O Jornal Tocha da Verdade é uma publicação independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Homenagem ao João pela passagem de seu aniversário



Em 2014 ele nasceu,
Não sabia o que viria,
Tetralogia de Fallot,
APLV, Autismo ou apraxia?

Isaías já dizia
Que Deus é o oleiro
Ele quebra o vaso antigo,
Molda e o refaz,
Transformando em vaso novo,
Conforme Sua vontade,
Que é sempre boa e eficaz!

João é ferramenta
Nas mãos de um Deus santo
Trabalho, birra e berreiro
Nos fizeram aprender tanto
Assim quis o Grande Oleiro!

Ele quebra o vaso velho,
Parece uma enrascada,
E constrói um vaso novo
Dói um pouco ser moldada
mas o resultado é garantido,
e pode ser sentido,
Não é à toa que fui quebrada.

O vaso novo ficou vazio
de orgulho, egoísmo e vanglória
mas Deus o encheu com seu tesouro,
o conhecimento de sua Glória.

Felicidade na tribulação?
Parece  algo sem razão
Mas isso eu tenho visto,
É obra de Jesus Cristo!

Obrigada, Deus perfeito
Por essa grande alegria
O que em 5 anos  ensinou,
Em dez não aprenderia.

O vaso novo é mais bonito, é fruto da tua ação
Não tenho do que reclamar, é perfeita a tua mão!

Derramou tanto amor,
Que não tenho explicação,
Talvez ajude dizer
Que entre um parto e outro
Relembro o sorriso do João.


Por Márcia Davila (mãe)

domingo, 15 de setembro de 2019

Parceria com a Editora Carisma



Em breve, nossa banquinha (stand dentro do templo da Igreja Batista Renovada Moriá) estará disponibilizando outras literaturas da Editora Carisma. A Editora Carisma vem assumindo papel de destaque entre o segmento editorial brasileira publicando livros sobre o pentecostalismo clássico, nos quais encontramos vasta argumentação sobre a atualidade do batismo no Espírito Santo e dos dons, assim como um profundo trabalho de pesquisa histórico cujos resultados possibilitaram ao leitor conhecer um maior número de movimentos que reivindicaram a promessa do Espírito. Percebe-se pelo conteúdo e pelo volume de cada livro o compromisso que o pastor Renato Cunha, diretor da editora Carisma, abraçou ao oferecer conhecimento sobre o pentecostalismo, suprindo uma lacuna há muito detectada entre as editoras do Brasil que não mais buscavam literaturas com o viés de renovação espiritual carismática.

Aguarde...
Alguns títulos são apresentados abaixo para conhecimento dos pretendentes:     
PRÓLOGO
CAPÍTULO 1 - UMA ANÁLISE TEOLÓGICA DO PENTECOSTALISMO
Em busca de um padrão comum 
Dois padrões em conflito 
O padrão comum do pentecostalismo quadrangular
A hermenêutica pentecostal 
O movimento da “Chuva Serôdia” 

CAPÍTULO 2 - AS RAÍZES METODISTAS DO PENTECOSTALISMO 
A conexão Metodista 
O motivo primitivista em Wesley 
John Wesley: um teólogo do Espírito 
Wesley e os dons do Espírito 
A soteriologia de Wesley 
Perfeição cristã versus batismo no Espírito Santo 
A divisão crucial 

CAPÍTULO 3 - O AVIVAMENTO NORTE-AMERICANO DA PERFEIÇÃO CRISTÃ
O surgimento do Movimento de Santidade 
Novas correntes teológicas 
O Surgimento do imaginário pentecostal 
A Mudança para a retórica pentecostal 

CAPÍTULO 4 - O  TRIUNFO DA DOUTRINA PENTECOSTAL DO BATISMO DO ESPÍRITO
A mudança para a santificação Pentecostal Fletcher revivido 
“Poder” ou “Santidade”? 
O ensino das “três bênçãos”
A doutrina avivalista do “batismo do Espírito Santo” 
O Movimento de Keswick 
Os últimos precursores: Simpson e Gordon 

CAPÍTULO 5 - O SURGIMENTO DO MOVIMENTO DE CURA DIVINA
Wesley e a cura divina 
A influência do Pietismo
Desenvolvimento na Inglaterra e na América 
“Cura pela fé” 
“Cura na expiação” 
Outras considerações 
Discordâncias na “Holiness Association” 

CAPÍTULO 6 - O SURGIMENTO DO PRÉ-MILENISMO
Influências puritanas e pietistas 
Wesley versus Fletcher
Correntes milenistas nos avivamentos 
Profético versus apocalíptico 
Uma visão em mutação 
Pré-milenismo no Movimento Santidade 

EPÍLOGO - O SURGIMENTO DO PENTECOSTALISMO



Prefácio

Introdução 
Recuperando a história do cristianismo carismático 
Qual é a diferença? 
Crescimento fenomenal 
O desafio da legitimidade histórica 
O caminho para a recuperação histórica 

Capítulo 1
A igreja apostólica 
Cargos ou funções? 
Obras maiores ou menores? 2

Capítulo 2
A igreja antenicena 
Irineu de Lyon 
Tertuliano 
Orígenes 
Novaciano 
Cipriano 
Outros relatos da igreja primitiva 
Conclusão 

Capítulo 3
O declínio dos dons espirituais e a primeira Renovação Carismática 
O institucionalismo e os bispos 
Montano 
Montanismo: heresia ou cristianismo bíblico? 
Os toques finais 

Capítulo 4
O Impacto da conversão de Constantino no aspecto carismático da Igreja 
Fusão entre Estado e Igreja 
A religião exclusiva do Estado 
Adoção do modelo político romano 
Surgimento das batalhas doutrinais


Capítulo 5
Monasticismo: o surgimento de outro Movimento Carismático 
Antão 
Pacômio
Atanásio
Hilarião 
Ambrósio
Jerônimo
Agostinho
Bento de Núrsia 
Gregório Magno 
Conclusão 


Capítulo 6
Desenvolvimento interno do monasticismo e a igreja institucional 
Extremismos monásticos e misticismo 
Os milagres e a expansão missionária 
Santos ou feiticeiros? 
O Misticismo medieval era um modelo de espiritualidade? 


Capítulo 7
A renovação monástica 
Bernardo de Claraval 
Hildegarda de Bingen 
Domingos de Gusmão
Francisco de Assis 
Vicente de Ferrier 
Mais evidências 


Capítulo 8
Os cátaros 
O consolamentum 
Hereges ou heróis da fé?


Capítulo 9
Os valdenses 
Pedro Valdo 
Rejeição e perseguição 
Cristianismo neotestamentário
Cura divina 
Igualdade no ministério 
Conclusão 

Capítulo 10
Martinho Lutero e a Reforma 
Lutero e os milagres 
Lutero e a autoridade
Lutero e o dom profético
Lutero e a cura divina 
Johannes Brenz 
Lutero e o cessacionismo 
Bem-vindo, Espírito Santo!

Capítulo 11
Os anabatistas 
Os tais “reformadores radicais” 
O batismo do crente 
A iluminação das Escrituras 
A profecia como ministério de todos os crentes 
Exageros carismáticos e proféticos 
Pilgram Marpeck 
Menno Simmons 
O legado anabatista 

Capítulo 12
Os profetas franceses
Uma unção profética 
Falando em línguas 
Os camisards 

Capítulo 13
George Fox e os Quakers 
George Fox 
A batalha entre os símbolos externos e a luz interior 
Perseguição 
Os fenômenos carismáticos 
Conclusão 

Capítulo 14
O avivamento moraviano 
Conde Zinzendorf 
Em fervente oração
Um derramamento 


Capítulo 15
O avivamento metodista 
Fenômenos espirituais extraordinários 
Acusado de entusiasmo 
Falando em línguas 
Uma segunda obra da graça 
John Fletcher 


Capítulo 16
O grande despertamento (1726-1750) 
Jonathan Edwards 
George Whitefield 


Capítulo 17
O segundo Grande Despertamento (1800-1840) 
O avivamento na Costa Leste 
O avivamento em Kentucky 
Barton Stone e o avivamento de Cane Ridge 
Conclusão 


Capítulo 18
Edward Irving e a igreja católica apostólica 
O dom do Espírito Santo 
Um surto carismático na Escócia 
Eventos em Londres 
O sinal permanente 
Conclusão 


Capítulo 19
Os precursores do Movimento Pentecostal/Carismático no século 19 
Pheobe Palmer 
Charles Finney 
A. J. Gordon 
Dwight L. Moody 
Reuben A. Torrey 
Línguas e linguagem pentecostal 


Capítulo 20
Charles Parham e a Escola Bíblica Bethel (Bethel Bible College) 
A busca 
Escola Bíblica Bethel em Topeka, Kansas 
O derramamento 
A Importância da Escola Bíblica Bethel 
Parham era racista? 

Capítulo 21
William Seymour e o Avivamento da Rua Azuza 
O chamado para Los Angeles 
Oração 
O Espírito Santo e a liderança 
O caráter inter-racial 
Um fenômeno mundial 

Capítulo 22
Parham e o avivamento de Zion City 
Os problemas em Zion City 
“Até que o Reino venha” 
A conexão da cura divina 
Segadores empurrados à colheita 
Marie Burgess Brown 
F. F. Bosworth 
John G. Lake 
Conclusão 

Capítulo 23
A mensagem se espalha pelo mundo 
Índia 
América do Sul 
Europa 
China 
Proliferação 

Capítulo 24
Desenvolvimentos posteriores no Pentecostalismo 
O pacto da última chuva 
A tendência ao denominacionalismo 

Capítulo 25
O Avivamento de Cura 
Oral Roberts 
A voz da cura 
T. L. e Daisy Osborn 
Conclusão 

Capítulo 26
A segunda chuva de avivamento 
O derramamento na Faculdade Bíblica de Sharon 
A importância de Sharon 
Crescimento e oposição 

Capítulo 27
O Movimento Carismático 
Dennis Bennet e a renovação protestante 
O Movimento Carismático Católico 
Ecumenismo e cismas 
O problema da autoridade 

Capítulo 28
A Terceira Onda 
John Wimber e a vinha 
Diferenças doutrinais 

Capítulo 29
A última década do século XX 
A bênção de Toronto 
Divisões devido às manifestações 
O avivamento de Pensacola 
Divisões em Pensacola 
O vaivém do avivamento 
O problema das manifestações 
Tendências nas instituições 
O movimento de convergência 
As novas igrejas apostólicas 
A vanguarda da Igreja hoje 
Conclusão: Batalhando pela fé 
Na periferia? 
Os guardiães da verdade 

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Uma reflexão sobre o estudo da História da Igreja


Por Heberth Ventura

Há pessoas que desvalorizam o estudo da história da igreja por aceitarem, consciente ou inconscientemente, o equivocado pensamento de que o conhecimento histórico não é importante para sua vida cristã. É para esse grupo em específico que queremos nos dirigir.
Há razões para se dedicar pelo menos em um momento da nossa existência ao estudo das nossas raízes, registradas no passado. Mas alguém dirá, afinal por que estudar história da Igreja?
É oportuno nesse primeiro momento informar que há muitas razões que demonstram o alto valor de conhecer a história em seu sentido amplo, incluindo claro a do cristianismo. Uma das primeiras razões mais citadas é de que o cristianismo é essencialmente uma fé histórica.
Conforme afirmou Carlos Astorga: “A fé cristã repousa em fatos históricos específicos que possuem valor e transcendência eternos.”
No entanto, objeções a essa visão foram levantadas. Astorga nos transmite a razão para tais questões: “Ao longo dos séculos, os críticos do cristianismo têm procurado atacar, refutar e negar a realidade histórica (a ‘historicidade’) de eventos como a criação, o chamado de Abrão, o reino de Davi e o nascimento, a morte e a ressurreição de Jesus. Por que é tão importante para os não-cristãos negar esses eventos? O motivo é simples. Se esses eventos são historicamente falsos, o cristianismo também é falso.”
Fica claro que o que foi dito é sim importante. Abaixo gostaria de compartilhar um texto na íntegra sobre esse assunto. Que essa reflexão possa inspirá-lo a buscar conhecer, compreender e vivenciar o cristianismo tal como nos apresentou os apóstolos e o nosso Senhor Jesus Cristo. Portanto, estudemos a história da igreja.



quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Congresso de Jovens - Aviva o dom que há em ti


O grande desafio da Igreja, ao longo dos anos, foi saber transmitir as verdades e as experiências bíblicas de forma consistente para a geração subsequente, principalmente, quando aquela geração que tinha por obrigação preparar adquiriu intensa comunhão com o Senhor. Em muitos movimentos emblemáticos e Protestantes a chama do fervor residiu apenas nos iniciadores da obra, lamentavelmente. A Idade Moderna parece ter feito sucumbir o despertamento dos pais nos filhos, levando a Igreja consequente a uma mera religiosidade, sem vida e sem a dinâmica do início.
Não restam dúvidas que qualquer movimento pode passar por ocorrências similares. No Brasil, algumas Igrejas evangélicas já não expressam o brilho de outrora. A chama pentecostal parece ter se apagado não deixando nem as cinzas do passado, em razão da substituição acelerada pelos modismos e liberalismo pelo qual passaram todas. A nova geração destas Igrejas não são parecidos com seus antepassados, nem querem, preferem a sintonia referendada pela apostasia que assume um papel sem que os néscios percebam sua presença.
         Lutando contra isso, a juventude Moriá, inflamada pelos seus diversos lideres, procura alcançar o que cada homem de Deus alcançou a fim de poderem representar a Sã Doutrina inspirados nos pilares fincados no Monte da abnegação e santificação. É notório o espírito de respeito e anelo por imitar quem os instruiu. Os jovens corações incendeiam a congregação, seja na oração, seja no canto e até mesmo na pregação. Esses jovens fazem os velhos crentes espirituais se lembrarem com prazer dos feitos passados e nos permitem sonhar com os despertamentos futuros através destes luzeiros brilhantes e cheios de azeite.
Desde ontem (04/09/2019), no templo da Igreja Batista Renovada Moriá, está acontecendo o Congresso de Jovens de 2019. Evento cujo objetivo maior é o despertamento espiritual de nossa juventude. Aliás, desde o pensamento inicial do congresso a chama de avivamento já queima seus espíritos para realização do evento. São eles que estão realizando esta obra para refinamento espiritual com seriedade, com devoção e procurando agradar ao Senhor em tudo. Não temos dúvidas de que o Senhor despertará muitos homens e mulheres de Deus para sua obra, porquanto é perceptível a unção do Altíssimo em suas vidas.
Amanhã será o último dia. Não perca. Será mais uma grande oportunidade para ser tocado pelas vozes joviais, cheias do Espírito, do futuro de Moriá.










terça-feira, 3 de setembro de 2019

Os Montanistas segundo John Driver



“Tinham (os Montanistas) em alta estima os ensinamentos de Cristo e dos apóstolos (em maior estima do que a igreja em geral a julgar por sua ética séria), mas não viam contradição em o Espírito Santo continuar falando à Igreja por meio de profetas. Sua seriedade ética foi o que trouxe Tertuliano ao movimento. Ele insistiu que o Espírito Santo (o Paracleto) vinha estabelecer uma nova disciplina (ou uma renovação da disciplina) e não uma nova doutrina. Ele chamava os Montanistas de ‘os homens do Espírito’.”  
John Driver

sábado, 31 de agosto de 2019

Curso sobre Imortalidade da alma na IBM em Caucaia

Instituto Pietista de Cultura e AV Cursos promovem mais um curso bíblico sobre Imortalidade da alma na Igreja Batista Moriá de Caucaia. Iniciado em 29 de agosto, o curso teve novo encontro nesta sexta (30/08) na capela e reuniu, até agora, pastores, irmãos da comunidade local e de outras igrejas. A ministração ficou sob a responsabilidade do prof. Henrique Ventura cuja profundidade nos assuntos provocou um maravilhoso despertamento entre os irmãos para uma busca pelas verdades da Bíblia. Segundo o pastor Diego Bruno o evento nestes primeiros dois dias: “Foi uma bênção, uma maravilha. Os irmãos saíram extremamente edificados, maravilhados, ficaram todos muito satisfeitos com o curso”. O curso teve tanto impacto sobre nossos irmãos que eles já estão se articulando com o professor Henrique para novos cursos, um sobre escatologia bíblica e outro sobre História da Igreja. O pastor Diego concluindo reforçou: “foi uma satisfação muito grande ter o prof. Henrique, o Heberth e a irmã Fátima para este curso intensivo”.
A Deus seja a glória!


















terça-feira, 20 de agosto de 2019

Estatuto da família do século 21


Tramita na Câmara Federal o PROJETO DE LEI N° 3.369, de 2015, cujo teor apresenta as novas formas de família. De autoria do Deputado Orlando Silva (PCdoB), o projeto foi analisado pela comissão de Direitos Humanos e Minorias, tendo como relator o Deputado Túlio Gadêlha, atual marido da apresentadora global Fátima Bernardes, que já manifestou voto a favor do projeto.
O texto é enfático: Busca a proposição em apreço instituir o Estatuto das Famílias do Século XXI. Quem são as famílias do século XXI? Como versa o texto, são reconhecidas como famílias todas as formas de união entre duas ou mais pessoas que para este fim se constituam e que se baseiem no amor e na socioafetividade, independentemente de consanguinidade, gênero, orientação sexual, nacionalidade, credo ou raça, incluindo seus filhos ou pessoas que assim sejam consideradas. Segundo o relator do projeto, a visão de que a família deveria ser considerada apenas como a união de um homem e de uma mulher, por meio de casamento, é ultrapassada. Nas suas palavras, discordamos frontalmente de tal visão retrógrada, que não se coaduna com a nova realidade das relações familiares, baseadas em premissas de igual respeito e consideração, bem como reconhecedora da heterogeneidade e da diversidade das formas de organização familiar.
Tomando como base as convicções cristãs, o amor autêntico traz em sua essência Deus, pois Deus é amor (I João 4:7). Quem julga ter alcançado o amor, que é uma dádiva divina, tende a voltar-se inteiramente à vontade de Deus, como escrito está: “Mas qualquer que guarda a sua Palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos n’Ele” (I João 2:5). Neste contexto, a unidade familiar instituída pela vontade de Deus nas Escrituras está limitada àquela na qual participam homem e mulher, trazendo a possibilidade de gerar um crescimento pleno para todos os integrantes da mesma. Fugir a esse padrão coerente, já que a proposta bíblica é apresentar o homem como o provedor e protetor da família, enquanto a mulher cuidaria dos laços de afetos para que todos cooperassem entre si, não parece ser uma boa ideia. Entretanto, o pensamento humano, representado por estes articuladores de projetos, não compartilha com os institutos bíblicos, levando-nos a compreender o rompimento com a moral cristã já visto desde alguns anos entre outras propostas. Esse rompimento, entretanto, pode gerar um prejuízo para o próprio ser humano, visto que ele tem se apresentado como aventureiro em muitas áreas da vida, procurando caminhos cada vez mais extravagantes, deixando a coerência e a racionalidade, muitas vezes, de lado para voltar-se para suas paixões (aquilo que anseia seus corações).
Apesar de poder gerar um debate jurídico, o projeto abre precedentes também para o casamento poligâmico. Um sério problema, se analisarmos pela ótica cristã que classifica a ação como pecaminosa. E agora, diante de tantas inovações que ferem as sagradas convicções cristãs, o que esperar? A volta de Cristo que é iminente e está ainda mais próxima. Prepara-te Igreja, pois teu Senhor está às portas e virá como ladrão na noite.         

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Cruzada em Maracanaú


Perseverando até o arrebatamento


A caminhada cristã não é fácil. Unir crentes dentro de um mesmo propósito também não, principalmente neste tempo no qual a apostasia transita em muitas igrejas evangélicas, gerando novas concepções, desvios do paradigma apostólico e servindo de instrumento de sedução para quem não está bem convicto das verdades cristãs. Não é difícil vermos movimentos que rejeitaram muitos dos princípios morais da Bíblia, por isso abandonaram a simplicidade do Evangelho pelo apego às vaidades, aceitaram a lascívia, a prostituição, as irreverências de filhos aos pais, enfim, comportaram dentro de seu contexto um comportamento contrário ao que foi deixado pelo Senhor. Apesar do mal testemunho dessas muitas vertentes tidas como cristãs, Moriá continua pelejando pela boa e genuína fé.
Um exemplo objetivo deste jeito batalhador de ser é a congregação da Igreja Batista Renovada Moriá do Siqueira cujo trajeto foi marcado por grandes desafios e provações, mas como sua membresia optou pela resiliência resistiu diante das adversidades. Como consequência, neste final de semana celebramos mais um ano de existência da congregação. Foram dias de grande alegria para todos os que se reuniram ao longo da programação que teve seu início na sexta e findou no domingo. Muitos irmãos de outras congregações de Moriá se uniram ao grupo do Siqueira, atualmente, sob a liderança do Evangelista Maurício Nascimento, que substitui o irmão Francisco das Chagas temporariamente. Vivemos experiências gloriosas no templo da congregação com cânticos que tocaram a alma e despertaram um sentimento de maior apreço pelo dia tão aguardado pelo povo de Deus: o arrebatamento. Na mesma linha, as pregações serviram ao seu propósito, abrindo a possibilidade de entendimento para os visitantes descrentes. Após o evento, o Evangelista Maurício agradeceu pelo forte apoio recebido por todos.
Um grande e fraterno abraço a todos os membros da Congregação do Siqueira.


Pr. Heládio Santos

Presbitério de Fortaleza















sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Renovação espiritual no I Encontro sobre Grupos Familiares e Avivamento Espiritual

Às vezes, quando somos tomados por Deus conseguimos expressar um pouco da experiência, outras vezes não. O impacto da presença nos faz ora como um rio de águas vivas ora como um sacerdote diante do altar emudecido em razão da refulgente glória contemplada. Não obstante, os efeitos da visitação do Altíssimo são percebidos em todos os que provaram do manancial ofertado. Seja pelo semblante desejoso de mais, seja noutro contristado ou ainda em muitos cheios de alegria. A experiência gera grandes expectativas para sonhar com as muitas promessas que são possíveis na vida de um cristão digno. Basta aprendermos das Escrituras, se é que não sabemos, para ousamos tocar o invisível e o Absoluto, Fonte de todo o bem, a fim de que sejamos instrumentos para sua glória e participantes de tão apreciável virtude divina. Somos canais do Deus tremendo, Jeová Jiré, para que o mundo e a Igreja veja Deus através de nós. Esse é o objetivo destinado a Igreja: ser porta voz do Reino de Deus em sua plenitude.
Igreja é a noiva de Cristo, separada do jeito mundano de ser para se adornar com os divinos dons espirituais, exalando o bom perfume de Cristo. Santidade e poder se associam neste momento. Um possibilita e dinamiza o outro. Criam um vínculo de dependência para um melhor desempenho da função na qual cada cristão foi colocado no Corpo de Cristo. Na prática, esse desempenho se apresenta na evangelização para o mundo e na reunião de casa em casa para a Igreja, mas não obrigatoriamente assim, pois Deus utiliza os seus de muitas formas e maneiras. Contudo, é no ajuntamento dos cristãos em casa que a manifestação espiritual se torna ainda mais possível. Nos grupos familiares há muitos sacerdotes de Deus, homens e mulheres, adultos e crianças, velhos e jovens, cujos corações rendidos a Ele podem fazer jorrar com inspiração divina em suas almas os oráculos de Deus com profundidade. Não configura algo novo, como alguns podem pensar, mas o resgate do antigo renovado pela unção do alto para edificação do povo de DEUS. Os dons operam ainda hoje, muito embora “gênios” apáticos a essa realidade espiritual tentem a desmerecê-los com investidas frágeis desprovidas de paixão pelas evidências da vida plena no Espírito. O cessacionismo tem que se calar quando um enfermo é curado pela ordenação de um crente cheio do Espírito Santo, quando uma pessoa é libertada de um espírito maligno, quando o dom de profecia exorta, consola e edifica a Igreja. O dom de profecia não é uma formulação doutrinária nova, mas uma palavra oportuna para determinada situação restrita, capacitando os que se beneficiaram da mesma para saber que Deus cuida bem deles.
Por isso, e por muito mais, nesta quinta (15 de agosto) vimos Deus operar efusivamente no meio de sua Igreja no I Encontro sobre Grupos Familiares e Avivamento Espiritual, promovido pela Igreja Batista Renovada Moriá. Na abertura, todos rumamos para um só louvor e adoração. Em seguida, uma palavra graciosa do pastor Edimilson Alencar sobre a necessidade do grupo familiar se colocar em solo sagrado. Fez também várias visitas ao passado para demonstrar o comportamento da Igreja no início a fim de despertar os irmãos para as mesmas experiências e outras maiores. O irmão Gleisiano tomou a palavra após a conclusão do pastor não deixando a chama da expectativa baixar. Trouxe uma gloriosa palavra sobre as manifestações do Espírito nos Grupos Familiares. Em seguida, uma breve reunião de grupos foi iniciada para que os irmãos participassem efetivamente do evento. Algo maravilhoso. Para concluir, o pastor Glauco Barreira Magalhães Filho pregou sobre a atualidade dos dons nos grupos familiares aquecendo ainda mais o coração da Igreja. Uma noite memorável.
Na verdade, foi uma noite de restauração, de despertamento, de acreditarmos mais uma vez que todas as coisas são possíveis para Deus para assim nos sujeitarmos ao seu querer de bom grado e em santidade. Que os membros possam viver as experiências nos seus grupos, sabendo ouvir e falar, demonstrando paixão e temor, intensificando a comunhão com Deus e com os irmãos, promovendo a dependência no Altíssimo e se colocando como vaso de honra em sua casa.
Que o Senhor nos abençoe!