O Jornal Tocha da Verdade é um periódico trimestral independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

Comunie

Comunie

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Zygmunt Bauman


Zigmund Bauman, homem-pensador lúcido cujo pensamento revela a essência da realidade moderna, ou como o próprio a definia: uma “modernidade líquida”, deixará uma lacuna entre a intelectualidade que pensa tão nobremente os aspectos sociais emergentes para se tornar em definitivo um dos pilares das ciências humanas. Apesar de sua morte, diga-se de passagem, “em avançada idade” e com uma vida envolvida com o pensamento sociológico e filosófico, analisando, dentre outras, a tríade modernidade, consumo e indivíduo, seu legado constitui-se de uma das mais autênticas ferramentas para descortinar o “show da vida”, encarando seus problemas e dilemas numa perspectiva sociológica bem abrangente e muito bem articulada.
Aprecio Bauman em virtude de suas teorias serem tão bem recepcionadas pela sociologia da religião da qual faço minhas incursões pelos caminhos da reflexão que não posso dizer que não recebo fortes influências de seu pensamento. Suas análises da realidade e efemeridade em muito se alinham com a riqueza do pensamento cristão cujo teor alude acerca das vaidades e transitoriedade da vida, apesar de o mesmo não atestar sobre a fé em Cristo. Seu “pessimismo”, por exemplo, é na verdade uma grande contribuição para identificarmos certos conceitos do Cristianismo, pois quando trata, sob um ângulo minorante, das relações sociais, logo detectamos o esfacelamento do apreço do homem pelo homem, a crise de identidade, a avareza em alto grau, a ilusão pela vida, a ausência do verdadeiro sentido das coisas e o (des)encantamento com a vida dos quais já havia asseverado Jesus. Pode até ser que seu objetivo na teoria não seja esse, contudo, é possível fazermos essas reflexões, evidenciando questões como as supracitadas.
Minha breve homenagem a esse pensador que me ajuda a pensar o hoje vislumbrando os aspectos presentes para prognosticarmos efeitos dos mais antagônicos e diferentes, tomando como base o viés das transformações contínuas e ininterruptas de uma sociedade que caminha pelos seus próprios pés, vai através de suas próprias palavras as quais são célebres, tocantes e autênticas, porquanto nos fazem aceitar suas teorias e dizer que é de fato como fora notabilizado:

“O velho limite sagrado entre o horário de trabalho e o tempo pessoal desapareceu. Estamos permanentemente disponíveis, sempre no posto de trabalho”.

“Tudo é mais fácil na vida virtual, mas perdemos a arte das relações sociais e da amizade”.

“Esquecemos o amor, a amizade, os sentimentos, o trabalho bem feito. O que se consome, o que se compra, são apenas sedativos morais que tranquilizam seus escrúpulos éticos”.

Heládio Santos
Sociólogo e pesquisador

Nenhum comentário:

Postar um comentário