O Jornal Tocha da Verdade é uma publicação independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

c

c

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Não-resistência e não-participação no governo civil


por Paul Horst
Tratado 21E74
publicado por Rod e Staff Publishers, Inc. Crockett, KY 41413


Sobre este assunto, temos muitos textos nas Escrituras. "Não resistir o mal, mas quem ferir-te na tua face direita, volta-lhe a outra também ...", "Amai os vossos inimigos, abençoa os que te amaldiçoam, faze o bem aos que te odeiam e ora por aqueles que te maltratam e perseguem" (Mateus 5: 38-48). "Amados, não se vinguem, mas dêem lugar à ira: porque está escrito: A minha é a vingança; eu retribuirei, diz o Senhor" (Romanos 12:19).
Além disso, em Efésios 6:12 e 2 Coríntios 10: 3-5 nos é dito claramente que nossa guerra é espiritual, não física, e as armas, embora sejam poderosas e eficazes, não são deste mundo (carnais).
Finalmente, em Hebreus 11: 13-16, vemos claramente que o filho de Deus tem um país celestial e, portanto, uma cidadania celestial que exige lealdade absoluta. Qualquer nação na terra em que ele habite deve perceber que ele está lá como um estrangeiro, e que, embora ele se esforce para estar sujeito à sua vontade, sempre que possível, não se pode esperar que ele participe de seus assuntos nem comprometa sua cidadania celestial.
Ao considerarmos essas verdades e outras, como as bem-aventuranças, chegamos a ver que a não-resistência não é apenas uma questão do que faremos ou deixamos de fazer em certas situações, mas sim um espírito de mansidão, humildade e amor que possui, frutos do cristão quando é verdadeiramente nascido de novo. O espírito de ressentimento, vingança e retaliação é crucificado consigo mesmo, e o novo espírito se torna nosso modo de vida.
Não-não-violência ou resistência passiva
Isto não é não-violência ou resistência passiva, que, embora não envolva força física, ainda manifesta o espírito de resistência e exigência de nossos direitos. Guy F. Hershberger, um líder menonita, afirmou: “O líder [dos negros], Martin Luther King, treinou com sucesso milhares de pessoas em algo que temos professado acreditar por anos - o caminho da não-violência”. Isto é claramente falso, pois o caminho da não-violência inclui muitas coisas estranhas ao modo de não-resistência, como fazer lobby para influenciar a legislação, exigir nossos direitos e privilégios, recusa em obedecer a lei mesmo quando a obediência não envolve um erro. É claro que não podemos fazer parte da supressão ou das desigualdades, mas a não-violência não é a resposta, nem é isso que temos professado acreditar.
Não só a abstinência da vingança
Tampouco é apenas a abstinência da vingança pessoal, pois o Antigo Testamento já proibia isso e previa o julgamento e a punição ordenados (Deuteronômio 19). Portanto, acreditamos que Jesus pretendia que toda vingança é proibida ao cristão. Como Ele poderia ter deixado isso mais claro? Deus diz (1 Pedro 2: 21-24) que Jesus é o nosso exemplo e que Ele, quando insultado, não insultou novamente; quando sofreu, não ameaçou, mas comprometeu-se a Deus. Devemos nós, então, que professamos segui-Lo, erguer nossas mãos ou armas para defender nossas terras, casas, famílias ou nossos próprios corpos? Não deveríamos deixar toda a vingança para Deus e para aqueles a quem Ele usará para executar a Sua ira? (Veja Romanos 13).
Não é um esforço para trazer a paz mundial
A Bíblia não nos deixa esperança de que os homens sejam capazes de promover a paz mundial através do desarmamento, do lobby político e assim por diante, devido à própria natureza do mundo e do coração do homem. Portanto, a não-resistência não é uma tentativa fútil ou um sonho fantasioso para esse fim.
Nem é um esforço para "enterrar nossas cabeças" para o mal que nos rodeia, mas sim o resultado de uma firme convicção de que o mal deve ser enfrentado pela resistência espiritual; e deve ser superado com o bem (Romanos 12:21). É verdade que Deus usou o Seu povo no passado, como nação, para punir o pecado; e prevê tal punição hoje através do governo terrestre; e no futuro trará condenação a todos os ímpios. No entanto, o povo de Deus nesta época recebe o ministério da reconciliação em vez do ministério da retribuição. "O amor não faz mal ao próximo" (Romanos 13:10).
Que esse espírito deve preencher toda a vida, vemos em 1 Pedro 3: 8, 9, pois aqui é aplicado ao lar e aos nossos relacionamentos mais íntimos. Aqui é que estamos aptos a ser os mais cuidadosos no exercício daquelas virtudes que surgem do amor. Aqui também vemos como aplicá-lo a todas as situações, pois, se é bom para o lar, como todos concordam, então é bom para vizinhos, amigos, estranhos e inimigos.
Não se opõe ao governo
Digamos, porém, que, embora não possamos participar de governos terrestres, não nos opomos a eles, mas sim os aceitamos como parte necessária de uma sociedade maligna e não regenerada. Nós lhes emprestamos nosso apoio em todo modo bíblico (por oração, apoio financeiro e obediência, sempre que possível, sem conflito com a Palavra de Deus).
Alguns supõem que a igreja primitiva e os anabatistas se opuseram à participação no governo por causa da natureza dos governos sob os quais eles viviam, mas não temos motivos para pensar que teriam agido de maneira diferente sob qualquer outra forma de governo. As razões que eles deram e as Escrituras estabelecidas em apoio à não-participação aplicam-se igualmente a ditaduras, reinos e democracias. Isto é verdade tanto em tempo de paz quanto durante à perseguição. Jesus se recusou a ser feito rei ou juiz (João 6:15; Lucas 12:13, 14). Além disso, notamos que o Novo Testamento nunca fala ao governo, nem aos cristãos como parte do governo (exceto no caso dos soldados que vêm a João Batista, sob a Antiga Aliança), mas sempre aos cristãos sobre o governo. Portanto,"para ti ... ele não suporta a espada em vão ... ele é um vingador". Mas "vós tendes necessidade de estar sujeito ... pagareis tributo (...) eles são ministros de Deus, atendendo continuamente a isso mesmo" (justiça, ordem, vingança).
Uma forma democrática de governo faz com que todos os cidadãos façam parte do governo, como dizem alguns? Eles dizem isso para justificar a votação, dizendo que "todos são parte do governo de qualquer maneira, votem ou não, então nós também devemos usar nossa oportunidade para ajudar a controlá-la". Se isso for verdade, então nos tornamos responsáveis ​​pelas ações do governo e pelo assassinato, embora nos recusemos a lutar. Isso nós negamos, mantendo, como o povo de Deus fez no passado, que não somos parte do governo carnal e não queremos participar. Por que, então, deveríamos, ao votar, reconhecer aquilo que tão vigorosamente negamos por nossa recusa em lutar ou ocupar cargos políticos?
Não, irmãos, mas lembremo-nos de que agora já estamos vivendo no reino celestial, nosso Rei é o Senhor Jesus e, para esse Rei, estamos dispostos a morrer!

Fonte: http://www.anabaptists.org/ras/21e74.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário