O Jornal Tocha da Verdade é um periódico trimestral independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

Comunie

Comunie

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Jornal da “fé apostólica”

Em setembro de 1906, Seymour começou uma publicação intitulada “A Fé Apostólica”. Em poucos meses, foi enviado a mais de vinte mil pessoas. Em doze meses, mais do que dobrou. Esta publicação tornou-se rapidamente o principal órgão de propaganda do movimento. Estava cheio de testemunhos e ensinamentos. Seymour anunciou sua intenção de restaurar “a fé uma vez entregue aos santos” por pregações antigas, reuniões de campo, reavivamentos, missões, trabalho de rua e prisão.
A influência da publicação foi imensa e garantiu um fluxo contínuo de visitantes na Missão - para não mencionar as ofertas de liberdade que lhes permitiram avançar o trabalho em outros lugares. Os centros de apoio de Azusa tinham sido plantados em Seattle e Portland sob a direção de uma mulher com o nome de Florence Crawford.
A ironia é que, embora o jornal tivesse trazido tanta benção e expansão, também se tornou uma das principais causas da morte da Missão. Duas mulheres brancas, Clara Lum, secretária da Missão e Florence Crawford, também muito ativa no trabalho da Missão, ajudaram a publicar o documento da Missão, que em 1909 tinha uma circulação superior a 50.000. Mas ocorreu uma ruptura séria entre essas duas senhoras e William Seymour. O pomo da disputa foi o casamento de Seymour com Jennie Evans Moore.
Na época, muitos viam o casamento como sem importância, até mesmo uma desgraça à luz do bom senso para a obra do Senhor. Quem teve esses pontos de vista foi Miss Lum, que liderou um pequeno, mas influente grupo na Missão para denunciar seu pastor!
Jennie Evans Moore era conhecida por sua beleza, talentos musicais, gentileza e sensibilidade espiritual. Ela sempre foi fiel e leal a Seymour. Foi Jennie quem acreditou que o Senhor queria que eles se casassem, e Seymour concordou. Então eles casaram em 13 de maio de 1908, posteriormente se mudando para o apartamento modesto no andar de cima na Missão Azusa.
Alguns dizem que Clara Lum estava secretamente apaixonada por Seymour, e saiu por causa de seu ciúme. Seja qual for a razão, ela mudou-se para Portland, Oregon, para se juntar à missão fundada por Florence Crawford em 1907. O problema era que ela tomou os 50.000 nomes nacionais e internacionais e endereços da lista de leitores que havia com ela.

Isso prejudicou a influência mundial de Seymour. Tudo o que lhe restava era a lista local de Los Angeles. Assim, quando foi no mês de maio de 1908, o periódico “a Fé Apostólica” foi enviado, embora a capa tivesse a mesma aparência, mas por dentro estava seu novo endereço em Portland para contribuições e correspondência. Sem perceber todos os contribuintes agora enviavam depoimentos e contribuições para Portland sem questionar a mudança. A edição de junho não mencionava Seymour e, em meados de 1908, todas as referências a Los Angeles e Azusa foram omitidas inteiramente. Apesar de uma visita pessoal e pedidos de Seymour as listas nunca foram devolvidos. Tornou-se impossível para Seymour continuar a publicação, e isso terminou a influência mundial inicial de Azusa e da base mundial da Missão de apoio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário