O Jornal Tocha da Verdade é uma publicação independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

IPC

IPC

terça-feira, 15 de maio de 2018

A voz do coração


Oh, que alma feliz eu sou,
embora eu não possa ver!
Estou decidida que neste mundo
satisfeita eu serei
F.J.Crosby

Francis Jane Crosby escreveu mais de 9.000 hinos, alguns dos quais estão entre os mais populares em todas as denominações cristãs. Eram tantos hinos que sobrepujavam em muito os demais autores. E, para a maioria das pessoas, a coisa mais notável sobre ela era ter composto apesar de sua deficiência, a cegueira.
“Eu acho que é uma pena que o Mestre não tenha dado a visão quando ele derramou tantos outros dons em você”, observou certo pregador. Mas será que a fluência e a percepção que lhes permitiram o ilustre feito de compor tão belas canções não teria sido afetada pela saúde?
Fanny Crosby respondeu imediatamente, pois já ouvira esses comentários antes. “Você sabe que se ao nascer eu tivesse sido capaz de fazer uma petição, teria sido que eu fosse cega?”, disse a poeta, que só pôde ver suas primeiras seis semanas de vida. Mas ela se justificou, ao dizer: “Porque quando eu chegar ao céu, o primeiro rosto que alegrará minha vista será a do meu Salvador”.
Nascida em Putnam County, Nova York, Crosby ficou doente dois meses após vir ao mundo. Infelizmente, o médico da família estava ausente, e outro homem - fingindo ser um médico certificado - tratou-a prescrevendo cataplasmas de mostarda para serem aplicados em seus olhos. Sua doença acabou cedendo, mas o tratamento a deixou cega. Quando o médico foi revelado como um charlatão, ele desapareceu. Alguns meses depois, o pai de Crosby morreu. Sua mãe foi forçada a encontrar trabalho como empregada doméstica para sustentar a família e Fanny foi criada principalmente por sua avó cristã.
Seu amor pela poesia começou cedo - seu primeiro verso, escrito aos 8 anos, ecoou sua recusa vitalícia a sentir pena de si mesma:
Oh, que alma feliz eu sou,
embora não possa ver!
Estou decidida que neste mundo
contente eu serei.
Quantas bênçãos eu gozo
Que outras pessoas não gozam,
De chorar e suspirar porque eu sou cega
Eu não posso, e eu não vou!
Enquanto ela gostava de sua poesia, ela memorizou zelosamente a Bíblia. Memorizando cinco capítulos por semana, mesmo quando criança ela podia recitar o Pentateuco, os Evangelhos, Provérbios, o Cântico de Salomão, e muitos salmos, capítulo e verso.
O trabalho duro de sua mãe valeu a pena. Pouco antes de seu décimo quinto aniversário, Crosby foi enviada para o recém-fundado Instituto de Nova York para cegos, que seria sua casa por 23 anos: 12 como estudante, 11 como professora. Inicialmente ela se entregou à sua própria poesia e foi convocada para escrever versos para várias ocasiões. Com o tempo, a diretora pediu a ela que evitasse tais “distrações” em favor de sua instrução geral. “Não temos o direito de ser vaidosos na presença do proprietário e criador de todas as coisas”, disse ela.
Foi o trabalho de uma frenologista itinerante (pessoa que estuda a forma e as irregularidades do crânio para insights sobre o caráter e a capacidade mental) que mudaram a mente da escola e novamente acendeu sua paixão. Embora seu estudo seja agora o ridículo da ciência, as palavras do frenologista se provariam proféticas: “Aqui está uma poetisa. Dê a ela todo encorajamento possível. Leia os melhores livros para ela e ensine a ela o que há de melhor em poesia. Você ouvirá esta jovem senhora algum dia”.
Não demorou muito. Aos 23 anos, Crosby estava se dirigindo ao Congresso e fazendo amizades com os presidentes. Na verdade, ela conhecia todos os principais executivos de sua vida, especialmente Grover Cleveland, que serviu como secretário do Instituto para os Cegos antes de sua eleição.
Outro membro do instituto, o ex-aluno Alexander van Alstine, casou-se com Crosby em 1858. Considerado um dos melhores organistas de Nova York, ele escreveu a música para muitos dos hinos de Crosby. Crosby colocou a música em apenas alguns de suas composições, embora tocasse harpa, piano, violão e outros instrumentos. Mais frequentemente, os músicos vieram até ela para que produzisse as letras para suas canções. Por exemplo, um dia o músico William Doane visitou sua casa para uma visita surpresa, implorando a ela que colocasse algumas palavras em uma música que ele havia recentemente escrito e que ele iria apresentar em uma próxima convenção da Escola Dominical. O único problema era que o trem para a convenção estava saindo em 35 minutos. Ele sentou-se ao piano e tocou a melodia.
“Sua música diz, ‘Seguro nos Braços de Jesus’”, disse Crosby, rabiscando as palavras do hino imediatamente. “Leia no trem e se apresse. Você não quer se atrasar!” O hino se tornou um dos mais famosos de Crosby.
Embora ela estivesse sob contrato para enviar três hinos por semana para sua editora e frequentemente escrevesse seis ou sete por dia (por um dólar ou dois cada um), muitos se tornaram incrivelmente populares. Quando Dwight Moody e Ira Sankey começaram a usá-los em suas cruzadas, eles receberam ainda mais atenção. Entre eles estão “Garantia abençoada”, “Todo o caminho meu Salvador me conduz”, “A Deus seja a glória”, “não me passe, ó gentil salvador”, “seguro nos braços de Jesus”, “resgate o que perece” e “Jesus me mantenha perto da cruz”.
Ela poderia escrever hinos muito complexos e compor música com uma estrutura mais clássica (ela poderia até mesmo improvisar), mas ela preferiu escrever versos simples e com emoção que poderiam ser usados ​​para evangelismo. Ela continuou a escrever sua poesia até a morte, um mês e meio de seu nonagésimo quinto aniversário. “Você vai chegar à beira do rio, nalgum doce dia, até logo e até logo”, foi sua última estrofe.



Nenhum comentário:

Postar um comentário