O Jornal Tocha da Verdade é um periódico trimestral independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

Comunie

Comunie

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Memórias de Moriá - Um jovem chamado por Deus

No final de 1989, o grupo de amigos se reencontra, agora, firmados em Cristo e ansiosos para fazer a obra de Deus. Através da Igreja criaram vínculos fraternais e novas amizades com outros irmãos e irmãs dos mais diversos segmentos. Nesse tempo, os membros da Igreja davam seus testemunhos e diziam ter sido: forrozeiros, festeiros, roqueiros, religiosos, macumbeiros, jovens malinos, idólatras, pecadores “pacíficos” e rebeldes. Era um misto de gente capaz de ser domado apenas pela graça redentora e pelo favor divino. Sob a orientação do jovem Glauco, ainda não consagrado pastor, a pequena comunidade vivia dias de uma fé autêntica.
A atenção dada ao jovem ministro (reconhecimento que todos prestavam inclusive os mais velhos) era o símbolo de que Moriá não seria uma simples Igreja. Nos seus primeiros dias fora chamada Igreja de Nova Vida, devido à boa influência de um casal do Rio de Janeiro cuja Igreja assim se chamava, tendo como bispo M. Robert McAlister, o qual muito apreço dedicava Glauco Filho. No entanto, perceberam posteriormente que a Igreja devia ter identidade própria uma vez que se tratava de uma inspiração divina para nossa geração. Não que o nome tenha relevância para Deus, a iniciativa seria classificar o movimento com seriedade e devoção para outras igrejas e para o mundo. Por decisão comum chegaram ao nome Moriá. Agregaram o termo Batista que simboliza a igreja perseverante cujo rastro foi deixado na História. Também Renovada em razão da fé na doutrina pentecostal e do anseio pelo vento do Espírito o qual encheria os muitos cenáculos que seriam formados. Mas, Moriá é a chave, é o termo principal. Ilustra a fé virtuosa e ousada para fazer o que fosse necessário, segundo as Escrituras, para servir a Deus. Moriá é sacrifício santo, é desprendimento, é compromisso com a verdade revelado através de vidas santas, é colocar o Reino de Deus em primeiro lugar, é não ser nem estar acomodado em Sião, é zelar pela sã doutrina, é transmitir a verdade sem receios e sem medos, é não se conformar com o mundo... é entregar seu Isaque constantemente no altar de Deus.
Para tanto, o jovem Glauco Barreira Magalhães Filho era exemplar. Sua conduta solidária quebrava barreiras das desconfianças. O alinhamento com pessoas simples para conduzir a obra por ele iniciada serviu para verificarmos que seu julgamento não era com acepção de pessoas. Com a simplicidade cristã transmitiu sua mensagem e caiu nas graças do seu povo. De fato era um jovem de coração simples, muito humano e direcionado por Deus. Todos tomavam seus conselhos, pois apesar de jovem era dotado de uma maturidade extraordinária.
Sua simplicidade era notável. Abdicou, por vezes, do conforto para ser uma pessoa que passava pelas mesmas experiências dos demais. Às vezes, nos dias de culto ou visitas, saía de casa a pé e ia até a Pinho Pessoa, na Vila Arão, sem qualquer constrangimento. Tanto a ida como a volta para a casa, cedo ou tarde da noite. Morava neste tempo por trás do Palácio do Governo do Estado do Ceará, quase no final da avenida Barão de Studart. Era um longo trajeto. Fazia isso para se sentir mais humano, sentir os dramas dos outros, nivelar-se com os que estavam abaixo do seu status social. Um forte exemplo cristão.
Sua formação em andamento em Direito, pela UFC, não o impedia de fazer a obra. Era uma pessoa multitarefa. Sempre foi brilhante no contexto acadêmico, estando entre os melhores e os mais respeitáveis de sua sala. Seus estudos do Direito, de certa forma, possibilitaram exposições das Escrituras muito bem amparadas. Nesta idade, com 18 (dezoito) anos, era muito conhecido nas diversas Assembleias de Deus da cidade. Era convidado para pregar em muitas delas. Sua pregação eloquente era bem recebida nas igrejas pentecostais. Nas Igrejas Batistas Nacionais não era diferente. Uma vez, em um culto da Jubance (Juventude Batista Cearense – órgão da juventude da Convenção Batista Nacional), no templo da Igreja Batista de Antônio Bezerra, o jovem Glauco, com indumentária simples foi chamado para pregar. Não tinha sido convidado previamente. Era comum nos cultos o responsável pela condução do evento escolher alguém para pregar. Nesta noite coube a Glauco Filho. Foi uma pregação de fogo para jovens. Vimos muitos jovens caídos ao chão após a pregação, gemendo em busca da renovação espiritual. Cerca de dez jovens foram batizados naquela noite.
Por essa razão, sempre que os membros sabiam que Glauco iria visitar algum culto de mocidade, os jovens de Moriá uniam-se a ele. Foi assim que começou o movimento de mocidade atuante na Igreja. Os jovens de Moriá começaram a conhecer muitos irmãos de outras igrejas e criaram laços. Naquele tempo, os cultos de mocidade das assembleias ocorriam mensalmente, principalmente nos sábados. Algumas realizavam cultos às quintas, como era o caso da Assembleia de Deus do Serviluz, a mais fervorosa da época, principalmente no tempo antes de sua reforma, com a qual firmaríamos fortes laços. Portanto, o jovem pregador era acompanhado quando ia para as muitas Assembleias de Deus: Serviluz, Morro do Teixeira, Nova Aldeota, Varjota, Messejana, Estação Alencarina, entre outros.
De onde ele veio? Tinha lido as Escrituras desde criança, auxiliado pelo pai. As Escrituras exerceram uma influência sobre ele diferente da maioria dos casos. Assumia nas brincadeiras infantis a identidade dos heróis da Bíblia, incorporando o sentido para os quais foram vocacionados por Deus. A paixão pelo santo livro começa com uma interação ingênua, mas que redundou para um comprometimento maior no futuro. Cresceu e na adolescência conheceu uma Igreja evangélica, a única no seu campo de visão. Na Assembleia de Deus Betesda ingressou e começou um trabalho de evangelização que futuramente possibilitou o encontro com o saudoso irmão Augusto Saldanha, o pregador da Praça do Ferreira. Foi o irmão Saldanha que apresentou o jovem Glauco aos púlpitos assembleianos. Daí para frente os pastores assembleianos tradicionais reverenciavam o vigor daquele jovem espiritual. Imagino que os pastores se reconheciam naquele jovem. Os pastores da época eram homens maduros e experientes na seara do mestre, mas passavam por um problema “novo”: suas igrejas estavam em decadência espiritual e moral, saindo do padrão legado pelos pioneiros, por influência de pregadores e teólogos liberais. Sua membresia cedeu ao mau capricho, tendo reflexos negativos até hoje. Em vistas da contraposição àquela situação, um jovem de nobre família, acadêmico do Direito e distinto servo de Cristo como Glauco defendendo o padrão bíblico e conservador era como um bálsamo para seus corações. Era o que víamos e sentíamos na época.

Pelo problema do liberalismo teológico em sua igreja resolveu se desligar da mesma, saindo em paz com o pastor Ricardo Gondim, responsável pela Betesda na época, após expor serenamente suas razões. Além disso, tinha recebido orientações de Deus para iniciar uma obra na Piedade, local que não contava com uma Igreja avivada. Foi circulando pelas ruas desse bairro, mais especificamente pela Rua Padre Antonino, que encontrou vários jovens conversando sobre questões da vida. Evangelizou todos. A partir dali iniciou seu trabalho, levando-os para seu primeiro culto realizado na região. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário