O Jornal Tocha da Verdade é um periódico trimestral independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

E as notícias sobre Azuza Street continuam


“Especialmente os encantadores sons do chamado” Coro Celestial, ou hinos cantados sob a direção evidente do Espírito Santo, tanto em palavras como em sintonia, emocionam todo o meu ser. Não era algo que pudesse ser repetido à vontade, mas sobrenaturalmente dado para cada ocasião especial e era uma das evidências mais indisputáveis ​​da presença do poder de Deus. Talvez nada impressionou tanto as pessoas como este canto; inspirando um temor santo, ou um sentimento de indescritível admiração, especialmente se os ouvintes estavam em atitude devota”.
“O amor divino era maravilhosamente manifesto nas reuniões. Eles nem sequer permitiriam que uma palavra maldosa fosse dita contra seus oponentes ou as igrejas. A mensagem era ‘o amor de Deus’. Era uma espécie de ‘primeiro amor’ da igreja primitiva restaurado. O ‘batismo’, como o recebemos no início, não nos permitiu pensar, falar ou ouvir mal de qualquer homem. O Espírito era muito sensível, terno como uma pomba”.
Um homem de Azusa disse: “Eu preferiria viver seis meses naquela época do que cinquenta anos de vida ordinária. Parei mais de uma vez dentro de dois quarteirões do lugar e orei pela força que me impulsionava a continuar. A presença do Senhor era tão real”.
Dezenas de pessoas foram vistas cair em uma posição prostrada nas ruas antes que eles chegassem à missão. Então muitos se levantavam, falando em línguas sem qualquer influência do povo Azusa. Deus tinha vindo para realizar Sua obra!
G.H. Lang relata que alguns que vieram investigar foram batizados no Espírito Santo em seus alojamentos.
“Dezenas de relatos pessoais e de testemunhas oculares atestam que muitos que vieram ridicularizar as reuniões foram derrubados no chão, onde pareciam lutar com oponentes invisíveis, às vezes, por horas. Essas pessoas geralmente se levantavam culpadas de pecado e procuravam a Deus. Um repórter de origem estrangeira tinha sido designado por seu jornal para gravar a atmosfera ‘circense’ em uma forma de alívio cômico. Ele assistiu a uma reunião noturna, sentado bem atrás. No meio do encontro, uma jovem mulher começou a testemunhar sobre como Deus a batizara com o Espírito Santo quando ela de repente rompeu em línguas.
Depois da reunião, o repórter a procurou e perguntou-lhe onde aprendera a língua de seu país natal. Ela respondeu que não tinha ideia do que tinha dito, e que falava apenas inglês. Ele então relatou a ela que ela tinha dado um relato inteiramente exato de sua vida pecaminosa, tudo na linguagem de sua língua nativa.
Outras testemunhas relataram ter visto um brilho sagrado emanando do prédio que podia ser visto nas ruas de distância. Outros relataram ouvir sons do edifício de madeira como explosões que reverberaram em torno do bairro. Tais fenômenos fizeram com que os espectadores chamassem o Corpo de Bombeiros em várias ocasiões quando um incêndio ou explosão foi relatado no prédio da missão. A Child Welfare Agency tentou encerrar as reuniões porque havia crianças sem supervisão dentro e ao redor do edifício a todas as horas do dia e da noite. O Departamento de Saúde tentou parar as reuniões porque eles disseram que os bairros apertados eram insalubres e um perigo para a saúde pública. Os cristãos famintos por Deus vinham de todos os lugares.
Bartleman afirma que “cerca de uma dúzia de santos”, reuniu-se em Azusa na quinta-feira, 19 de abril, embora este número possa representar apenas os estavam lá quando ele chegou. Arthur Osterberg, um membro inicial, mais tarde informou que o primeiro serviço em Azusa tinha por volta de 100 pessoas. O Los Angeles Times relatou uma “multidão” que incluía uma maioria de negros com “uma pitada de brancos”. Festas de fim de semana eram maiores do que aqueles nos dias de semana.
O crescimento foi rápido e substancial. A maioria das fontes indica a presença de cerca de 300 a 350 adoradores dentro da estrutura de madeira de 40 por 60 pés, com outras estruturas que se misturam antes do final do verão, incluindo pessoas que buscavam a Deus, queixosos e crianças. Às vezes pode ter sido o dobro.

No verão, as multidões haviam atingido números impressionantes, muitas vezes em milhares. A cena tinha se tornado um encontro internacional. Uma matéria afirma que, “todos os dias números maiores de visitantes vinham de todo o continente. As notícias da reunião se espalharam por toda a nação, tanto na imprensa secular e religiosa”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário