O Jornal Tocha da Verdade é um periódico trimestral independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

Comunie

Comunie

sábado, 29 de julho de 2017

Superintendente da SEAS convida Exército de Redenção Moriá para participar de plano estratégico de segurança pública

Nesta semana, o capitão Jean Carlos e a Tenente Débora Fidélis (Exército de Redenção Moriá) foram convidados pela Superintendência do Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo, órgão que trabalha com jovens em conflito com a lei, para fazerem parte de um plano estratégico para diminuir a violência entre jovens nas casas de privação, juntamente com outros grupos de evangelização juvenil de igrejas evangélicas. A lógica é simples. O Exército de Redenção Moriá tem evangelizado diversas casas de privação, levando a mensagem do Evangelho que transforma o indivíduo, não sendo uma ação social, mas um instrumento de resgate do indivíduo. Os trabalhos de evangelismos dos grupos estão resultando na restauração de jovens perdidos, razão pelo qual o Superintendente do órgão organizou a reunião para conhecer não só o ERM, mas os outros que trabalham nesse sentido provenientes de outras igrejas. Para o capitão Jean, a atitude e a percepção da autoridade estadual é louvável, pois abriu ainda maior oportunidade para reforçarem seu trabalho. Agora, a proposta do Superintendente é agregar a força evangelística de todos os grupos e focarem num projeto juntos para resolverem os problemas dos jovens no crime. 
Lembremos que o trabalho do ERM é sério e abnegado. Arde no peito desses oficiais a paixão pelas almas, como diria Oswald Smith; os perdidos são objetos de seu clamor e oração durante os cultos e vigílias, como faria John Hyde; as pregações são profundas e ousadas, cheias de unção, para atingir os mais duros corações e levá-los ao arrenpendimento, como fez Jonanthans Edwards. Enfim, é um trabalho levantado por Deus. Que Deus abra mais portas!  


Nenhum comentário:

Postar um comentário