O Jornal Tocha da Verdade é uma publicação independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

IPC

IPC

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Preocupando-se com a Igreja


O trabalho pastoral é um trabalho muito árduo, desgastante e cansativo. Temos, apesar disso, um propósito muito bem definido, pois o que está em causa é a preservação da doutrina apostólica, bem como a saúde espiritual dos irmãos e o seu pronto desenvolvimento na fé. Muito embora sejamos homens sérios e preocupados com a obra é possível sermos mal compreendidos eventualmente. Parece que essa reação acontece com os melhores servos de Cristo que amam a Igreja. Paulo foi exemplo disso em Corinto.
Paulo, conforme suas próprias palavras, era homem ousado na ausência e humilde na presença quanto aos problemas em Corinto. Lógico que ele tinha um objetivo em seu procedimento. A Palavra escrita em sua epístola continha um tom mais exortativo, mais vibrante, mais despertador já que ele estava longe dos irmãos, enquanto nos dias nos quais estava entre eles era humilde e sereno. Alguém pode jurar que isso se configurava como hipocrisia, mas pensar assim de um homem de Deus não é uma boa reflexão, principalmente quando este amava a Igreja de Cristo e era capaz de se entregar por ela. Ele ainda menciona, sabiamente, a maneira como os coríntios receberam sua primeira epístola, fazendo juízo de que o apóstolo não tinha um nobre proceder para com eles. Entretanto, não era essa a intenção de Paulo, já que ele injetava um pensamento “para que não pareça como se quisera intimidar-vos por cartas” (I Coríntios 10:10).  
Irmãos, enquanto Igreja, precisamos nos habituar à necessidade de se verificar como andam as coisas entre nossa comunidade, seja em nível congregacional seja em nível individual. Esta é uma prática espiritual adotada pelos seguidores de Cristo, se não vejamos a referência a isto: “Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado” (Hebreus 3:13). A passagem que usamos às vezes em evangelismo para indicar que o pecador está endurecido pelo engano do pecado, na verdade, diz respeito a nós (Hb 3:15). E essa preocupação de sermos avaliados e exortados não visa desprestígio ou depreciação dos irmãos, mas a necessidade de sabermos como todos estão recepcionando as verdades puras do Evangelho. Isso acontece de praxe aos que abdicaram do mundo para servir a Cristo. O escritor de Hebreus ainda convence-nos dessa verdade: “Porque nos tornamos participantes de Cristo, se retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até ao fim”. Nesse, alude-se a necessidade de perseverar nos princípios doutrinários e comunitários; visa, então, a boa compreensão da doutrina pura para a boa convivência entre os irmãos.
Agora, pensamentos divergentes nos quais são feitos julgamentos para dizer que certas atitudes não correspondem com nosso poder de “governo” não coopera com o bom senso congregacional, visto que nosso olhar precisa estar direcionado constantemente para a Igreja, a fim de verificarmos seu progresso ou não. E mais uma vez elencando que este olhar é carregado de paixão e amor pela Noiva de Cristo não podemos dizer que não amamos cada irmão e irmã individualmente. Às vezes um evento pode até parecer estranho, levando a si pensar algo que não corresponde ao bem do Evangelho. Mas quem não participou diretamente do mesmo e não se inteirou dos verdadeiros sentimentos que nortearam a fala, como foi o exemplo de Paulo em Corinto, não tem como fazer um julgamento equilibrado, a não ser que conversasse direto com o apóstolo. Os irmãos julgaram o apóstolo severamente, acreditando que ele só queria reclamar ou depreciar os irmãos. Isso não foi verdade. A intenção da liderança cristã genuína é sempre o engrandecimento do Reino e o desenvolvimento pleno da salvação e santidade na vida da amada Igreja.
Que Deus em Cristo nos dê paz, harmonia e um espírito brando para não pensarmos o que não devemos, nem agirmos sem saber exatamente dos fatos.
Uma boa sugestão de leitura para termos boa convivência entre nós, a Igreja, segue abaixo:


Nenhum comentário:

Postar um comentário