bruce, num artigo especializado publicado na revista “Archives of Pediatrics and Adolescent Medicine”.

Todos os detalhes da história de Bruce foram recopilados e apresentados a um público mais amplo através do livro “As Nature Made Him” (“Do jeito que a natureza o fez”), publicado por John Colapinto em 2000.
O livro é um documento essencial para o debate sobre a ideologia do gênero, ressuscitada com força nos nossos dias.

(*) As referências de páginas mencionadas ao longo deste artigo vêm da tradução italiana do livro de John Colapinto, “As Nature Made Him” (na Itália, “Bruce, Brenda e David”, pela Editora San Paolo, 2014).


Autor do artigo: Miguel Cuartero Samperi

Fonte: http://palavraviva.com/home/index.php/noticias/noticias-igreja/1774-ideologia-de-genero-menino-de-2-anos-obrigado-a-se-transformar-em-menina-martir-da-loucura-ideologica

Ideologia de gênero sob a perspectiva da socióloga Gabriele Kuby


“A Ideologia de Gênero é a mais radical rebelião contra Deus que é possível: o ser humano não aceita que é criado homem e mulher, e por isso diz: 'Eu decido! Esta é a minha liberdade!' — contra a experiência, contra a Natureza, contra a Razão, contra a ciência! É a perversão final do individualismo: rouba ao ser humano o que lhe resta da sua identidade, ou seja, o de ser homem ou mulher, depois de se ter perdido a fé, a família e a nação.
É uma ideologia diabólica: embora toda a gente tenha uma noção intuitiva de que se trata de uma mentira, a Ideologia de Gênero pode capturar o senso-comum e tornar-se em uma ideologia dominante do nosso tempo.”


Gabriele Kuby - socióloga alemã 

domingo, 13 de dezembro de 2015

A pedofilia no governo petista

As políticas do governo petista tem demonstrado um terrível desapego aos padrões tradicionais de moral. Veja uma entrevista com um procurador da República sobre as políticas de pedofilia aplicadas na legislação brasileira. Um descaso e desrespeito à criança.

video

Temo que o avanço da pedofilia e a aceitação dessa prática nociva e diabólica.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

A evangelização na Europa

A evangelização tem como objetivo fazer discípulos, sendo uma das crenças mais tocantes dos evangélicos. No entanto, a Igreja da Inglaterra realizou recentemente uma pesquisa para constatar a eficácia do evangelismo naquele país e percebeu a falta de receptividade dos leigos. Para esses, o Evangelho não tem atrativos, supomos, devido à ausência do peso que tinha antigamente quando em épocas de avivamentos como os promovidos por John Wesley e o general Willyam Booth.

Parece algo desmotivador, informaram alguns, mas, por essa razão, os evangélicos ingleses acreditam que precisam falar ainda mais de Cristo e não ceder à falta de moral e à forma de vida descomedida da modernidade. Entenderam que muitas pessoas são carentes da mensagem da cruz, pois nunca ouviram sobre Cristo de forma tão pessoal, um dos méritos de sua mensagem. Estão convencidos de que eles já estão nessa situação e estão tentando remediá-la, ensinando sobre Cristo. 
Porém, um sério problema apontado é que os evangélicos modernos estão descaracterizados da essência do Cristianismo. O Cristianismo de hoje tornou-se embaraçoso. O termo acaba por ter uma resposta precisa e esclarecedora: porque embaraço é uma das emoções que parecem comuns a todas as culturas humanas e demonstram o mesmo sentido. Dois livros recentes sugerem que isso está acontecendo: Alien and Strangers (Estrangeiros e Peregrinos) de Anna Strhan, um estudo sobre uma igreja evangélica radical e próspera em Londres e Det Gudlösa Folket, um estudo do secularismo sueco por David Thurfjell (títulos não disponíveis em português).

Por força disso, perguntamos: o que fazer diante de situação tão embaraçosa para o movimento? Retornar aos conceitos primeiros do Cristianismo puro.
Fonte: The Guardian

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Uma boa dica de leitura

Clássicos devocionais traz 52 textos escolhidos que incluem as seis tradições espirituais de uma vida de fé plena! Estão organizados para apresentar ao leitor, no período de um ano, as obras dos principais autores espirituais do passado, assim como os textos de líderes espirituais contemporâneos com o objetivo de dar um norte a quem busca uma vida espiritual mais profunda e equilibrada.
Neste livro o leitor recebe orientações para desenvolver uma vida mais próxima de Deus, além de ter a oportunidade de aprender sobre o que envolve as seis grandes tradições da espiritualidade cristã:
- A vida de oração plena
- A vida virtuosa
- A vida no poder do Espírito
- A vida compassiva
- A vida centrada na Palavra
- A vida sacramental
Clássicos Devocionais apresenta leituras de Agostinho de Hipona, Martinho Lutero, João Calvino, Blaise Pascal, Francisco de Assis, Dietrich Bonhoeffer, Julian de Norwich, Søren Kierkegaard, Annie Dillard, Thomas Merton, Kathleen Norris, Dallas Willard e muitos outros.
Os recursos de renovação espiritual de RENOVARE foram escritos por pessoas comprometidas com a renovação da Igreja e procuram integrar textos históricos, acadêmicos e inspirativos de forma prática e acessível. Esses recursos podem ser utilizados em diversos contextos: pequenos grupos, retiros particulares ou de organizações, devocionais individuas, classes de escola bíblica etc. Todo material apresenta uma visão equilibrada da vida e fé cristã aliada a uma estratégia pratica para o crescimento e o enriquecimento espiritual.
RICHARD J. FOSTER é autor renomado de vários best-sellers, teólogo, professor da Evangelical Friends Churches. É também fundador do RENOVARE, uma organização cristã voltada para a renovação da Igreja de Jesus Cristo. Entre suas obras, podemos citar: Celebração de disciplina; A liberdade da simplicidade; Oração: o refúgio da alma; Rio de águas vivas.

JAMES BRYAN SMITH é professor-assistente do Departamento de Religião e Filosofia da Evangelical Friends Churches.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Palavra do filósofo Luiz Felipe Pondé sobre educação de gênero para crianças nas escolas

video

Onde estão outros pensadores da modernidade com semelhante posicionamento?
Os senhores precisam falar de forma racional sobre essa ideologia de gênero.

Momento de pregação das Conferências Anabatistas 2015

video

Momento de louvor nas Conferências Anabatistas de 2015


video

domingo, 22 de novembro de 2015

Programação das conferências anabatistas


sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Casa da Bíblia é notícia em jornal de circulação nacional

Casa da Bíblia de Fortaleza é notícia em jornal de circulação nacional:

http://oglobo.globo.com/sociedade/religiao/com-novas-versoes-cada-mes-mercado-de-biblias-continua-no-topo-18098150



Parabéns ao Sr. Nogueira Lira e empregados!

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Liderança espiritual

Enquanto a liderança espiritual não voltar a ser ocupada por homens que preferem a obscuridade, continuaremos a presenciar uma constante deterioração da qualidade do Cristianismo popular, e possivelmente chegaremos ao ponto em que o Espírito Santo, entristecido, se retirará, como a glória de Deus se apartou do templo.

A.W. Tozer

sábado, 14 de novembro de 2015

Oremos pela França...


sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Perseguição de cristãos na Índia

Evangélicos na Índia estão convidando líderes cristãos no Reino Unido para pressionar o primeiro-ministro indiano Narendra Modi durante sua visita nesta semana a intervir para ajudar os cristãos perseguidos na Índia.
Os cristãos estão sendo espancados e mortos na Índia e a influência de radicais hindus aumentou desde que Modi foi eleito no verão do ano passado, de acordo com a missão Portas Abertas.

Vijesh Lall, secretário da Comissão da Associação Evangélica da Índia Liberdade e Desenvolvimento, disse Christian Today que a situação deteriorou-se no norte e não são apenas os cristãos, mas outras minorias da sociedade civil que são afetados também.
Ele descreveu um incidente em que os pastores cristãos foram espancados e presos simplesmente para orar juntos em uma casa particular.
Por força disso, os cristãos indianos estão com medo, situação que já dura algum tempo. As pessoas costumam atacar os cristãos quando eles evangelizavam nas ruas e até mesmo quando estão nas suas realizando as liturgias do culto. Agora os cristãos não estão mais seguros nem mesmo se estão orando em suas próprias casas.

Oremos pelos irmãos da Índia.

Avivamento entre os muçulmanos (com adaptações)

Notícias da África tem causado espanto e alegria entre as Igrejas Cristãs do norte daquele continente. Em uma área hostil ao Evangelho milhares de muçulmanos estão se convertendo e seguindo a Cristo.
O acadêmico Tino Qahoush da Universidade Regente relatou: "O que Deus está fazendo na África do Norte... da Mauritânia à Líbia, é sem precedentes na história das missões". Qahoush passou muitos anos viajando pela região a fim de documentar toda a transformação ocorrida e narra algumas ocorrências espirituais que motivam a conversão daquela gente. Segundo Qahoush, ele tem o privilégio de gravar depoimentos e ouvir histórias em primeira mão de homens e mulheres de todas as idades que estando em uma sala conseguem ver e contemplar a presença de Deus como uma visão.
Suas entrevistas confirmam o que os especialistas dizem sobre o movimento, nomeando-o como uma profunda visitação de Deus nas nações de maioria muçulmana da Mauritânia, Sahara Ocidental, Marrocos, Argélia, Líbia e Tunísia.
Das margens do Casablanca, Marrocos, em Trípoli, na Líbia, os especialistas dizem que o crescimento do Cristianismo, especialmente nos últimos 20 anos, tem sido sem precedentes. Também isso é evidente noutro país Africano, a Argélia.
O pastor Salah lidera uma das maiores igrejas na Argélia com cerca de 1.200 fiéis que assistem os cultos regularmente na igreja. O que impressiona é que 99 % da população daquele país é muçulmana. "Na verdade nós nunca pensamos que a igreja argelina iria ter um crescimento tão expressivo", disse Salah.
Ele disse que cada novo convertido de sua igreja é proveniente da religião muçulmano. Após a abertura da igreja, eles batizam em média 150-160 crentes por ano.
Zino, um ex-muçulmano, foi convidado a participar de um culto na igreja do pastor Salah por um amigo. E viu o poder transformador de Deus e ficou tocado. "Eu vi argelinos adorando a Deus com todo o coração e ele me tocou," disse Zino.
Outros, como Farhat, que também é um ex-muçulmano, falou de encontros milagrosos. Ele disse que era analfabeto e não sabia ler a Bíblia quando aceitou o Senhor. Então, Deus fez uma grande mudança e lhe proporcionou grandes bênçãos. "Desde então, tenho lido a Bíblia e entendido a Palavra de Deus", "Este é apenas um exemplo do que Deus tem feito na minha vida, e este é o caso de muitas pessoas aqui na Argélia."
Mesmo que a Argélia seja majoritariamente muçulmana, o governo deu às igrejas protestantes liberdade de registrar suas congregações. "É o primeiro governo árabe muçulmano que reconhece, oficialmente, igrejas no Islã", disse Youssef Qurahmane, um pastor líder argelino.
Na verdade, Qurahmane está vendo Deus abrir as portas sem precedentes. "Deus nos deu muitas oportunidades para testemunhar nas delegacias de polícia, nos tribunais, e, na verdade uma vez que eu fui para a delegacia de polícia e eles me deram 45 minutos para falar sobre Jesus!" disse ele. "Imagine-se: eles são todos muçulmanos confessionais e me pedem, 'Conte-nos sobre Jesus!'" Qurahmane exclamou.
Mas a Argélia e os países do Norte de África não foram sempre abertos para o evangelho. Um veterano missionário na região, identificado apenas como "Pedro" por razões de segurança, disse que as coisas eram muito diferentes, há alguns anos. "A religião e a cultura foram antipáticos a qualquer coisa que era estrangeira," ele continuou, "E o cristianismo foi considerado a religião dos europeus."
Pedro acredita que as chegadas da televisão por satélite e a Internet mudaram radicalmente a percepção do cristianismo das pessoas. Ele disse:
"Hoje no Norte de África há TV, você pode ouvir os cristãos árabes nativos falando sobre sua fé, eles que são cristãos maduros respondem a perguntas envolvidas em debates."
"Você pode ouvir diferentes pontos de vista, o ponto de vista cristão, em sua sala de estar ou na privacidade de seu próprio quarto", disse ele.
Encorajado pelo poder de Deus, os cristãos argelinos estão agora em uma missão para levar o Evangelho aos quatro cantos do globo. "Deus colocou em nosso coração o desejo de enviar 1.000 missionários no ano 2025," disse Pastor Qurahmane à CBN News.


Fonte: http://www.cbn.com/cbnnews/world/2014/April/Revival-in-Land-Once-Hostile-to-Christ/

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Meditação


Mais im​portante do que indagar o que o homem moderno tem a dizer à igreja é perguntar o que a igreja tem a dizer ao homem moderno.


Peter Berger

Unção para pregar

Segundo notícia recente (04/11) do jornal The Guardian, a Igreja da Inglaterra tem percebido um descontentamento da população quanto ao evangelismo de seus membros. De certa forma, a ideia moderna de proselitismo na qual se induz apenas uma mudança de religião tem “desanimado” qualquer audição da mensagem cristã, produzindo até descontentamentos. Não gostaríamos de negar o fato de o homem natural rejeitar bens espirituais, pois é um princípio das Escrituras, mas pretendemos apontar para outro problema que talvez seja o mais relevante.
             Para se pregar é necessário capacitação do alto; um poder persuasivo capaz de tirar dúvidas do coração do pecador para firmá-lo em convicções duradouras. Essa lição, Cristo ensinou aos seus discípulos quando expôs sobre a necessidade de aguardarem “em Jerusalém até que do alto fossem revestidos de poder”. A pregação de Pedro após o momento de revestimento do poder prenunciado levou o feriado de Pentecoste ser um marco para a Igreja Primitiva e para os desdobramentos seus ao longo da História. Naquele dia, milhares de pessoas foram convertidas pela explanação de um pescador que até bem pouco tempo havia negado o Cristo. Mas, o que aconteceu? A influência do Espírito através de sua vida levou convencimento de pecados aos seus ouvintes de modo que não havia outra motivação se não se renderem aos “pés da cruz”.
            Alinhada ao essa situação, quando o avivamento em Gales começou por instrumentalidade de Evan Roberts, a Inglaterra sentiu seus efeitos. Na verdade, todo o Reino Unido viu-se abalado pelo impacto da unção de Deus na vida de homens e mulheres que se consagraram no propósito de pregação. Temos notícias de que nos anos anteriores à visitação do Espírito a grande ilha passava por um momento de letargia espiritual. Nas palavras do reverendo J. Vyrnwy Morgan (The Welsh Religious Revival, 1904-5): “... as nossas igrejas evangélicas têm de relatar a falta de progresso. A verdade é que o Cristianismo evangélico na Inglaterra e no País de Gales está perdendo adesão e espaço. Estamos realmente na defensiva. Além disso, o evangelicalismo está perdendo rapidamente sua própria integridade intelectual”. Porém, após a percepção espiritual da degradante vida eclesiástica e social e a operação do Espírito, 100.000 almas se converteram em Gales num espaço de 9 meses, além das muitas ocorridas nos demais países da península.

            Portanto, para resolver a falta de apego ao Cristianismo, principalmente em Gales, Evan propunha um caminho de oração insistente com renúncias, e o que se viu foi um grande despertamento espiritual e conversões das mais variadas. O que falta para a Inglaterra, e não somente para esse país, mas para nós também, é um grande despertamento para a oração a fim de que nossos corações sejam incendiados pelo amor e poder de Deus. Assim poderemos pregar e esperar conversões com paixão e compromisso, sem a ideia de o Cristianismo ser um fardo, antes ser refrigério para a alma.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Meditação

Se hoje houvesse mais crentes de oração haveria também mais pessoas preparadas para o sofrimento. A oração dá-nos resistência espiritual, nos faz crescer em santidade, faz-nos fortes no espírito e traz sobre nós o fogo.

Leonard Ravenhill

A epidemia de suicídios entre transgêneros: uma tragédia silenciosa

Leia o artigo da psicóloga Marisa Lobo na íntegra no seguinte endereço:

http://colunas.gospelmais.com.br/tragedia-silenciosa-epidemia-suicidios-transgeneros_11456.html

A seca

A seca dos últimos anos no Ceará e no Nordeste tem sido uma das mais severas registradas. A falta de chuvas regulares, a diminuição do nível de açudes, a morte de animais e a redução da safra ocasionaram um grande flagelo e despertaram pesquisadores para buscarem as causas dessa nefasta circunstância. Deste modo, a previsão para os anos vindouros não são animadoras já que, de acordo com os estudiosos, a tendência é que a quadra chuvosa seja abaixo das médias anuais. Buscando outra explicação devido à religiosidade dos interioranos, cuja perspectiva de fé se coaduna com um catolicismo popular, para os campesinos a degradante situação é consequência de uma punição divina influenciada pelo mau comportamento humano. Será?
            A Bíblia nos ensina que no Antigo Egito e em Canaã, na época dos primitivos reis hicsos, houve uma grande e terrível seca que assolou a casa Jacó, último patriarca hebreu, que o obrigou ir para o regaço de faraó. Naquela situação, Deus livrou os hebreus e os egípcios do extermínio: uma nação monoteísta e outra politeísta. Como pode Deus ter proporcionado benefícios a povos num “misto” cultural que inclusive desabonava a divindade do Deus dos israelitas? Simples, faraó ouviu e atendeu a interpretação dos sonhos de José, demonstrando fé no Deus semita. Portanto, a providência divina está associada ao reconhecimento do homem.
            Não podemos negar que a humanidade tem desabonado a Deus. Instituindo leis e dominando sem aquele reconhecimento o homem tem se desapegado de Deus porque o entende como uma ideia ou uma simples manifestação de suas ânsias. Desta maneira, adota um padrão próprio para si e subjuga o que fora estabelecido desde o princípio, desprezando-o com o ensino equilibrador e sustentador da vida. Mas, ao contrário do que se pensa, o que está em evidência nesse contexto são a benevolência e a longanimidade divinas. Apesar de toda a desobediência do homem, o Senhor continua esperando uma decisão positiva para ajuda-lo. Caso houvesse clamor e arrependimento, caso os homens reconhecessem suas culpas e voltassem para o Criador uma medida paliativa viria em socorro para atenuar as situações climáticas e muitas outras. Não pensemos outra coisa, pois se Deus estivesse realmente irado nesse momento, bastaria um “estalar de seus dedos” para acabar com o incômodo que o homem tem causado devido sua seca espiritual.

terça-feira, 10 de novembro de 2015

MANIFESTO contra a propaganda pró-aborto: "Meu corpo, minhas regras"

A vida de um bebê deve ser protegida em todas as circunstâncias
Manifesto o meu repúdio à infeliz campanha de defesa do assassinato de bebês inocentes (também chamado de “aborto”) realizada por alguns atores “globais”.
Além de revelarem sua ignorância em relação a temas fundamentais do cristianismo, apelam para o jargão falacioso do “meu corpo, minhas regras”, como se o corpo do nascituro fosse uma extensão do corpo da mãe. 
ASSINE O MANIFESTO:
http://www.citizengo.org/pt-pt/lf/node:nid%5D-repudio-campanha-abortista-atores-globais?sid=MTQ1ODM3MDM1NzA5OTI%3D

Meu corpo, minhas regras?

Uma campanha lançada no último dia 03 tem causado rebuliço nas redes sociais. A campanha protagonizada por atores da rede Globo defendem o aborto e ironizam a forma como Cristo foi concebido, destacando uma sugestão de desconfiança sobre como o fato se realizou: “será que Maria era realmente virgem?” é o que induz a publicidade.
Com o título "Meu Corpo, Minhas Regras", a propaganda mundana propõe que Maria teria o direito de abortar, caso quisesse, nos tempos primeiros do Novo Testamento. Perceba o leitor que os movimentos pró-aborto e outros cujo discurso é comum: a questão sexual, tem se levantado contra os institutos divinos, demonstrando o cumprimento das Escrituras quando diz que nos últimos tempos os homens se levantariam contra tudo proveniente de Deus.  
Contra tal posicionamento, a psicóloga cristã, Marisa Lobo, divulgou uma petição online, com uma nota de repúdio à iniciativa da campanha "Meu Corpo, Minhas Regras", além de diversos usuários do Youtube, que criticaram o vídeo em seus comentários.
Da mesma forma, em oposição ao proposto, o pastor Jackson Jacques decidiu dar uma resposta ao vídeo, explicando que não há qualquer erro de tradução, quando a Bíblia fala no nascimento de Jesus Cristo, vindo de uma virgem.
Citando e lendo as passagens de Isaías 7:14 e Mateus 1:23 (que citam a mesma profecia sobre o Cristo, nascido de uma virgem), o teólogo explicou o sentido da palavra hebraica 'Almah' - que em uma tradução literal quer dizer 'jovem' - e o contexto em que ela é usada nos escritos originais, posteriormente traduzidos para o grego.
"Sempre que a Bíblia usa a palavra 'Almah', está se referindo sim a uma virgem. A palavra 'Bethulah' se entende que toda moça em Israel é virgem. O termo usado para quando ela é nova é 'Almah', porque seria uma redundância dizer que ela é virgem", afirmou.
Jackson ainda ressalta que toda a história de Jesus Cristo envolve o sobrenatural e o cumprimento de profecias.
"Ele entrou no mundo de forma distinta dos homens e Ele sai do mundo de forma distinta dos homens. Deus se faz homem, vem a esse mundo, entra de forma distinta, por intermédio de uma virgem e sai de forma gloriosa, ressurreta. Ele ressuscita, fica mais 40 dias com os discípulos e depois sobe aos céus. Como testemunhas disso, nós temos milhares e milhares de pessoas da igreja do Primeiro Século", destacou.
Apesar de contar com o apoio de atores globais, pessoas aparentemente influentes na mídia, o vídeo da campanha pró-aborto parece não estão conseguindo a aprovação popular.

Logo abaixo do vídeo, o internauta pode postar seu comentário e também expressar sua aprovação ou desaprovação, marcando o material, ao clicar nos botões "Gostei" ou "Não Gostei". Até o momento, o vídeo já tem mais de 33.400 cliques que desaprovam o vídeo, contra 4.280  que aprovaram. 

fonte: http://guiame.com.br/gospel/videos/video-pro-aborto-diz-que-jesus-nao-nasceu-de-uma-virgem-e-pastor-responde-assista.html

Santos do passado

Nós apreciamos imensamente os grandes santos de Deus do passado, os nossos missionários, mártires, reformadores. Escrevemos as suas biografias, reverenciamos seus feitos, compomo-lhes elogios e erguemo-lhes memoriais. Fazemos qualquer coisa, menos imitá-los.

Leonard Ravenhill

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Medite

O cristianismo de hoje não transforma as pessoas. Pelo contrário, está sendo transformado por elas. Não está elevando o nível moral da sociedade; está descendo ao nível da própria sociedade, congratulando-se com o fato de que conseguiu uma vitória, porque a sociedade está sorrindo enquanto o cristianismo aceita a sua própria rendição!

A.W. Tozer

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Por que o mundo jaz em pecado?

A grande batalha da Igreja do nosso tempo já começou com ela em desvantagem. O grande motivo foi o desleixo espiritual e a apostasia que entrou em seu seio, fazendo ruir os pilares da fé cristã. Suas estruturas modificadas e mundanizadas não atraem a atenção do mundo vil, pelo contrário, ela passa a ser entendida apenas como uma das múltiplas atividades possíveis para se desfrutar; contudo, dentro da cosmovisão mundanizante na qual o homem adota a forma pela qual entende a Deus e não da forma como Deus estabelece sua compreensão. Salienta-se que a compreensão desse homem está viciada pelo acúmulo de pecados praticados.
            Mas, por que o pecado se multiplicou? Por que a sexualidade é o pecado em maior evidência? Porque muitos dos cristãos-evangélicos se permitiram pecar sem restrições. Muitos evangélicos tornaram-se desonestos em seus negócios, adúlteros, fornicadores, amantes do dinheiro e perderam o ideal da graça e da unção de Deus, equiparando-se em classe aos infiéis. Com isso, sua moral e reputação diminuíram trazendo não uma indignação, mas um sentimento de empatia no qual o ímpio se questiona sobre a possibilidade de também extrapolar no pecado. A lógica é a seguinte: “Se os religiosos podem pecar, os ímpios não podem ficar para trás e devem pecar muito mais!”. Ou seja, a mundanização da Igreja promove o pecado no mundo e sua expansão (intensificação dos pecados conhecidos e criação de novas maneiras de pecar).
            Por força dessas ocorrências, gostaríamos de “parabenizar” os cantores evangélicos que misturaram o sagrado com o profano, promovendo shows e entretenimento para as massas evangélicas desviadas cujo anseio é “libertar-se” em danças sensuais e rebeldes, principalmente uma juventude que foi transviada por esses prostitutos cultuais de nosso tempo. Também “parabenizar” pelas músicas vazias, muitas sem muito sentido, mas cheias de gírias e ritmos mundanos, carregadas de heresias que contaminam leigos.
Gostaríamos de “parabenizar” as mulheres, supostamente cristãs, pelo seu coquetismo, sentimento que tenta despertar admiração no homem para seduzi-lo. “Parabenizar” pela sua leviandade que tem promovido adultérios e separações dentro das igrejas, porquanto algumas mulheres casadas têm chamado à atenção de outros homens, mas seus discursos polidos e falsos afirmam que querem apenas agradar e ficar bonitas para seus maridos. Esse espírito de falsidade nos quais os maridos estão acalentados e não querem perceber o mal que estão permitindo em suas casas é típico da mulher devassa e maligna que sabe persuadir o marido néscio. O que essas mulheres vaidosas querem realmente é ser desejadas pelo outro; para alcançarem seus objetivos tomam dinheiro de seus maridos para se adornarem em salões de beleza (estúdio hedonístico) pintando seus cabelos, rostos, unhas e outras partes do corpo, abdicando da simplicidade cristã e dos valores pregados pelo Salvador para se tornarem Jezabeis débeis-carnais.
“Parabéns” aos teólogos metidos a intelectuais evangélicos que relativizam a interpretação das Sagradas Escrituras e promovem a cisão e a separação de Igrejas e do movimento evangélico, ora retardado pela falta de conhecimento. “Parabéns” pela sua insinuação herética que desvirtua a univocidade bíblica. “Parabéns” pela sua falta de discernimento espiritual nutrido pela falta de oração e comunhão com Deus, pelo espírito soberbo e irascível promovedor de celeumas e contentas cujo interesse é a discórdia pela discórdia. “Parabéns” pelas suas home pages cheias de links e de tantas informações que enfeitiçam o ignorante internauta-cristão incapaz de discernir o sentimento maquiavélico de suas pretensões. “Parabéns” pela ampliação de seus estudos e conhecimento cujo objetivo é destruir as almas intocadas pelo convencimento árido de quem quer desabonar os feitos do Senhor. “Parabéns” pela vida vã e pelo sentimento melífluo.
“Parabéns” aos pastores-políticos devido sua falta de unção para ganharem multidões para Cristo e apascentarem seus rebanhos. “Parabéns” pelo paliativo que criaram para continuarem no auge: buscaram novas formas de “representarem” seus currais eleitorais através da democracia semidireta. Não querem admitir que suas reputações foram contaminadas pela política corrupta do mundo, razão pela qual seus ideais foram modificados e seus interesses passaram a ser deste mundo. Justamente o contrário do que ensinou Jesus quando afirmou que o seu Reino não era deste mundo. “Parabéns” pelos seus maus testemunhos que motivam os mais vis pecadores a ridicularizarem até mesmo das Igrejas evangélicas sérias que lutam para conservar os ensinamentos cristãos e tem um comportamento louvável.   

O grande problema da Igreja de hoje é a falta de azeite e de luz na sua lamparina. Conforme disse Jesus em Mateus 25, o sono das virgens loucas, comparando a Igreja geral evangélica com o texto do Evangelho, impossibilitou a percepção de seu real objetivo neste mundo de modo que sua letargia para com as virtudes divinas nos faz entender o cumprimento do texto neste momento. Ora, se a Igreja evangélica não está valorizando sua posição no mundo, sendo o que Deus projetou para ela: ser sal (conservação dos ensinos) e luz (entendimento e prática dos valores), como pode querer que o mundo lhe valorize?