O Jornal Tocha da Verdade é um periódico trimestral independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

Comunie

Comunie

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

UMA REFLEXÃO PARA AS CONFERÊNCIAS ANABATISTAS

Por Heberth Ventura

Como herdeiros da fé anabatista, cremos que a Bíblia é nosso único manual de fé e de prática. Se consideramos a Palavra de Deus como tal e a levamos a sério, então a pregação da Palavra não pode ser negligenciada. Gostaríamos de neste texto destacar a importância da pregação do Evangelho em sua dimensão evangelística para nós anabatistas e fazer um apelo ao retorno de nossa identidade cristã, observando a perseguição e o sofrimento como recursos para que nesta era voltemos a ter a honra de sermos denominados testemunhas de Cristo.
Acreditamos profundamente na inspiração verbal e escrita das Escrituras. Essa verdade para nós é inegociável, bem como a verdade em seu sentido amplo observada na Escritura. No entanto, acreditar na palavra de Deus como autoridade não tem sido o suficiente para mover muitos cristãos de sua comodidade para a proclamação urgente do Evangelho.
Há muitas razões para termos chegado a tão nevasta circuntância, mas deter-me-ei na negligencia espiritual. Na Bíblia, a revelação de Deus é comparada figurativamente à “luz”. Ter “luz” ou receber “luz” significa o entendimento dado e concedido por Deus para usarmos de sabedoria no tocante a sua Palavra. Mas a luz, como graça recebida por Deus, pode ser negligenciada, esquecida, abandonada. Pois o homem é um ser livre, mas também responsável por suas ações e benefícios negliciados diante de Deus. Em termos práticos, nós podemos sim pecar contra a luz, ou seja, contra a revelação de Deus manifesta a nós pelas Escrituras. Todo desvio quer moral ou espiritual, decorre também de um desvio da vontade de Deus revelada a nós  pobres mortais.
Não podemos deixar que esta sociedade pluralista retire de nós o valor inestimável de autoridade das Escrituras sob nossas vidas. Consequentemente devemos atentar ao fato de que o mundo precisa ouvir que a verdade não muda, pois Deus não muda. Se nossa fé na Palavra está em Deus e Ele não muda, não podemos nos esquecer de proclamar “a tempo e a fora de tempo” o Evangelho de Cristo Jesus.
Nessas conferências anabatistas, teremos mais uma oportunidade para rever nossas atitudes como crentes, bem como de reconsiderar o termo bíblico “testemunha” que tanto conhecemos. É hora, por exemplo, de aprendermos que a perseguição e o sofrimento oriundos da pregação do Evangelho faz parte de nossa identidade como testemunhas de Cristo Jesus na terra.  Portanto, precisamos resgatar a nossa identidade, hoje negligenciada pela maioria. Entender que o martírio é uma característica de um verdadeiro cristão. Enraizarmos em nosso viver que “quer na vida, quer na morte” somos do Senhor.

Oxalá que todos nós experenciassemos um poderoso mover espiritual de Deus em toda a extensão de nossa comunidade. Eis o apelo, um clamor por uma manifestação de Deus e poder espiritual para falarmos da sua parte ao mundo caído.

Nenhum comentário:

Postar um comentário