O Jornal Tocha da Verdade é uma publicação independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

c

c

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Anabatistas

Os anabatistas não são uma denominação. O nome é mais um título descritivo do que um nome organizacional. Nos dias dos apóstolos, havia a Igreja de Jesus Cristo, com um único corpo de doutrinas ensinado pelos apóstolos e seus sucessores. As várias igrejas locais pregavam arrependimento e confissão de pecados, juntamente com o batismo por imersão como sinal externo da nova vida em Cristo (Romanos 6: 3-4). Embora sob a autoridade dos próprios apóstolos quanto à doutrina, cada igreja foi governada de forma independente pelos líderes que Deus colocou neles. Não havia hierarquia denominacional nem distinção de “nós / eles” dentro das várias igrejas. De fato, Paulo repreendeu os coríntios por tais divisões (1 Coríntios 3: 1-9 ). Quando as disputas sobre a súbita doutrina surgiram, os apóstolos declararam o ensino de Deus com base nas palavras do Senhor e das Escrituras do Antigo Testamento. Durante pelo menos 100 anos, esse modelo permaneceu o padrão para todas as igrejas.
Começando em torno de 250 dC, com as perseguições intensas sob o imperador Décio, uma mudança gradual começou a acontecer com os bispos (pastores) de certas igrejas notáveis que assumiram uma autoridade hierárquica sobre as igrejas em suas regiões (por exemplo, a igreja de Roma). Enquanto muitas igrejas se renderam a essa nova estrutura, havia um número substancial de igrejas dissidentes que se recusavam a ficar sob a crescente autoridade dos bispos. Essas igrejas dissidentes foram chamadas primeiro de “puritanos” e são conhecidas por terem influenciado até a França no século III. À medida que a igreja organizada (católica) adotou gradualmente novas práticas e doutrinas, as igrejas dissidentes mantiveram suas posições históricas. O testemunho consistente da igreja durante os primeiros 400 anos de sua história foi administrar o batismo apenas aos que primeiro fizeram uma profissão de fé em Cristo. A partir de 401, com o quinto Conselho de Cartago, as igrejas sob o domínio de Roma começaram a ensinar e praticar o batismo infantil. Com o advento do batismo infantil, as igrejas separatistas rebatizavam aqueles que fizeram profissões de fé depois de serem batizados na igreja oficial. Neste momento, o Império Romano encorajou seus bispos a se oporem ativamente às igrejas dissidentes, e até mesmo aprovaram leis condenando-os até a morte. Os re-batizadores tornaram-se conhecidos como anabatistas, embora as igrejas nas várias regiões do império também fossem conhecidas por outros nomes, como Montanistas, Novacianos, Donatistas, Albigenses e Valdenses. 
Essas congregações anabatistas cresceram e prosperaram em todo o Império Romano, embora fossem quase universalmente perseguidas pela Igreja Católica. No momento da Reforma, os assistentes de Martinho Lutero queixaram-se de que os batistas na Boêmia e na Morávia eram tão prevalentes, que eram como ervas daninhas. Quando os ensinamentos de João Calvino se tornaram conhecidos, muitos dos valdenses se uniram com a Igreja Reformada. A partir desse ponto, as várias igrejas anabatistas perderam gradualmente seus nomes antigos e muitos assumiram o nome de Batista, embora tenham mantido sua independência e autogoverno históricos.
Quem são os anabatistas hoje? Os mais identificáveis
​​são os huteritas, os menonitas e os amish, embora muitas igrejas batistas modernas também se identifiquem como herdeiras das tradições anabatistas. Os Huteritas, ou mais propriamente, os Irmãos Huterianos, traçam sua história até 1528, quando um grupo de anabatistas fugiu de perseguição por sua recusa em pagar impostos de guerra e formou uma sociedade comunal em Austerlitz. Jakob Hutter, um dos primeiros anciãos, foi martirizado em 1536. Junto com o pacifismo, a vida comunitária é uma referência da crença Huterita. Os menonitas foram formados na Holanda como resultado da perseguição severa na Suíça e na Alemanha. Os anabatistas que fugiram para a Holanda foram organizados sob o ensinamento de Menno Simons, um sacerdote católico que se alinhou com os anabatistas em 1539. Muitos menonitas são identificáveis ​​pelo seu vestido liso e as coberturas de cabeça usadas por suas mulheres. Os Amish traçam sua história de volta a uma divisão dos anabatistas suíços e alsacianos em 1693, quando Jakob Ammann sentiu que os irmãos suíços estavam se afastando dos ensinamentos estritos de Menno Simons e precisavam impor uma forma mais rigorosa de disciplina da igreja. O caráter distintivo dos amish está em sua separação da sociedade à sua volta. Eles evitam a tecnologia moderna, mantêm-se fora dos envolvimentos políticos e seculares, e se vestem claramente. 
Por outro lado, há grupos anabatistas que conservando os princípios bíblicos vivem em sociedade, acreditando que sua mensagem vai além do discurso. Pelas práticas e obras a fé tende também a ser proclamada. Grupos anabatistas da América do Sul e da América Central tem esse procedimento. Muitos batistas estão aqui relacionados.
Quando perguntado como os anabatistas de hoje diferem de outros protestantes evangélicos, um deles disse: “Os anabatistas veem Jesus não só como Salvador, mas como mestre, ensinando-lhes a viver suas vidas enquanto estiverem nesta terra. Eles acreditam que a obediência aos Seus mandamentos é necessária; portanto, eles tentam viver como Ele ensinou. Assim, eles são pessoas separadas, seguindo o estreito e estreito caminho para o Reino de Deus que Jesus ensinou e viveu. “A ênfase do ensino anabatista é o Evangelho do Reino, que visa o estabelecimento de um lugar de amor, alegria e paz no Espírito Santo”. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário