O Jornal Tocha da Verdade é um periódico trimestral independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

Comunie

Comunie

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Reuniões na Bonnie Brae Street

Seymour passou muito tempo em oração particular e jejum, tornando-se conhecido como um homem de oração incomum. Depois convidou seu anfitrião e anfitriã para compartilhar momentos em oração. Para a consternação da Sra. Hutchins, outros membros de Santa Fe começaram a sentir uma compulsão espiritual para participar dessas reuniões de oração. Lee convidou Seymour para ministrar um pequeno estudo bíblico em casa e reunião de oração na casa de Richard e Ruth Asberry na North Bonnie Brae Street, 214. Ele concordou e continuou a fazê-las até meados de abril de 1906.
No início, esses encontros foram assistidos principalmente por “lavadoras negras” e alguns de seus maridos. Apesar da falta de experiência pessoal do “batismo” com a “evidência bíblica” de falar em línguas e a aparente falta de resultados em seus ouvintes, Seymour avançou com fé e garantia de que a bênção estava a caminho.
As notícias dos encontros logo começaram a se espalhar, apesar da falta de avanço. Outros pastores da igreja local ouviram falar do pregador de santidade que estava pregando e esperando o próximo “movimento de Deus”. Gradualmente, no final de março de 1906, esses crentes brancos se juntaram ao pequeno grupo de afro-americanos na Bonnie Brae Street. Estavam procurando ativamente o batismo com o Espírito Santo como evidenciado pelo falar com outras línguas.
Foi neste ponto que Seymour foi divinamente guiado para pedir um longo ministério para sua amiga, Lucy Farrow. Ele sentia que ela havia recebido o Espírito Santo e, portanto, era mais capaz de comunicar o dom aos outros. Ele explicou a questão ao grupo e dinheiro foi coletado para trazê-la de Houston.
Quando chegou, Seymour anunciou um jejum de dez dias para receber o batismo do Espírito Santo. Todo o grupo jejuou e orou durante o fim de semana. Na noite de segunda-feira, 9 de abril de 1906, antes de partir para a casa de Asberry, Seymour parou para orar com Edward Lee para uma cura. Lee, tinha, mais cedo, relatado uma visão que tinha tido na noite anterior em que os doze apóstolos vieram a ele explicando como falar em línguas. Lee então pediu a Seymour para orar com ele para receber o batismo com o Espírito Santo. Eles oraram juntos, e Lee imediatamente recebeu e começou a falar em outras línguas. Esta foi a primeira ocasião de alguém ter recebido o batismo com o Espírito Santo pela oração de Seymour.
Correndo para a reunião na casa de Asberry, Seymour relatou o que tinha acontecido com o irmão Lee. Lee então ergueu as mãos e começou a falar em outras línguas. A oração espontânea e apaixonada pelo batismo com o Espírito Santo estourou por toda a casa. Logo suas orações foram respondidas quando “Seymour e sete outros caíram ao chão em um êxtase, falando em outras línguas”, ao receberem o batismo do Espírito Santo.
Jennie Evans Moore, que um dia se tornaria esposa de Seymour, começou a tocar uma bela música em um velho piano, e a cantar no que as pessoas diziam ser hebraico. Até então, ela nunca tinha tocado piano, e apesar de nunca ter praticado uma lição, era capaz de tocar o instrumento pelo resto de sua vida. O fenômeno das línguas e a mensagem dinâmica de um Pentecostes pessoal foi tão excitante que na noite seguinte multidões ainda maiores se reuniram na rua em frente à casa para ouvir Seymour pregar a partir de um púlpito caseiro na varanda da frente.
As notícias viajaram rápido. Eles dificilmente poderiam manter em segredo o que havia acontecido porque nem eles tinham qualquer desejo de fazê-lo. Deus veio em grandes ondas de poder e de refrigério. As portas e janelas estavam abertas e “gritaram três dias e noites. Era a época da Páscoa. As pessoas vieram de todos os lugares. Na manhã seguinte não havia maneira de chegar perto da casa. À medida que as pessoas entravam, elas caíam sob o poder de Deus; e toda a cidade foi agitada. Eles gritaram até que a fundação da casa cedeu, mas ninguém foi ferido”.
Reuniões na casa Bonnie Brae ocorriam vinte e quatro horas por dia durante pelo menos três dias. As pessoas relataram cair sob o poder de Deus e receber o batismo com o Espírito Santo com a evidência de línguas enquanto ouviam Seymour pregar do outro lado da rua. Grupos de todas as culturas e raças começaram a encontrar o caminho para Bonnie Brae Street, 214, desesperadamente à procura de uma efusão maior de Deus.

A multidão cresceu tanto que se tornou impossível chegar perto da casa, e o movimento de pessoas para entrar na casa tornou-se tão grande que a fundação caiu. Milagrosamente, ninguém foi ferido. Dentro de uma semana tornou-se necessário encontrar um local maior para abrigar o crescente número de pessoas que buscavam a Deus com grandes anseios.

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário