O Jornal Tocha da Verdade é um periódico trimestral independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Ala do movimento radical LGBT quer acabar com capelania evangélica e com evangélicos

Estimados e amados irmãos,

encontramos recentemente estes dois artigos na internet sobre ações de alas dos movimentos LGBT. São duas afrontas ao movimento evangélico e demonstram os interesses dessa minoria em fazer sucumbir a fé evangélica do Brasil. Lamentamos suas más intenções. Acreditamos que a Igreja deve se mobilizar, neste momento, em oração fervorosa para que Deus tenha compaixão e misericórdia destas pessoas, devendo elas se arrependerem dos seus pecados e se voltarem para Deus. Leiam os artigos:



Movimento gay quer acabar com a capelania hospitalar evangélica

Pr.Josué Lima


O movimento defensor das causas homossexuais, o LGBT (Lésbias, Gays, Bissexuais e Travestis), tem tentado impedir a atuação das Capelanias Evangélicas em hospitais.


O grupo tem realizado acusações difamatórias à Associação de Capelania Evangélica Hospitalar, principalmente à capelã Eleny Vassão de Paula Aitken, que atua no Centro de Referência e Treinamento em DST-AIDS (CRT-AIDS), e no Instituto de Infectologia Emílio Ribas, na cidade de São Paulo.


Artigos e comentários publicados na internet referem-se ironicamente ao trabalho realizado pelas capelanias evangélicas, em um dos textos, de Cláudio Celso Monteiro Jr. cita, traz o título “A homofobia (institucional) nossa de cada dia”, e outro, “Fundamentalismo religioso invade hospitais brasileiros”, de Ricardo Aguieiras.


Também foram dirigidas críticas à Igreja Presbiteriana do Brasil, ao ser citado o livro “A missão da igreja gente a AIDS”, publicado pela Editora Cultura Cristã, há quase 20 anos.


Nos textos os grupos evangélicos são acusados de “homofobia”, “atendimento espiritual de maneira invasiva” e até de “sérias falhas em questões de biossegurança”. Mas, além da manifestação realizada através dos artigos as acusações já foram também realizadas verbalmente, direcionadas às diretorias dos hospitais que recebem assistência das capelanias evangélicas.

Desta forma, o trabalho dos evangélicos nos hospitais está correndo risco de ser interrompido, já que a Coordenação de Políticas para a Diversidade Sxual e Secretaria de Justiça e Defesa da Cidadania da Cidade de São Paulo tem apoiado o posicionamento dos grupos LGBT.


Com um tradicional trabalho de mais de 30 anos e atuante em mais de 200 hospitais brasileiros, a Associação de Capelania Evangélica Hospitalar, numa tentativa de se defender seu trabalho e também de alertar a igreja brasileira sobre a situação, lançou uma nota em seu site convocando todos para um abaixo-assinado virtual, como apoio à instituição.


A intolerância do movimento LGBTque busca seus direitos, a cada procura rasgar a Constituição Fedaral, tentando anular a liberdade de expressão e de religião. A implantação da Ditadura Gay patrocinada pela esquerda (leia-se PT) procura a todo custo banir o Cristianismo na nação brasileira.


Os evangélicos no Brasil nunca sonharam em dias tão difíceis como os atuais, e infelizmente muitos líderes ainda não acordaram para a realidade desta situação caótica que estamos vivendo.


As próximas eleições municipais se aproximam e seria de vital importância que nossa liderança evangélica se reunisse e unisse para promover um entendimento que viesse neutralizar o avanço da esquerda diabólica que está comprometida com toda a sorte de misérias pecaminosas.


A cada dia que passa a nossa liberdade religiosa diminui cada vez mais, e líderes evangélicos brigando na televisão, causando escândalos e enfraquecendo o povo evangélico. 



Militantes gayzistas dizem: “Evangélicos devem ser exterminados”



Antes de mais nada, gostaria de deixar bem claro: a agressão relatada partiu de militantes gays radicais, que estão muito longe de representar todos os homossexuais da sociedade. São militantes ligados a movimentos terroristas totalitários de Esquerda, socialistas-comunistas.

Ontem, a Dra. Damares Alves, assessora parlamentar do Dep. Arolde Azevedo (PSD-RJ), foi covardemente agredida e ameaçada por uma súcia de militantes gays enfurecidos. Tamanha ira se deve ao fato de que ontem, juntos, parlamentares cristãos (evangélicos e católicos), com o apoio incondicional dos manifestantes Pró-Vida e Pró-Família, ajudaram a enterrar os trechos do projeto do PNE (Plano Nacional da Educação) que tornavam obrigatórios o ensino da anticientífica Ideologia de Gênero desde o ensino primário (com crianças de 5 anos de idade).

Com o testemunho de vários parlamentares e agentes da Polícia Legislativa, ativistas gayzistas gritaram palavras de ordem, dentre as quais ameaças como “Evangélicos são a desgraça do Brasil e devem ser todos exterminados” e “Evangélicos merecem mesmo ser queimados vivos em uma fogueira“. A Dra. Damares precisou de escolta policial daí por diante, não sem antes ser conduzida ao Departamento de Policia Legislativa da Câmara dos Deputados, onde pôde, junto com o Pr. Davi Morgado, registrar um Boletim de Ocorrência, sob o número 048/2014.

Abaixo, uma das postagens da Dra. Damares Alves em seu perfil público, em que ela dá mais detalhes:




Em seguida, um vídeo do Canal do Dep. Jair Bolsonaro em que ele fala mais sobre a votação de ontem, 22, dos destaques do PNE na pauta do dia (http://youtu.be/xvo2V2xBgms).

Agora, pergunto aos ativistas que aqui aparecerem para pôr panos quentes sobre a postagem (como se isso fosse possível):

  • Cadê a Globo para cobrir essa denúncia? Nenhuma reportagem sequer! Se fosse um cristão a dizer que “gays merecem a fogueira”, pronto! Iria para a cadeia por crime de ódio, apologia ao homicídio (ou genocídio), seria demitido do trabalho, sofreria perseguição em todos os cantos da Terra;
  • Cadê a Maria do Rosário a chorar pela agressão covarde aos Direitos Humanos, a reclamar de discurso de ódio? Sabem por que ela não faz isso? Porque Maria do Rosário, assim como toda a corja petista, é esquerdopata, abortista e odeia os cristãos!

Abaixo, algumas fotos da celebração da importante vitória que a Família brasileira obteve ontem no antro esquerdista. Mas a Guerra continua!

Fonte: http://ebrael.wordpress.com/2014/04/23/militantes-gayzistas-dizem-evangelicos-devem-ser-exterminados/
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário