O Jornal Tocha da Verdade é um periódico trimestral independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

A seca

A seca dos últimos anos no Ceará e no Nordeste tem sido uma das mais severas registradas. A falta de chuvas regulares, a diminuição do nível de açudes, a morte de animais e a redução da safra ocasionaram um grande flagelo e despertaram pesquisadores para buscarem as causas dessa nefasta circunstância. Deste modo, a previsão para os anos vindouros não são animadoras já que, de acordo com os estudiosos, a tendência é que a quadra chuvosa seja abaixo das médias anuais. Buscando outra explicação devido à religiosidade dos interioranos, cuja perspectiva de fé se coaduna com um catolicismo popular, para os campesinos a degradante situação é consequência de uma punição divina influenciada pelo mau comportamento humano. Será?
            A Bíblia nos ensina que no Antigo Egito e em Canaã, na época dos primitivos reis hicsos, houve uma grande e terrível seca que assolou a casa Jacó, último patriarca hebreu, que o obrigou ir para o regaço de faraó. Naquela situação, Deus livrou os hebreus e os egípcios do extermínio: uma nação monoteísta e outra politeísta. Como pode Deus ter proporcionado benefícios a povos num “misto” cultural que inclusive desabonava a divindade do Deus dos israelitas? Simples, faraó ouviu e atendeu a interpretação dos sonhos de José, demonstrando fé no Deus semita. Portanto, a providência divina está associada ao reconhecimento do homem.
            Não podemos negar que a humanidade tem desabonado a Deus. Instituindo leis e dominando sem aquele reconhecimento o homem tem se desapegado de Deus porque o entende como uma ideia ou uma simples manifestação de suas ânsias. Desta maneira, adota um padrão próprio para si e subjuga o que fora estabelecido desde o princípio, desprezando-o com o ensino equilibrador e sustentador da vida. Mas, ao contrário do que se pensa, o que está em evidência nesse contexto são a benevolência e a longanimidade divinas. Apesar de toda a desobediência do homem, o Senhor continua esperando uma decisão positiva para ajuda-lo. Caso houvesse clamor e arrependimento, caso os homens reconhecessem suas culpas e voltassem para o Criador uma medida paliativa viria em socorro para atenuar as situações climáticas e muitas outras. Não pensemos outra coisa, pois se Deus estivesse realmente irado nesse momento, bastaria um “estalar de seus dedos” para acabar com o incômodo que o homem tem causado devido sua seca espiritual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário