O Jornal Tocha da Verdade é um periódico trimestral independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

sábado, 9 de abril de 2011

Dispenseiro da Multiforme Graça

"Há duas maneiras de representar e recomendar uma religião verdadeira e seu poder no mundo: pelo ensino e pelo exemplo duma vida. Ambas são abundantemente exemplificadas nas Escrituras Sagradas".

Isto Jonathan Edwards escreveu, e ele mesmo demonstrou-lhe a veracidade. Raras vezes, olhando para todo o passado, achamos outro homem que conhecia tão bem as Escrituras e ao mesmo tempo exibia seus ensinamentos numa vida tão santa, como o grande avivalista americano do século dezoito. Era brilhante de intelecto, poderoso em escrever e santo em todo o seu modo de viver.

Jonathan entrou para a Universidade de Yale com doze anos de idade e, aos dezesseis, formou-se com as mais altas honras. Tinha por costume, durante sua vida, passar treze horas por dia em seu gabinete, em estudos, meditação e comunhão com Deus. Combinou o preparo intelectual com profundas experiências, durante o Avivamento que veio à América por meio de seu maravilhoso ministério. Nasceu três meses depois de João Wesley, 5 de outubro de 1703, e foi um instrumento escolhido para uma Visitação Divina na América, enquanto João Wesley estava sendo usado para despertar a Inglaterra.

Ainda na meninice, lia obras de pensadores profundos, deleitando-se nelas e em experiências graciosas. Edwards muito cedo penetrava nas doutrinas bíblicas, não meramente no conhecimento intelectual, mas naquela compreensão espiritual que vem do Espírito Santo.

CONVERSÃO

"Eu tive muita preocupação a respeito de minha alma, desde a infância, mas passei duas épocas de vivificação antes da experiência de ser transformado, a qual me trouxe nova disposição e entendimento das coisas espirituais. A primeira vez foi na meninice, antes de entrar para a Universidade. Aconteceu durante um Avivamento poderoso na igreja de meu pai. Naquele tempo preocupavam-me constantemente as coisas religiosas e a salvação de minha alma. Era ativo no serviço do Reino; orava secretamente cinco vezes por dia. Eu e colegas de escola construímos um abrigo numa floresta como esconderijo para oração. Além disso, eu tinha outros lugares para intercessão escondidos no bosque, aonde ia sozinho e ficava quebrantado em súplicas diante de Deus".

Apesar do lar exemplar de Jonathan – era filho dum ministro – e apesar de suas muitas preocupações espirituais, ele somente foi convertido na mocidade. Formou-se na Universidade aos dezesseis anos, ficando depois mais dois anos em preparo para o ministério. Durante o tempo na Universidade, disse ele, sentiu grande ansiedade, especialmente nos últimos anos, quando foi atacado de pleurisia, que quase o levou deste mundo. "Deus sacudiu-me em cima do abismo do inferno. Assim fui levado a buscar a salvação de modo nunca usado antes. Senti o desejo de me separar de todas as coisas deste mundo por causa de Cristo. A busca da Salvação tornou-se a preocupação principal de minha vida".

"Desde aquele tempo comecei a ter uma nova compreensão e novas idéias sobre Cristo, Sua obra redentora e a maravilha do Seu plano de salvação. Uma doce sensibilidade vinha à minha alma, de vez em quando, e eu exultava na meditação sobre isso. Tinha grande desejo de passar meu tempo a ler e meditar sobre a beleza e o esplendor de Jesus, a excelência de Sua pessoa, e o caminho da salvação pela graça. Não encontrava quaisquer livros tão agradáveis como aqueles que tratavam destes assuntos. As palavras de Cantares 2:1 me deleitavam: "Eu sou a Rosa de Sarom, o lírio dos vales". Parecia que este verso expressava a formosura e encanto de Cristo. Mas se estava alegre em sentir-me tão bem, não me sentia satisfeito. Havia anelos profundos da alma para Deus e Seu Filho, por mais santidade. Às vezes meu coração estava tão cheio que quase se arrebentava. Isto me trazia à memória o que dissera o salmista: "A minha alma está quebrantada de desejar". Sentia tristeza em não ter voltado para Deus mais cedo, para ter tido mais tempo de crescer na graça. Gastava horas em pensar sobre coisas divinas, muitas vezes andando pelas florestas e lugares solitários, em meditação, comunhão e súplicas a Deus. Em qualquer lugar onde estivesse, petições de minha alma subiam ao Trono. A oração me era tão natural como o respirar, e um modo de satisfazer meu coração ardente de amor. O deleite que agora sentia nas coisas de religião era bem mais diferente daquele que experimentara na meninice, como um cego antes de enxergar, não tendo noção das cores, tão belas e agradáveis. O gozo, agora, nas meditações espirituais era mais puro, mais íntimo, mais completo".

NO MINISTÉRIO

Jonathan Edwards, que contava somente dezenove anos quando foi licenciado a fim de pregar o evangelho, escreveu setenta resoluções que alguém disse ser "o sumário mais inspirado de dever cristão, o compêndio mais poderoso de padrão evangélico que a mente do homem até agora tem expressado". Algumas destas regras para a disciplina da própria vida eram:

• Nunca fazer coisa alguma, seja do corpo ou alma, senão aquela que glorifique a Deus, nem permitir tal coisa quando houver possibilidade de impedi-la.

• Nunca perder um momento de tempo, mas usá-lo como proveito à medida das possibilidades.

• Viver abundantemente durante esta vida aqui no mundo.

• Estudar as escrituras tão ardente, constante e freqüentemente, que seja possível perceber um crescimento no conhecimento delas.

• Procurar, cada semana, crescer em espiritualidade e na experiência da graça divina.

• Nunca falar coisa alguma de alguém, incompatível com o mais alto padrão de honra.

• Agir do mesmo modo que faria se já tivesse visto a felicidade do céu ou o terror do inferno.

• Nunca fazer coisa alguma que não faria se já estivesse na hora de ouvir a última trombeta, no Dia do Juízo.

SANTIFICAÇÃO DA VIDA

Nesse tempo, Edwards escreveu: "Queimava em meu coração o desejo de ser em tudo um crente completo, conformado à bendita semelhança de Cristo e de modo que pudesse viver, em todas as coisas, segundo as regras puras e abençoadas do evangelho".

Jonathan viveu uma vida de simplicidade e disciplina em seu lar. Casou-se com uma bela moça, culta e consagrada – uma verdadeira companheira, que sabia compartilhar de seus ideais e entender suas experiências espirituais. Oito filhas e três filhos nasceram a este feliz casal. Sua vida diária foi tão bem planejada que se diz ter feito ele, em poucos anos, o que outros não fizeram durante uma vida longa. Levantava-se às quatro ou cinco horas da madrugada e, metodicamente, marcava tempos definidos para orar três vezes ao dia. "Edwards reconhecia que o poder do ministério de um homem não está em proporção com sua atividade, mas com sua comunhão com Deus e seu entendimento espiritual da verdade. Se alguém tivesse dúvida de tais costumes no ministério, estudasse os resultados que acompanham este modo de viver".

Por meio da oração e através da pregação poderosa, um Despertamento começou a ser sentido. A respeito, disse Edwards: "De repente, veio sobre o povo uma convicção profunda, uma preocupação séria a respeito de religião e de coisas eternas, tornando-se isto geral na cidade, entre pessoas de todas as idades ou posições sociais. O ruído entre ossos secos tornava-se cada vez mais acentuado. Conversas fora do espiritual ou de coisas eternas eram rejeitadas. Em qualquer grupo e em todas as ocasiões só se falava nestas coisas exceto quando havia necessidade de tratar de negócios. A mentalidade popular foi elavada acima de tudo quando era mundano".

"Quase não havia uma só pessoa, jovem ou velha, que não estivesse profundamente interessada nas verdades eternas. Aqueles que se haviam revelado mais vaidosos e descuidados, aqueles que tinham falado levianamente de uma religião vital e experimental eram agora despertados. A conversão de almas continuou de modo maravilhoso, aumentando dia a dia. Almas em massa vieram a Jesus Cristo. Durante dias e meses, contemplamos pecadores saindo das trevas para Sua maravilhosa luz, tirados "dum lago horrível, dum charco de lodo", para terem seus pés firmados sobre uma rocha, e seus passos firmados pelo Salvador.

Uma carta circular, assinada pelos ministros, apelando por oração, ajudou a espalhar o avivamento por outros lugares. Um pastor, que mais tarde tornou-se presidente da "Princeton University", escreveu: "Grande número de pessoas vinha diariamente a seu pastor pedir conselhos sobre coisas eternas. Maior número veio em três meses para esse fim do que viera em trinta anos antes".

"Esta obra de Deus continuou, e o número de santos verdadeiros, multiplicado, fez em pouco tempo uma alteração gloriosa na cidade (Northampton). Assim durante a primavera e o verão seguintes (1735) a cidade parecia cheia da presença divina. Ela nunca estivera tão cheia de amor, prazer e alegria, mas ao mesmo tempo tão cheia de ansiedade. Quando se reunia, a mocidade gastava seu tempo em conversar sobre a excelência de Cristo e seu amor; a glória do caminho da salvação e a graça soberana de Deus; Sua obra gloriosa em converter almas, a veracidade da Bíblia, Sua perfeição, etc. Até nas ocasiões de casamento, as quais, antes eram tempo somente para prazeres e diversões, aproveitava-se a oportunidade para discutir sobre religião, com toda seriedade.

Quando encontramos um homem escolhido por Deus para a vinda dum Despertamento espiritual a um país, vale a pena estudar-lhe a vida. Edwards escreveu: "A santidade de Deus sempre Se revelou em mim como atributo sublime de Seu caráter. As doutrinas da soberania divina, a graça livre em mostrar misericórdia a quem Ele deseja manifestá-la e a dependência do homem na operação do Espírito Santo têm-se-me revelado como doutrinas gloriosas. Tenho amado as doutrinas do Evangelho. Considero o Evangelho um rico tesouro, o tesouro que mais hei desejado. O caminho da salvação em Cristo é para mim glorioso e excelente, agradável e belo.

"Por muitas vezes tenho estado cônscio da glória da Terceira Pessoa da Trindade, de Sua obra santificadora, de Suas operações santas, comunicando à alma luz e vida divinas. Deus, na dádiva do Seu Santo Espírito, tem-se revelado como uma fonte infinita de glória e doçura, suficiente para encher e satisfazer a alma, derramando sobre nós aquela gloriosa comunhão, como o sol em todo seu esplendor difunde luz e vida. Vem sobre mim uma sensibilidade da excelência da Bíblia, como a luz da vida. Sinto fome da Palavra, desejando que ela habite ricamente em meu coração".

Duzentos anos são passados desde o tempo de Jonathan Edwards. Vivemos numa época mais necessitada de um Avivamento Espiritual do que aquela em que ele viveu. Temos o mesmo Deus, com o mesmo poder e desejo de nos abençoar. O que nos falta, hoje, não está do lado divino, mas do humano – um instrumento preparado, um profeta que venha de Deus, um homem em cuja vida o poder do Alto tenha livre curso. Mas Deus já está levantando nesta hora, em nosso Brasil, homens para a brecha, atalaias para o muro, arautos para um novo dia!

Vem, Senhor Jesus!
(do livro Labaredas de Fogo, de 1962, de Rosalee Appleby)

Nenhum comentário:

Postar um comentário