O Jornal Tocha da Verdade é um periódico trimestral independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Um pastor cheio do Espírito Santo


Amanheci o domingo sem forças físicas. Tomei o desjejum e comecei a orar. Havia, antes da Escola Bíblica Dominical, um reunião de oração. Foi poderosa. Terminada, fui a uma classe de moças. Seguia-se, então, o culto da manhã. Estava tão combalido que, me ajudaram a subir no púlpito. Uma vez no púlpito, senti forças de leão. Vinha pregando sobre II Crônicas 7:14. Nessa manhã pregaria sobre “E se converter dos seus maus caminhos”. Minha língua se transformou numa metralhadora e minha boca numa fornalha. Cuspia fogo por todo o lado. Falei com tamanha liberdade, com tanto poder e como tanta unção do Espírito, que não podia controlar. O templo estava repleto e a Igreja naquele dia foi sacudida pelo poder do céu. Encerrado o culto, fui para a casa pastoral que fica ao lado do templo. A casa se encheu de crentes que, ajoelhando-se clamavam: “Ó Deus, tem misericórdia de mim! Dá-me graça! Salva-me, Senhor!” e muitas outras expressões. Depois e por muitas semanas continuei recebendo telefonemas de membros da Igreja, pedindo para orar em favor deles, pois diziam nunca terem experimentado o novo nascimento. E a vida posterior dessas pessoas provou que não eram crentes reais. Marcamos uma reunião de oração para as segundas à noite e o templo ficava repleto. Até as crianças oravam, se derramando na presença do Senhor. Nunca mais chamamos o nome desta ou daquela pessoa para orar. Tudo era espontâneo. Nos domingos à noite o templo ficava à cunha e cadeiras eram postas para acomodar visitantes e cada domingo tínhamos muitas conversões. Crentes frios se despertaram e puseram seus carros ao serviço do Senhor. Tudo na Igreja mudou, até o tipo de mensagens que eu pregava; antes sermões acadêmicos, agora mensagens bíblicas que alimentavam o povo do Senhor. Passamos a cantar corinhos, a evangelizar de casa em casa, a orar muito e a viver a Palavra de Deus, na sua simplicidade e pureza para a glória de Deus.” (Tognini, Enéas. Renovação Espiritual no Brasil. São Paulo: 1984, pg. 17-17)

Nenhum comentário:

Postar um comentário