O Jornal Tocha da Verdade é uma publicação independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

c

c

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Segunda Cruzada na LBA

A comunidade que reside no entorno da quadra da LBA, no Joaquim Távora, foi impactada novamente pela Cruzada da Igreja Batista Renovada Moriá. No segundo ano no qual a Igreja realiza o evento, muitos vizinhos ficaram às portas espreitando aquele movimento diferente para o propósito do equipamento esportivo, além dos que estavam assentados nas cadeiras enfileiradas. O objetivo? Pregar a Palavra para formação de discípulos, segundo o Ide de Cristo já que o local proporciona a condição de anunciar as boas novas com grande liberdade.   
Para tanto, uma multidão de irmãos da Piedade e de outras congregações lotou o local de culto, fortalecendo a programação cujo pregador foi pastor Glauco Barreira. Pessoas foram evangelizadas durante à tarde, crianças tiveram a atenção de professores de escolinhas bíblicas e todos ouviram a mensagem de Cristo nesta noite. Não houve qualquer transtorno ou reivindicação dos moradores por se acharem incomodados, ao que imaginamos que eles se sentiram mais uma vez honrados por receberem o evento cujos fins são realmente dignos de atenção.
No final, duas pessoas entregaram a Cristo suas vidas. Carlos André, o cidadão que foi à frente, passou a infância e parte da juventude frequentando o salão do reino das testemunhas de Jeová, sendo educado em suas doutrinas, porém, nesta noite, rendeu-se a Cristo, elegendo-o como único Salvador e Senhor.
Oremos pelos frutos deste trabalho, apesar de terem sido poucos. Lembremo-nos que, segundo o preceito bíblico, bastaria uma só ovelha para que o fiel pastor se dispusesse a buscá-la como o intento de resgatá-la. Nesta noite, tivemos duas. Glórias a Deus.


















quinta-feira, 24 de maio de 2018

Noite do Musical: Dá-nos a religião dos velhos tempos


O manto de luz que cobria o público, ouvinte atento e despertado para a introspecção em cada hino entoado pelo conjunto de devotados crentes posicionados na sóbria tribuna, emanava das arandelas e lustres, sustentados pelas paredes e teto cujos locais devidamente pensados assim o foram para que sua irradiação branco-amarela remetesse ao contexto medieval de reverência e contemplação. Esse elemento tornou o objetivo do evento ainda mais venerável, de modo que sob aquela iluminação incandescente fomos remetidos ao cenário contemplativo, aquele de ver somente a Jesus. Nesse ambiente, “espíritos” foram tocados pela beleza musical das melodias, enquanto suas almas se achavam imersas nas letras de pura expressão do verdadeiro canto a Deus. Percebendo o valor dos conceitos apresentados, esclarecidos pela iluminação e pela elucidação de quem fazia uso da oratória, a grande plateia vivenciou um misto de humilhação e grandeza, visto que assumiu sua pequenez diante da majestade do Todo-Poderoso, o Deus supremo presente na reunião entre “pecadores”. Esse era um dos sentidos do evento, pois além de focar o quesito música cristã reverente para a perfeita adoração a Deus a pronunciação de cada estrofe e refrão fazia arrepiar os corpos tocados pelo esclarecimento advindo da poesia fundamentada nas verdades bíblicas, uma pregação musicada, inspirada na verdade absoluta e inalterável das Escrituras, fonte de vida espiritual para nossa comunhão com o Senhor, ou seja, a proposta para o resgate dos hinos tradicionais.

Quantos rostos vistos entre a multidão expressavam essa experiência? Foram muitos, para não dizer todos, já que não havia clima para distração e entretenimento, mas somente uma ânsia para adorar a Deus em espírito e em verdade. Jovens, adultos e velhos, nós todos fomos envolvidos e elevados a um patamar altíssimo no qual se encontrava de fato Deus. Foi uma noite em que os céus se abriram e fizeram jorrar dádivas pelas quais, nós cristãos, devemos nos apropriar delas para conservar o paradigma bíblico da reverência a Deus quando nos reunimos em nossos cultos.
Fabiano Santiago (organizador) estava ansioso para ver os resultados do trabalho de sua equipe de músicos (Lívia, Ivanilson, Karla, Daniel, Paulo e Alysson), porquanto foram meses de dedicação e preparação para apenas um fim: a glória de Deus. Muito embora não estivesse preocupado com a repercussão positiva para si e para os demais componentes, lembrou com insistência que somos meros instrumentos que refletem as virtudes cristãs, de modo que cabe a nós sabermos distinguir entre o adorador e o adorado, cabendo a honra àquele que realmente é digno de louvor: o nosso Deus. O trabalho esmerado de toda equipe é a prova de que se pode resgatar os valores esquecidos com pessoas jovens que amam esses mesmos valores. Essa mentalidade faz com que a hinódia tradicional seja considerada necessária para a Igreja, não sendo subestimada como obsoleta, mas como algo consistente e de uma representação superior a qualquer single cantado hoje em dia. Os hinos tradicionais têm maior profundidade, espiritualidade, consistência, melodia e são mais eloquentes. Reivindicam para si uma atenção maior em razão de serem mais aptos para os lábios daqueles que temem a Deus nos cultos.   
A COMUNIE – Comunhão Evangélica, pensando nesse fato, tem o privilégio de promover encontros como esse para esclarecer sobre os problemas modernos que afetam o movimento evangélico. A causa de tantos males? O liberalismo teológico que tenta incutir nas massas outro cristianismo, enquanto a iniciativa da COMUNIE é criar um espírito mais crítico com respeito a tais inovações. Não é só o problema do ceticismo acadêmico que vem atingindo os jovens cristãos universitários, mas também o fato de muitas igrejas estarem saindo do prumo, de modo que o Rev. Glauco Barreira Magalhães Filho (organizador geral) vem despertando essa comunidade para um retorno aos valores genuinamente cristãos a fim de que possam ser apresentados ao universo que isso remete e remediá-lo pela Palavra de Cristo.

















Amazing Grace


A graça de Cristo


John Newton acumulou muitas experiências em vida de 82 anos. Sua mãe morreu quando ele tinha seis anos de idade, obrigando-o a se juntar ao pai no mar quando ele tinha onze anos. Ele serviu como aprendiz de marinheiro, e progrediu nas fileiras até se tornar o capitão de um navio negreiro. Abandonou o treinamento religioso que havia experimentado quando criança e se divertiu com a vida dissoluta de um comerciante de escravos. Ele ficou conhecido por sua vida profana e crueldade.
Mas uma noite tempestuosa, quando seu navio corria o risco de afundar e ele corria o risco de morrer, Newton teve uma verdadeira mudança de vida. Poderia ter sido seu treinamento religioso influenciado pelas orações de sua mãe depois de todos esses anos - ou pode ter sido o amor dele por Mary Catlett, uma mulher cristã com quem ele se casou mais tarde - ou poderia ter sido sua leitura do livro, Imitação de Cristo - ou poderia ter sido todos os três. Em qualquer caso, Newton teve uma experiência de conversão real.
Por um tempo, Newton continuou trabalhando no seu navio de escravos, mas começou a tratar tanto os escravos quanto sua tripulação com muito mais compaixão. Finalmente, convencido de que o tráfico de escravos estava errado, ele deixou seu navio e conseguiu um emprego em terra.
Ele então sentiu um chamado para o ministério e foi ordenado aos quarenta anos e designado para uma igreja em Olney, Inglaterra. Ele continuou no ministério durante o resto de sua longa vida, mesmo depois da cegueira que o assolou, impossibilitando-o de ler.
O hino Amazing Grace é, em certo sentido, a própria história de Newton. Foi uma graça incrível que o salvou, e foi a graça surpreendente que foi o foco de sua pregação. Mas Amazing Grace é a história de todo cristão. É uma graça surpreendente que nos salva - nada mais - sem obras de nossas mãos ou presentes de nossa riqueza. Foi incrível que Deus amaria e salvaria John Newton, mas é incrível que Deus ame e salve qualquer um de nós. É realmente algo maravilhoso ouvir o doce som de sua melodia e entender sua legra, mas é tão surpreendente que é difícil de acreditar. Acredite, porque é verdade.

Autor: Richard Niell Donovan (com adaptações)
Disponível em: https://www.sermonwriter.com/hymn-stories/amazing-grace/

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Jesus Paid It All

A doce voz de Jesus


“Quanto tempo de oração o pastor teve esta manhã?” pensou Elvina Hall.


Sentada no coro, a mente de Elvina se voltou para nossa necessidade de salvação e o preço que Jesus pagou por ela. Palavras começaram a se formar. Ela tinha que pegá-las. Mas ela não tinha papel. Bem, isso não era bem verdade...
Rabiscando no verso de seu hinário, ela escreveu:
Ouço o Salvador dizer:

“Na verdade , a tua força é pequena;
filho de fraqueza vigiai e orai,
achai em mim tudo o que há em todos.”

Jesus pagou tudo, tudo a ele eu devo; o pecado havia deixado uma mancha carmesim. Ele a tornou branca como a neve.
Não é ruim. Não é mau de todo. Após o serviço, ela entregou as palavras ao seu pastor. O rosto dele se transformou em um pequeno sorriso com a evidência de seu comportamento “travesso”? Podemos nunca saber.
Mas sabemos que uma extraordinária “coincidência” aconteceu naquele dia na Igreja Metodista de Baltimore. O organista John Grape escreveu uma nova música e a deu ao pastor. O pastor viu que a melodia e o poema se encaixavam extremamente bem. Então ele os uniu. Dessa forma, um dos hinos mais amados da igreja surgiu.
Elvina Hall tinha 45 anos naquela época. Nascida neste dia, 4 de junho de 1820. Ela morreu em 1899.

terça-feira, 22 de maio de 2018

Para os amantes do Anabatismo



A história das origens anabatistas na Suíça é bem conhecida. Em contraste, a vida e o pensamento dos anabatistas que continuaram a viver na Suíça nos últimos dois terços do século XVI permaneceram em relativa obscuridade. Uma razão para isso é que os anabatistas suíços, depois de 1530, comunicaram suas convicções através de escritos e manuscritos em vez de imprimir livros. As fontes históricas primárias relativas ao anabatismo suíço posterior são, portanto, manuscritos que devem ser localizados e lidos em arquivos locais. Este volume atual contém uma seleção de escritos que estavam sendo copiados e circulados entre os anabatistas posteriores na Suíça. O texto que domina a coleção atual, tanto em termos de extensão quanto de complexidade, é o maciço Codex 628 de 466 páginas, copiado em 1590 e contendo uma ampla amostra de material considerado significativo pelos anabatistas suíços no final do século. Os leitores deste volume têm, assim, a oportunidade de ler, em tradução, importantes acervos arquivísticos que documentam o desenvolvimento do pensamento anabatista suíço ao longo do século XVI. Esses escritos revelam um movimento religioso e social em amadurecimento, cujos membros continuaram a refletir biblicamente sobre seu chamado ao discipulado, enquanto viviam em um mundo que designava todos os hereges como adultos batizados e cidadãos desobedientes e perigosos. 


Mas eu sei em quem tenho crido - Hino 477 HCC

N'Ele podemos crer

A escrita do hino de Daniel Webster Whittle é parte da “era mais leve e mais emocionante da música gospel americana”, de acordo com Robert Morgan. Whittle nasceu perto de Boston, Massachusetts, em novembro de 1840. Ele saiu de casa ainda adolescente e se mudou para Chicago, onde trabalhou em um banco. Ele se alistou para lutar na Guerra Civil Americana quando começou em 1861, se casando no dia anterior à sua partida. Sua esposa, Abbie, ficou perturbada quando soube que ele havia sido capturado e ficou seriamente ferido, tendo perdido o braço direito. Mas Deus usou essa circunstância para sua glória!
Enquanto se recuperava no hospital, Daniel ficou entediado e pegou um Novo Testamento, assim como algo para ler. Ele se sentiu comovido pelo que leu, mas não estava pronto para aceitar a Cristo como seu Salvador, e adormeceu. Logo ele foi acordado por um enfermeiro do hospital, que disse que outro soldado estava morrendo e queria alguém para orar com ele. Daniel alegou que ele não podia fazê-lo e sugeriu que outra pessoa o fizesse. O ordenado respondeu que ele tinha visto Daniel lendo a Bíblia, e então pensou que ele deveria ser um cristão. Então Daniel concordou em ajudar. Ele se ajoelhou ao lado do menino moribundo, segurando sua mão, confessou seus próprios pecados e pediu perdão ao Senhor. Whittle disse mais tarde: “Eu orei e implorei as promessas de Deus. Quando me levantei dos meus joelhos, ele estava morto. Um olhar de paz tinha chegado ao seu rosto perturbado...”
Daniel Whittle deve ter crescido em fé, e “Eu sei em quem tenho crido" foi escrito em 1883 como seu testemunho de sua confiança em Jesus. Ele usou as palavras de Paulo de sua carta para Timóteo - 2 Timóteo 1:12, KJV, como o refrão da música. Vimos que Whittle ainda tinha dúvidas sobre mistérios espirituais, mas era conhecer Jesus que fez a diferença para ele, e essa era a âncora à qual ele poderia se agarrar. Ele compôs cerca de 200 hinos cristãos.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Castelo forte - Coral e Orquestra experimental - Igreja Luterana - Rio C...

O hino da Reforma


“Castelo Forte é o nosso Deus” é uma das mais famosas canções protestantes, se não a mais conhecida. O texto que Martinho Lutero provavelmente escreveu entre 1521 e 1529. Quem criou a melodia é desconhecido. Devido ao seu autógrafo escrito em conjunto com outras 138 peças litúrgicas, Johann Walter, cantor e amigo de Lutero, é frequentemente mencionado como compositor; mas também a sua autoria não está garantida.
A canção foi impressa pela primeira vez em 1529 no hinário de Klug, que apareceu em Wittenberg.
Já no decorrer do século XVI, tornou-se a canção da Reforma. Castelo Forte é o nosso Deus passou a ser a canção confessional protestante. Em 1834, Heinrich Heine o chamou de “hino de Marselha da Reforma” em seu trabalho sobre a história da religião e da filosofia na Alemanha, como uma canção de identificação de todos os protestantes.
Johann Sebastian Bach lidou trabalhou nela em duas ocasiões: uma cantata coral para o Festival da Reforma (BWV 80) e também criou a edição de órgão (BWV 720). Em 1830, Felix Mendelssohn Bartholdy recorreu ao coro de Lutero no movimento final de sua Sinfonia da Reforma para o 300º aniversário da Confissão de Augsburgo. Outros arranjos foram feitos por Otto Nicolai (1836), cujo festival da igreja Overture no coral “uma fortaleza é o nosso Deus” foi editado em 1852 por Franz Liszt para órgão.
Martinho Lutero compôs sua canção Castelo Forte com referência ao Salmo 46, um dos grandes salmos de confiança da Bíblia. É por isso que não temos medo, quando a terra também balança, quando as montanhas mergulham nas profundezas do mar, quando suas águas caem e espumam e tremem as montanhas antes de sua impetuosidade.
Fonte: https://www.lieder-archiv.de/ein_feste_burg_ist_unser_gott-notenblatt_300768.html

Sou feliz

As tragédias que fizeram florescer o hino "Sou Feliz"


Horatio G. Spafford foi um advogado e empresário de sucesso em Chicago. Sua família era adorável: sua esposa Anna e seus cinco filhos demonstravam a perfeita harmonia familiar. No entanto, eles não foram imunes às lágrimas e à tragédia. Seu filho morreu com pneumonia em 1871 e, nesse mesmo ano, grande parte de seus negócios foi perdida no grande incêndio de Chicago. No entanto, Deus, em Sua misericórdia e bondade, permitiu que o negócio florescesse mais uma vez.

grande incêndio em Chicago em 1871

Em 21 de novembro de 1873, o transatlântico francês Ville du Havre atravessava o Atlântico dos EUA para a Europa, com 313 passageiros a bordo. Entre os passageiros estavam a sra. Spafford e suas quatro filhas. Embora Spafford tivesse planejado ir com sua família, achou necessário ficar em Chicago para ajudar a resolver um problema comercial inesperado. Ele disse à esposa que se juntaria a ela e aos filhos na Europa em alguns dias. Seu plano era pegar outro navio.
Cerca de quatro dias depois da travessia do Atlântico, o Ville du Harve colidiu com um poderoso navio escocês de casco de ferro, o Loch Earn. De repente, todos a bordo estavam em grave perigo. Anna apressadamente trouxe seus quatro filhos para o convés. Ela se ajoelhou lá com Annie, Margaret Lee, Bessie e Tanetta e orou para que Deus as poupasse se essa fosse a Sua vontade, ou para torná-las dispostas a suportar o que quer que as aguardasse. Dentro de aproximadamente 12 minutos, o Ville du Harve escorregou sob as águas escuras do Atlântico, levando consigo 226 dos passageiros, incluindo as quatro crianças Spafford.


Um marinheiro, remando um pequeno barco sobre o local onde o navio afundou, avistou uma mulher flutuando em um pedaço dos destroços. Era Anna, ainda viva. Ele puxou-a para dentro do barco e eles foram apanhados por outro grande navio que, nove dias depois, os colocou em Cardiff, no País de Gales. De lá, ela transmitiu ao marido uma mensagem que começava: “Salva sozinha, o que devo fazer?” O Sr. Spafford depois enquadrou o telegrama e o colocou em seu escritório.
Outro dos sobreviventes do navio, Pastor Weiss, lembrou mais tarde Anna dizendo: “Deus me deu quatro filhas. Agora elas foram tirados de mim. Algum dia eu vou entender o porquê”.
O Sr. Spafford reservou uma passagem no próximo navio disponível e saiu para se juntar à sua esposa enlutada. No quarto dia da travessia marítima, o capitão chamou Spafford para sua cabine e disse-lhe que estavam no lugar onde seus filhos haviam caído. Em carta a sua irmã, Spafford escreveu:

Na quinta-feira passamos perto do local onde (o navio) naufragou: no meio do oceano, a água tem 3 milhas de profundidade. Mas quando penso nas nossas pequenas queridas, não as vejo ali. Elas estão seguras e abrigadas, as queridas ovelhinhas, e em breve também estaremos lá. Nesse meio tempo, graças a Deus, temos a oportunidade de louvá-lO e de agradecer por Seu amor e Sua misericórdia por nós e pelos que amamos. “Eu O louvarei enquanto viver”. Que todos nos ergamos, deixando tudo e seguindo-O.

De acordo com Bertha Spafford Vester, uma filha nascida após a tragédia, Spafford escreveu “Está tudo bem com minha alma” durante essa jornada.

Quando a paz como um rio atende meu caminho,
Quando tristezas como ondas do mar rolam,
Seja qual for a minha sorte, Tu me ensinaste a dizer
Está bem, está bem com a minha alma.

Refrão:
Está tudo bem com a minha alma,
Está bem, está tudo bem com a minha alma

Anna deu à luz mais três filhos, um dos quais morreu aos quatro anos com pneumonia terrível. Em agosto de 1881, os Spaffords se mudaram para Jerusalém. O Sr. Spafford morreu e está enterrado naquela cidade.
Spafford foi autor do belíssimo hino do cantor cristão No. 398, traduzido no Brasil com o título “Sou Feliz com Jesus”.

Fonte:


sábado, 19 de maio de 2018

God Will Take Care of You

Quando Deus intervém para inspirar o hino


Civilla Durfee Martin (1866-1948) nasceu em Nova Escócia e morreu em Atlanta, na Geórgia. Martin era filha de James N. e Irene Harding Holden. Ela era professora de escola com um modesto treinamento musical. Ela e seu marido, Walter Stillman Martin (1862-1935), frequentemente escreviam hinos para reuniões de reavivamento. “Deus cuidará de você” é um exemplo da colaboração deles.
Walter Stillman Martin (1862-1935) foi um ministro batista que recebeu sua educação em Harvard. Mais tarde ele se tornou um membro dos Discípulos de Cristo, ensinando no Atlantic Christian College (agora Barton College) em Wilson, Carolina do Norte, e, antes de se mudar para Atlanta em 1919, um local que se tornou a base dos reavivamentos que ele realizou em todo o Reino Unido.
Civilla Martin também escreveu o texto “Seu Olho está no pardal” (1905), musicado pelo conhecido compositor de canções evangélicas Charles Gabriel (1856-1932 e utilizado mais tarde como parte do repertório nas Cruzadas de Billy Graham. Outro hino dos Martins, “O Sangue Nunca Vai Perder o Seu Poder” (1912), parece ter inspirado Andraé Crouch (1942-2015) e sua composição com o mesmo nome em 1962.
Deus vai cuidar de você (1904) tem seu próprio poder e é conhecido em todo o mundo. O hinologista Kenneth Osbeck descreve os antecedentes da composição do hino:
“Foi composto enquanto os Martins passavam várias semanas como convidados na Escola Prática de Treinamento Bíblico em Lestershire, Nova York, onde o Sr. Martin estava envolvido em ajudar o presidente da escola, John A. Davis, a preparar um hinário. O reverendo W. Stillman Martin, um conhecido evangelista batista, foi convidado para pregar em uma igreja distante da escola bíblica. Naquela manhã de domingo, a sra. Martin ficou repentinamente doente, impossibilitando que ela acompanhasse seu marido ao seu compromisso. O Sr. Martin considerou seriamente cancelar sua tarefa de falar, já que seria necessário que ele se ausentasse por um tempo considerável. Nesse momento, porém, o filho mais novo deles falou e disse: 'Pai, você não acha que, se Deus quer que você pregue hoje, Ele cuidará da mamãe enquanto você estiver fora?' ”
Walter Martin pregou naquele domingo e voltou naquela noite para encontrar sua esposa muito melhor. De fato, enquanto ele tinha ido pregar, ela preparou um novo texto que foi inspirado pela declaração de seu filho pouco antes de seu marido sair naquela manhã. Antes de ir dormir naquela noite, Walter escreveu a música para o texto de sua esposa. Civilla Martin descreve a composição:
“Deus vai cuidar de você” foi escrito na tarde de domingo, enquanto meu marido foi a um encontro de pregação. Quando ele voltou, eu dei a letra para ele. Ele imediatamente sentou-se ao seu pequeno órgão e escreveu a música. Naquela noite, ele e dois dos professores cantaram a música completa. Foi então impresso no songbook que ele estava compilando para a escola.”
Esse songbook parece ter sido Songs of Redemption and Praise (1905), compilado por Walter Martin e pelo presidente da escola, John Davis.
Embora a sra. Martin tenha se inspirado na observação do filho naquela manhã de domingo, é bem possível que ela também estivesse ciente de outros textos com a frase “Deus cuidará de você” também. A autora do hino evangélico Fanny Crosby (1820-1915) escreveu um texto com música composta pelo evangelista Ira D. Sankey (1840-1908). Esta composição apareceu em 1890, catorze anos antes de os Martins comporem sua música. Em seguida, a escritora britânica de hinos Frances Ridley Havergal (1836-1879) também compôs um texto que começou com a mesma linha. A primeira linha completa deste hino, "Deus cuidará de vocês todos do dia", tem uma impressionante semelhança com o refrão de Martin: "Deus cuidará de você todos os dias”.
Embora os hinos de Fanny Crosby e Frances Havergal possam ter sido familiares para Civilla Martin, sua composição é distinta. Todos eles podem ter sido inspirados por uma passagem comum das Escrituras, I Pedro 5: 7: “Lançando todo o seu cuidado sobre ele; porque ele cuida de você ”(KJV). Além disso, escritores de textos de hinos evangélicas muitas vezes tomavam frases emprestadas uns dos outros como pontos de partida para o seu próprio trabalho. Como muitas músicas desse gênero, a frase-chave “Deus cuidará de você” e sua variante “Ele cuidará de você” são cantadas frequentemente. Neste caso, se você cantasse as quatro estrofes e o refrão, você cantaria o título vinte vezes!

Fonte: https://www.umcdiscipleship.org/resources/history-of-hymns-god-will-take-care-of-you

sexta-feira, 18 de maio de 2018

MUSICAL - “DÁ-NOS A RELIGIÃO DOS VELHOS TEMPOS”


Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome. (Hebreus 13:15)

O Musical “Dá-nos a Religião dos Velhos Tempos”, evento realizado pela Comunhão Universitária Evangélica (COMUNIE), faz um resgate de 500 anos de música evangélica, destacando a importância histórica, riqueza teológica e valor devocional de suas letras e principais compositores. 
A importância do canto congregacional norteará a execução das quase 20 canções do repertório, descaracterizando o status de apresentação, para dar lugar a um verdadeiro culto a Deus. Polifonia vocal, simplicidade de instrumentos, comentários históricos e vídeos devocionais darão o tom do evento.  
De Lutero aos dias atuais, a história de compositores e suas canções refletem sentimentos e experiências com Deus, que servirão de fonte inspiradora para o louvor em nossas igrejas hoje.  
Características da “Religião dos Velhos Tempos” serão evocadas nas entrelinhas das canções, o que trará aos ouvintes uma oportunidade de autoanálise e confrontamento pessoal, no que diz respeito à espiritualidade e caminhada cristã. 
Beleza com simplicidade... Alegria com sobriedade... Coragem com mansidão... Sentimentos às vezes contraditórios serão despertados nos corações dos que estiverem presentes, pois a Música tem este poder!
Fabiano Santiago

O evento será realizado
em 24 de maio de 2018 às 19:30h



Hino Firmeza - Cantor Cristão No. 366



Hinos de firmeza espiritual


Edward Mote converteu-se aos 16 anos quando ouviu a pregação de John Hyatt. Quando entrou para a vida secular, colocou um negócio de marcenaria em Southwark, subúrbio de Londres, com seu próprio negócio. Como trabalhou com afinco e dedicação não tardou em ter muito sucesso, demonstrando um testemunho cristão honrado. Às vezes escrevia crônicas para periódicos de Londres. Com a pena afiada, dedicou-se também a poesias e a hinos. No ano de 1834 escreveu um dos mais belos hinos que hoje está no cantor cristão (HC 366), que expressava fé e confiança em Cristo. Através de sua narrativa somos colocados no clima de sua inspiração:
“Uma manhã, enquanto saía para o meu trabalho, veio à minha mente que devia escrever um hino sobre a experiência do cristão da graça do Senhor. Enquanto ia para Holbern, compus as palavras do estribilho:
A minha fé e o meu amor
Estão firmados no Senhor,
Estão firmados no Senhor. 
Durante o dia completei quatro estrofes e as escrevi.”
Num pedido de visita inesperado no domingo, Mote foi levado a casa de um membro da Igreja cuja esposa estava severamente doente. O que se apressou a fazer na tarde daquele dia. O sr. King, aquele que o convidara, o recebeu de braços abertos, pois sabia que a visita de um cristão fiel era sempre um bom remédio para atenuar as dores da enfermidade. Na ocasião, foi-lhe pedido que fizessem um “pequeno culto”, com cântico, leitura da Palavra e oração. O mais inusitado foi que esquecera seu hinário em casa, de modo que propôs algo um pouco diferente do convencional:
“Eu disse: ‘Tenho uns versos aqui no meu bolso, se quiser, podemos cantá-los’. Assim fizemos. Sua esposa gostou tanto do hino que pediu que deixasse uma cópia com ela. Depois do culto da noite, fui para casa e escrevi mais duas estrofes. Levei-as depois para aquela irmã. Estes versos foram tão bem ao encontro das necessidades daquela irmã moribunda, que mandei imprimir 1.000 cópias para distribuição. Enviei uma cópia a Spiritual Magazine (Revista Espiritual), sem assiná-la”
Edward Mote ainda escreveu mais de cem textos de hinos durante a sua vida. Muitos dos quais foram incluídos na coleção Hymns of Praise, A New Selection of Gospel Hymns, Combining All the Excellencies of Our Spiritual Poets, With Many Originals publicada por ele em 1836.
A letra do hino My Hope Is Built on nothing less than Jesus blood and righteousness foi escrito em 1834, e Mote deu-lhe o título: “A Experiência Gratificante de um Cristão”. O hino completo consistiu originalmente de seis estrofes.
Mote pastoreou sua Igreja por mais de duas décadas. Devido a uma enfermidade teve que deixar o ministério e em aproximadamente um ano foi elevado à glória por Aquele que o chamou. Mas, ele deixou uma mensagem antes de morrer: “As verdades que tenho pregado, eu as estou vivendo. Servirão muito bem para morrer, também”.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Harpa Cristã Hino 316 Em Busca de Sião de Frida Vingren

Frida: vida de sensibilidade e inspiração


Missionária sueca, Frida Vingren deixou seu país de origem para se dedicar ao trabalho de evangelização no Brasil. Casou-se com Gunnar Vingren, pioneiro da Assembleia de Deus no Brasil. Teve seis filhos e muitas realizações: era redatora do jornal da Igreja, administrava o trabalho enquanto seu esposo se ausentava, organizava as escolas dominicais e lecionava como professora dessas escolas. Além disso, foi responsável pela composição de 23 belas canções (hinos) que fazem parte da Harpa Cristã.
Alguns dos seus belos hinos são: o “Já achei uma flor gloriosa” (196 HP), “Quem sua mão no arado já pôs” (394 HP), “Bem-aventurado o que confia” (126 HP) e muitos outros. Compôs e traduziu ainda mais 35 hinos dos quais alguns nem entraram na Harpa. Pela feitura de suas letras, percebemos um toque de inspiração divinal, cheia da presença de Deus e da iluminação do Espírito Santo. Hinos como os dela trazem alento para alma, quietude e gozo para o espírito e uma profunda reverência a Deus.
Gerações passaram desde a morte de Frida, mas sua memória e seus hinos continuam sendo cantados em muitos templos pelo Brasil a fora. Queira Deus que sempre esteja presente o mesmo sentimento de piedade e honra que fizeram e farão com que estes hinos rompam anos, décadas e séculos, cantados por uma Igreja que anela profundamente a volta do Rei Jesus como ela assim o fez.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

HARPA CRISTÃ - 149 - CANTO DO PESCADOR de Paulo Leivas Macalão

Zelo doutrinário na composição de hinos


O pastor Paulo Leivas Macalão, destacado como o “Apóstolo” do Século 20, é considerado um dos maiores líderes Assembleia de Deus no Brasil. Seu trabalho demonstrou firmeza e comprometimento com a causa do Mestre; sua reputação honrosa e irrepreensível permitiu adquirir o mérito de poucos. Foi um grande e verdadeiro servo de Deus.
O pastor Macalão, além do trabalho ministerial, trabalhou na composição e adaptação de mais de duas centenas de hinos da Harpa Cristã. Já que sua mãe tocava piano, Paulo herdou o gosto pela música, aprendendo a tocar violino.
Trabalhou durante 52 anos no ministério pastoral. Tinha uma alma privilegiada e elevada, cheia de inspiração, razão pela qual quase metade dos hinos da Harpa Cristã (hinário assembleiano) são de sua autoria, entre os traduzidos e os de próprio punho (188 hinos com letras traduzidas e 56 de autoria dele). Foi ele o responsável pela formação da primeira banda musical da Assembleia de Deus no Rio de Janeiro.

terça-feira, 15 de maio de 2018

My Saviour First Of All (hymn) - Fanny J. Crosby

A voz do coração


Oh, que alma feliz eu sou,
embora eu não possa ver!
Estou decidida que neste mundo
satisfeita eu serei
F.J.Crosby

Francis Jane Crosby escreveu mais de 9.000 hinos, alguns dos quais estão entre os mais populares em todas as denominações cristãs. Eram tantos hinos que sobrepujavam em muito os demais autores. E, para a maioria das pessoas, a coisa mais notável sobre ela era ter composto apesar de sua deficiência, a cegueira.
“Eu acho que é uma pena que o Mestre não tenha dado a visão quando ele derramou tantos outros dons em você”, observou certo pregador. Mas será que a fluência e a percepção que lhes permitiram o ilustre feito de compor tão belas canções não teria sido afetada pela saúde?
Fanny Crosby respondeu imediatamente, pois já ouvira esses comentários antes. “Você sabe que se ao nascer eu tivesse sido capaz de fazer uma petição, teria sido que eu fosse cega?”, disse a poeta, que só pôde ver suas primeiras seis semanas de vida. Mas ela se justificou, ao dizer: “Porque quando eu chegar ao céu, o primeiro rosto que alegrará minha vista será a do meu Salvador”.
Nascida em Putnam County, Nova York, Crosby ficou doente dois meses após vir ao mundo. Infelizmente, o médico da família estava ausente, e outro homem - fingindo ser um médico certificado - tratou-a prescrevendo cataplasmas de mostarda para serem aplicados em seus olhos. Sua doença acabou cedendo, mas o tratamento a deixou cega. Quando o médico foi revelado como um charlatão, ele desapareceu. Alguns meses depois, o pai de Crosby morreu. Sua mãe foi forçada a encontrar trabalho como empregada doméstica para sustentar a família e Fanny foi criada principalmente por sua avó cristã.
Seu amor pela poesia começou cedo - seu primeiro verso, escrito aos 8 anos, ecoou sua recusa vitalícia a sentir pena de si mesma:
Oh, que alma feliz eu sou,
embora não possa ver!
Estou decidida que neste mundo
contente eu serei.
Quantas bênçãos eu gozo
Que outras pessoas não gozam,
De chorar e suspirar porque eu sou cega
Eu não posso, e eu não vou!
Enquanto ela gostava de sua poesia, ela memorizou zelosamente a Bíblia. Memorizando cinco capítulos por semana, mesmo quando criança ela podia recitar o Pentateuco, os Evangelhos, Provérbios, o Cântico de Salomão, e muitos salmos, capítulo e verso.
O trabalho duro de sua mãe valeu a pena. Pouco antes de seu décimo quinto aniversário, Crosby foi enviada para o recém-fundado Instituto de Nova York para cegos, que seria sua casa por 23 anos: 12 como estudante, 11 como professora. Inicialmente ela se entregou à sua própria poesia e foi convocada para escrever versos para várias ocasiões. Com o tempo, a diretora pediu a ela que evitasse tais “distrações” em favor de sua instrução geral. “Não temos o direito de ser vaidosos na presença do proprietário e criador de todas as coisas”, disse ela.
Foi o trabalho de uma frenologista itinerante (pessoa que estuda a forma e as irregularidades do crânio para insights sobre o caráter e a capacidade mental) que mudaram a mente da escola e novamente acendeu sua paixão. Embora seu estudo seja agora o ridículo da ciência, as palavras do frenologista se provariam proféticas: “Aqui está uma poetisa. Dê a ela todo encorajamento possível. Leia os melhores livros para ela e ensine a ela o que há de melhor em poesia. Você ouvirá esta jovem senhora algum dia”.
Não demorou muito. Aos 23 anos, Crosby estava se dirigindo ao Congresso e fazendo amizades com os presidentes. Na verdade, ela conhecia todos os principais executivos de sua vida, especialmente Grover Cleveland, que serviu como secretário do Instituto para os Cegos antes de sua eleição.
Outro membro do instituto, o ex-aluno Alexander van Alstine, casou-se com Crosby em 1858. Considerado um dos melhores organistas de Nova York, ele escreveu a música para muitos dos hinos de Crosby. Crosby colocou a música em apenas alguns de suas composições, embora tocasse harpa, piano, violão e outros instrumentos. Mais frequentemente, os músicos vieram até ela para que produzisse as letras para suas canções. Por exemplo, um dia o músico William Doane visitou sua casa para uma visita surpresa, implorando a ela que colocasse algumas palavras em uma música que ele havia recentemente escrito e que ele iria apresentar em uma próxima convenção da Escola Dominical. O único problema era que o trem para a convenção estava saindo em 35 minutos. Ele sentou-se ao piano e tocou a melodia.
“Sua música diz, ‘Seguro nos Braços de Jesus’”, disse Crosby, rabiscando as palavras do hino imediatamente. “Leia no trem e se apresse. Você não quer se atrasar!” O hino se tornou um dos mais famosos de Crosby.
Embora ela estivesse sob contrato para enviar três hinos por semana para sua editora e frequentemente escrevesse seis ou sete por dia (por um dólar ou dois cada um), muitos se tornaram incrivelmente populares. Quando Dwight Moody e Ira Sankey começaram a usá-los em suas cruzadas, eles receberam ainda mais atenção. Entre eles estão “Garantia abençoada”, “Todo o caminho meu Salvador me conduz”, “A Deus seja a glória”, “não me passe, ó gentil salvador”, “seguro nos braços de Jesus”, “resgate o que perece” e “Jesus me mantenha perto da cruz”.
Ela poderia escrever hinos muito complexos e compor música com uma estrutura mais clássica (ela poderia até mesmo improvisar), mas ela preferiu escrever versos simples e com emoção que poderiam ser usados ​​para evangelismo. Ela continuou a escrever sua poesia até a morte, um mês e meio de seu nonagésimo quinto aniversário. “Você vai chegar à beira do rio, nalgum doce dia, até logo e até logo”, foi sua última estrofe.



Ye Servants of God, Your master proclaim

Ouça o hino de Charles Wesley, "Ye servants of God, Your Master Proclaim":



segunda-feira, 14 de maio de 2018

A Era Dourada dos hinos cristãos


Charles Wesley escreveu 8.989 hinos cristãos. Charles era tão fluente e inspirado na sua poesia musical que se computarmos suas estrofes e refrãos chegaremos a uma média de 10 linhas escritas por dia durante 50 anos para completarmos seu acervo. Charles e John Wesley publicaram 56 coleções de hinos em 53 anos.  
Quando Charles voltou para Oxford, advindo de sua viagem à América, tomou a maior de todas as decisões: reconheceu que seus compromissos religiosos careciam de uma fé simples em Cristo para cumprir o verdadeiro cristianismo. Atitude que o impulsionou a fazer a profissão de fé em 21 de maio de 1738. Neste dia, ele abriu sua Bíblia no Salmo 40:3 e leu: “Ele colocou uma nova canção em minha boca; muitos verão e temerão e confiarão no Senhor”.  
Charles era um exímio pregador ao ar livre de modo que se dirigia a multidões de 10.000 e 20.000 pessoas. Ele experimentou oposição considerável, às vezes de multidões que arremessavam pedras. De fato, seu conhecido hino “Ye Servants of God, your Master Proclaim” foi escrito para ser cantando “em tumulto”.
Charles Wesley rapidamente ganhou admiração por capacidade de capturar a experiência cristã universal em versos memoráveis. No século seguinte, Henry Ward Beecher declarou: “Eu preferiria ter escrito o hino de Wesley, “Jesus, Amante da Minha Alma”, do que ter a fama de todos os reis que já se sentaram na terra. O compilador do Dicionário de Hinologia, John Julian, concluiu que “Talvez levando em consideração a quantidade e qualidade, Charles Wesley era o maior escritor de hinos de todas as eras”.

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Aborto e a saúde pública

O sofrimento cristão


Com a prédica do bem estar social, proclamada através de políticas públicas em alguns segmentos da sociedade, incorporada também sob outro formato (teologia da prosperidade) pelos movimentos cristãos modernos, há quem esteja esquecendo de um dos valores fundamentais do Cristianismo: o sofrimento.
Sofrer para causar danos ou humilhação não seria a indicação precisa do que significa sofrimento no contexto cristão. Precisamos entender que há um porquê no sofrimento, não necessariamente uma causa absoluta, visto que muitos associam o sofrimento estritamente a consequências de pecados, coagindo o “sofredor” a afirmar que sua situação é resultado dos seus maus feitos. Isto pode acontecer em casos específicos como efeito de uma má escolha, de uma conduta reprovável, de uma insistência numa ação pecaminosa nas quais a disciplina divina vem para levar o delituoso ao arrependimento.
Por outro lado, o cristão piedoso pode sofrer bastante, muito embora não haja um motivo específico que o tenha inserido naquela situação. Por qual razão? Sofrimento é refinamento e também desprendimento. Quanto mais o crente for levado pelos ventos da dor, maior será sua busca pelo Senhor. Maior será seu desejo de conhecer e prosseguir em conhecer aquele que é a fonte de todo o alívio, aquele que é escudo e fortaleza. Ao entender sob este prisma a questão do sofrimento, percebamos como a espiritualidade é exaltada. É nesse caminho que o crente cresce espiritualmente alcançando uma dimensão imensurável para a glória de Deus. O desprendimento, também uma finalidade espiritual, provoca uma reação de “repulsa” ao materialismo, ao temporário, ao efêmero para dar lugar e privilégio aos bens duráveis contidos na eternidade. Desapegar é saber discernir o valor do que realmente é significativo para a carreira espiritual, aplicando o olhar objetivo do cristão naquilo que é ulterior à vida.
Claro que não podemos nos eximir de nossa vida terrena, entretanto, precisamos vivê-la pensando e pautando nossa conduta na esperança cristã, pois lá veremos como somos de fato e o veremos face a face. A. W. Tozer disse certa vez: “Deus permitiria profunda dor naquele que usaria poderosamente! ”.         

terça-feira, 8 de maio de 2018

Argumentos contra o aborto - não ao aborto

Entrevista de Ives Gandra da Silva Martins por
Augustus Nicodemus (parte)